Uma viagem através dos meus professores

magine contar a sua vida através dos seus professores. Volte no tempo e sinta o construir de si mesmo, a cada mestre inesquecível. Vamos viajar juntos, uma viagem através dos meus professores. A descoberta ao final é simplesmente surpreendente e impossível não chorar, logo em seguida sorrir, e transbordar de felicidade.

Nossa vida, nossos professores. Era uma vez a escolinha Nossa Senhora de Lourdes, anexa à Santa Casa de Santos. Ali tudo começou.


No jardim da infância, dona Silvia foi em casa e me elogiou muito. Meses depois, dona Silvia foi em casa e na frente dos meus pais me corrigiu muito.  Aprendi que aquele que te admira, também deve te corrigir.  Professora Judith me levou para o 2º ano do primário. Eu tinha feito o 1º ano numa escola especial da Santa Casa de Santos e a professora Judith, a diretora da escola municipal, achava que eu precisaria repetir o 1º ano. Fez um teste.  Me deu um livro para ler. Na sua frente e na frente da minha mãe que não sabia ler. Eu li e dona Judith me colocou no 2º ano do Colégio Olavo Bilac, em Santos. Que felicidade estava minha mãe.

Dona Ruth me fez aprender a tabuada com algumas reguadas. Foram poucas. Estalavam mais do que doíam. Dona Ruth era justa e democrática (“8×4? = 32”). Perfeito. “4×8? = 28”. Reguada! 32, corrigia e explicava que a ordem dos fatores não altera o produto. “Estude mais!”.

Professora Maria José, notas baixas. Ia repetir de ano. Chamou minha mãe e a obrigou a me colocar com uma professora particular. Lá fui, e isso pago com muito tricot que Dona Rosa, minha mãe adotiva, fazia para pagar a dona Cecília, minha professora particular. Tirei o diploma do primário entre os 20 melhores alunos do colégio Olavo Bilac. Tenho a foto, com medalha no peito e tudo, e a professora Maria José me entregando o diploma.

 

Ah, e as paixões? Dona Gilda, a mais linda e bela mulher do planeta. Que paixão! No meu 5º ano. Aprendi ali o que significa cair em profunda paixão, platônica. Claro, tudo em restrito segredo. Professor Marcelo, me deixou tocar na fanfarra do Colégio Canadá. Em Santos, era considerado um dos melhores do país. Também só consegui entrar nesse colégio pelo gigantesco esforço de minha mãe, nas filas da madrugada, e também porque o professor Santoro, o diretor, acho que ficou com pena de mim, e daquela Santa mãe, e me deu uma vaga.

 

Professora Angélica, me educou na biologia. Professora Maria Fonseca em história. Na matemática, que loucura, era o padre Adauto, jogava o apagador em alunos mal comportados. Dava broncas em alto e bom som. Aprendi que a diversidade humana não significa apenas cor, raça, credos, mas também saber olhar para os distintos em inteligência emocional. Marcante e eterno padre Adauto. Professor Solon, me fazia pensar em francês, e dona Maria Luiza, por meio das aulas com teatro de fantoches irrigou minha imaginação para sempre, muito além de ensinar português.

Meus professores, educadores, meus amores. Educadores não são somente os professores. São todas as pessoas que nos educam. Vovó Justina me dava um livro para ler todos os meses. Meu tio Joaquim me ensinava o que era um homem de caráter. Meu pai adotivo, Antônio, me queria corajoso e forte e me educava a jamais vir a ser uma vítima. Tia Geralda no hospital me fez enxergar a mim mesmo, e meus talentos que afloravam numa enfermaria de um hospital público de São Paulo, o Brigadeiro. Dona Helena me ensinou violão e muito mais, me deu saúde mental. Mas que sensação de gigantesca felicidade voltar no tempo e viajar através dos meus professores.

No cursinho, professora Sandra me admirava, dizia que eu ia ser um grande cara. Também me apaixonei por ela, mas nunca disse nada. Professor Mário, o mais engraçado e show man numa sala de aula. Aprendi com prof. Mário que nem só de conteúdo vive a aprendizagem. A forma, a criatividade, pode muitas vezes ser tudo, ou quase tudo, para abrir as janelas da nossa vontade e motivação interna. Professor Ricardo Ramos, filho do gigante escritor Graciliano Ramos. Aprendi com ele que podemos vir a gostar muito de uma matéria, não pela matéria em si, mas pela admiração que temos no professor.

Professor Torquato, um jornalista famoso que gostava de dedicar suas noites na faculdade ensinando . Aprendi que verdadeiros gênios tem a alma doadora, e com isso garantem perpetuidade na genialidade. Meus professores sempre estiveram comigo, e novos professores sempre estão comigo. Em Harvard o professor Ray Goldberg, que fascínio pela entrega da profundidade no Massachusetts Institute of Technology (MIT). Que gigantesca admiração por Nicholas Negroponte e Umberto Eco. A síntese de explosões do profundo do profundo. No Insead o contato e a descoberta de que existem educadores que uma vez colocados em contato com nossa alma, jamais nos abandonarão. Professor Ketz de Vries. Existem ensinamentos para o momento. E ensinamentos que nos aceleram todo o tempo. E o maior educador do mundo é aquele que fica invisível, e está sempre presente na invisibilidade automática das nossas escolhas e decisões.

Na hora do mestrado, que elevação mergulhar no método Stanislavski com Hamilton Saraiva, ter o apoio para fazer diferente do professor Bairon, e a disruptura da diversidade com professor Stori, Mackenzistas com quem aprendi como o mundo dos negócios fica melhor amalgamado com a arte, a cultura e a educação. Viajar com meus professores! Portanto, amá-los. Fico sempre numa busca permanente de mais professores.
Muitas vezes não são aqueles que dão aulas formais para você. Mas professores com quem convivemos. Lógico também virei um professor. Mas aprendi imensamente com colegas professores. Dr. amigo Marcos Cobra da FGV. Professor Decio do Pensa USP. Professor Nussio da Esalq, professor Roque. Quantas aulas no simples conviver. Professor Menten do Conselho Científico do Agrossustentável. O mestre Francisco Gracioso que me fez escrever o meu primeiro livro, na ESPM.

Mas como o bom aluno, para sempre um aluno deseja ser, lá fui ao doutorado. E de novo, a doutora professora Lissette, do Uruguai, UDE. Nem pensar que seu papel foi o de transmitir uma matéria. Nem pensar que seu papel foi o de conquistar bons humores e motivos para ser bom aluno. Seu papel foi o de inspirar para muito além. Professora Lissette me inspirou a uma jornada inimaginável. De certa forma me levou a um desafio íntimo. Me trouxe a expectativa de um legado. Uma proposta de tese única, e que talvez, apenas pessoas que tenham vivido com experiências como a minha (assista o filme Extraordinário, em cartaz, e você verá algo similar), retratado nos meus livros “O Voo do Cisne” e “Guerreiros não nascem prontos” (capitulo 14), talvez somente tendo sido um laboratório de aprendizagens superantes em si mesmo, pudesse aceitar o desafio da professora doutora Lissette: a pedagogia da superação.

Ao viajar através dos meus professores, viajo sobre mim, e me revejo. E me reestudo. E me apaixono por aprender. Mas admito e sei que nada seríamos sós. Vejo nessa jornada de vida, como se fosse uma autoestrada. Placas sinalizadoras e ali segurando cada uma delas um professor. Vejo postos para recarregar o combustível e ali professoras e professores atendendo e servindo. Vejo os hotéis e pousadas para o descanso e ali as reflexões dos ensinamentos da vida e os sonhos inspirados pelos mestres, seus livros e nossos diálogos em classe. Também tem os pedágios e as infrações. E bendito seja o mestre que aprende a nos corrigir, sem medo e com carinho, mas corrigir. Na autoestrada da vida, por momentos, paramos num resort gostoso, agradável, com piscinas aquecidas, e sentimos a vontade de não mais voltar pra estrada. Mas surge de novo um professor que nos revela o prazer infinito que é o descobrir, o novo porvir, e que viver significa jamais parar. Voltamos pro carro, nos despedimos e partimos, pois a jornada da vida é interminável e pra sempre será.

E agora, nas curvas paralelas que somente se encontrarão um dia no mesmo infinito, vejo que piloto um gigantesco ônibus, imenso. E dentro dele comigo estão viajantes que me acompanham desde a primeira infância. Sentados nas poltronas, conversando, debatendo e vivendo, ali estão todos os meus professores, os amigos, as professoras, tias, donas, e também aquelas minhas paixões platônicas. Do jardim da infância ao doutorado, não sou um só. Sou a somatória de retalhos e pedaços dos meus educadores. E hoje me sinto guiado. Dirijo o ônibus na autoestrada infinita da vida, mas alguém está na minha direção. Quem? Vocês, meus professores. E quando surge o inesperado. O incerto da vida, o acaso? Eu sei que vocês irão me proteger. Mas se pudesse voltar no tempo e viver de novo essa nossa viagem, o que eu faria diferente? Simples essa pergunta, simples a resposta: “se eu pudesse voltar no tempo e viver tudo de novo eu só faria uma coisa diferente – prestaria muito mais atenção”. Então o que posso fazer daqui pra frente na vida que ainda tenho para viver, até quando não sei, pois esse mistério cabe ao educador maior do universo estabelecer? Eu vou prestar muito mais atenção, e admirar muito mais a toda professora, todo professor do mundo, pois eu sei que ali está e ali vai um mestre de todos os mestres, aqueles que nos ensinam a dignidade do viver.

Feliz 2018 educadores, professoras e professores. Boa viagem para todos nós.

Quatro pontos para uma Sociedade Civil Organizada

Sociedade Civil Organizada: os quatro pontos para chegarmos a uma síntese:

1° ponto: Onde o agronegócio progride e cresce a qualidade de vida. O PIB per capita de Correntina, no oeste da Bahia, era de quatro mil, duzentos e sessenta e sete reais no ano 2000. Em 2015, foi para trinta e nove mil e trinta e quatro reais.

São Desidério, outra cidade do oeste baiano, em 2000 o PIB per capita registrava quatro mil duzentos e setenta e seis reais, e passou em 2015 para oitenta e três mil, duzentos e trinta e quatro reais.

Temos uma realidade em todo interior brasileiro, acentuado positivamente onde cooperativas bem lideradas estão presentes. Isso é fato, e não mito.

 

2° ponto: Tiago Muniz, jornalista da Rede Jovem Pan, entrevistou o presidente reeleito da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil – CNA, João Martins, semana passada, com a presença do presidente Michel Temer, em Brasília, e mostrou na fala do Sr. João Martins, uma queixa contra ativistas que atacam o agronegócio. Tiago Muniz ainda ressaltou que nesse discurso o presidente reeleito da CNA não declarou quem são e quais forças seriam essas.

 

Ou seja, organizações fortes e poderosas, como a própria CNA, se consideram vítimas perante fatos concretos da importância do agro no país, cuja população reconhece hoje seu fundamental valor.

Está na hora de saber orquestrar a comunicação, pois a realidade é resultado de percepção, e parar de pôr a culpa nos outros…

3° ponto: Vera Magalhães, outra colunista da Rede Jovem Pan escreveu para o Jornal O Estado de S. Paulo:

“O adiamento da votação da reforma da previdência não mostra só a impossibilidade de o atual congresso desempenhar um papel minimamente responsável…”.

 

O mais assustador é a completa falta de cálculo político, com isso se explica que a história comprova, serem mais reeleitos os que votam em reformas do que aqueles que não votam em reformas. Portanto, são burros ao protelar fazer agora o que precisa ser feito já…

4º ponto: Manuel Castells, estudioso e o profeta das redes, numa entrevista para o jornal O Valor disse: “Entre 60% e 75% dos cidadãos das democracias ocidentais não acreditam que os partidos políticos os representem legitimamente”, e adiciona: “… em situações extremas, como a do Brasil, precisaria de algo que venha da sociedade e não do sistema político, deslegitimado”.

Qual a conclusão e a síntese? Simples…

 

Entidades como a CNA precisam parar de chorar e aprender a se comunicar com a sociedade de forma muito mais consistente, permanente e inteligente, e claro, precisam trazer ao seu lado a Confederação Nacional da Indústria – CNI, a do Comércio, de Finanças,  das Cooperativas e sete as demais.

Sabemos que são doze Confederações Nacionais Empresariais que representam todo o PIB do país, não o governo… são 12 órgãos estruturados da Sociedade Civil Organizada.

Perante as evidências, por quê não se unem para um projeto brasileiro? O agronegócio envolve a todas as doze Confederações Empresariais. Está na hora de assumir a profecia de Manuel Castells. Que nos valha a sensatez da sociedade civil organizada.

 

Desejo menos governo e muito mais Sociedade Civil Organizada em 2018

Feliz natal. Afinal superamos este ano difícil, crítico, e com todas as dificuldades chegamos aqui e agora podemos dizer: “Ufa! Feliz Natal!”.

E o que eu gostaria de pedir ao Papai Noel para os brasileiros?

Não tenho dúvidas: menos governo e muito mais Sociedade Civil Organizada.

Que possamos ter um 2018 de crescimento econômico, de freio na corrupção tenebrosa nacional, de renovação da classe política e de um revigoramento da democracia. Só podemos desejar que, apesar dessa crise, possa nascer um novo Brasil, onde brasileiros íntegros e capazes estejam na governança da nação.

 

Quanto melhor o governo de um país, menos sofrimento e mais empreendedorismo, mais qualidade de vida e felicidades. Mas, tudo seria fácil se não fossem as dificuldades. Logo, não dá para sentar e esperar pelo governo. Não dá para rezar por uma eleição. Simplesmente não dá.

O Poder Executivo faliu, o Poder Legislativo foi junto e vivemos hoje do Poder Judiciário que também apresenta facções.

Carecemos urgentemente do 4º Poder. E qual é? A mídia ao lado da Sociedade Civil Organizada. Significa que as entidades representativas da sociedade precisam se unir e criar projetos para o Brasil.

Esses programas devem ter a orientação econômica, social, educacional e sustentável do país. devem ser apresentados aos candidatos para o exercício dos poderes públicos e significarem linhas fundamentais a serem implementaras por quem quer que seja eleito.

 

 

Uma cidade, um estado ou o nosso Brasil não pode mais ficar submetido exclusivamente aos poderes político-partidários.

A sociedade precisa estar presente, se apresentar com programas e fiscalizar.

Como começar? Muito simples. Começar por aqueles que têm toda a economia em suas mãos, e que ao mesmo tempo sofrem com os equívocos e os desmandos dos governos. Começar com as dez Confederações Nacionais Empresariais.

Se as Confederações da Indústria, Agropecuária, do Comércio, dos Serviços, do Sistema Financeiro, da Saúde, das Cooperativas, do Transporte, do Turismo e da Comunicação Social se orquestrassem reunidas e unidas num projeto, com o Brasil acima de interesses de facções, sem dúvida poderíamos mudar o país.

Não queremos ficarmos mais na expectativa ultrapassada de rezar pela vinda de um iluminado presidente.

Desejo um imenso Feliz Natal de amor, paz fraternidade e evolução ética. Desejo um ano novo de protagonismo, onde eu, você e todos possamos entender definitivamente que também somos governo e que governar não significa apenas ir votar. Governar é muito mais do que isso. Governar é assumir a responsabilidade do 4° Poder.

Somos o 4º Poder. O futuro terá cada vez menos governo, como esses do passado, e cada vez mais Sociedade civil organizada. Que 2018 nos traga essa clarividência.

“Eu não acredito mais em governo“, diz ex-Ministro Alysson Paolinelli

A frase “Eu não acredito mais em governo“ foi dita por um brasileiro com a autoridade legítima: Alysson Paulinelli. E eu digo: “Estamos juntos nessa”.

No Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento tivemos um dos Ministros mais exemplares votado por unanimidade nacional: Alysson Paulinelli. Hoje preside a Associação Brasileira do Produtores de Milho – Abramilho.

A data desta entrevista considero emblemática para todo o país: 7 de dezembro de 2017. Estávamos num dos mais importantes eventos da fruticultura brasileira realizado pela Abanorte, na cidade de Janaúba, região de Jaíba, localizada no norte de Minas Gerais.

(Veja como foi o Abanorte Fruit Connections: http://www.abanorte.com.br/web/app.php/noticia_page/69).

No evento, frente a mais de 500 testemunhas, haviam produtores de frutas, técnicos, autoridades e a mídia, perguntaram sobre as necessidades do país em diversos aspectos, como infraestrutura, política das águas, acordos comerciais e plano agropecuário, e de forma assertiva o ex-Ministro Alysson asseverou: “Eu não acredito mais em governo…“, e alguém perguntou em seguida: “E no Governo Estadual?“ e finalizou dizendo: “Também não…”.

Entrevistado por mim, pedi sua autorização para expor essa sua convicção ao país, e devidamente autorizado o transcrevo, pois considero que o Brasil não está precisando de choque nenhum além do choque de liderança da sua Sociedade Civil Organizada.

Eu perguntei para o Ex-Ministro: “Por que não acredita mais em governo?”, e ele respondeu: “Porque governo só atrapalha. No Ministério da Agricultura, por exemplo, não temos autonomia para nada. As decisões caminham todas para privilégios de interesses político-eleitoreiros.”.

Então, concluo que passamos a ter no mundo e no Brasil um descompasso do compasso. Isso quer dizer que a sociedade planetária se movimenta na velocidade digital, e governos no passo lento do cágado abraçados à índole nata do bicho preguiça. Quando não, algumas vezes velozes movidos pela picardia dos ratos que adoram roubar os queijos das dispensas abertas da nação brasileira.

Exceções? Existem, como a ciência já descobriu, que servem para confirmar a regra. Então, resolvi fazer uma outra grande pergunta ao ex-Ministro: “Ministro Alysson, o que vamos fazer doravante?”

Sua resposta cravou fundo na nossa consciência. Foi um cravo doloroso carregado de incômodos que se voltam e apontam exatamente para nós: “Não podemos esperar por governos, precisamos pegar para fazer. Sair, negociar, ter uma voz unida e reunida, pois sabemos tudo o que precisa ser feito. Nossos especialistas, estudiosos, pesquisadores e analistas possuem preparo e diagnósticos muito bem feitos das necessidades estruturais do país, em todos os sentidos. Basta irmos e acompanharmos os congressos, as pesquisas, as apresentações e as entrevistas. O que vemos é repetir e repetir os mesmíssimos diagnósticos. O que varia apenas é a tonalidade, a assertividade e a criatividade dos apresentadores.”.

Sim, sabemos tudo o que precisa ser feito no Brasil. Então, por quê não fazemos?

Não podemos mais nem esperar por governo e também devemos parar de botar a culpa em governos. Perante a falência notória e exemplar do sistema de governança do Brasil exponenciado pelas prisões, acusações e escândalos de um conluio público privado, revelador de uma contabilidade campeã do mundo na sua soma de falcatruas.

Esperar pelo governo, pelo próximo presidente, pelos novos legisladores e pelos embates ideológicos de esquerda, direita e de intérpretes da Constituição e das leis seria fácil se não fosse a sua inviabilidade, ou pior, a insanidade dessa insensatez.

Então, qual a proposta? Precisamos de governo?

Sim. Mas não mais de um governo que faça as coisas olhando para seu umbigo ou para Brasília. Precisamos de uma governança, de um cogoverno. Um deveria permanecer dentro das representações da democracia, os partidos políticos, suas facções e sub facções, e que ao longo do tempo possamos aprimorar a sua qualidade. O outro governo é esse que o ex-Ministro Alysson explicitou em no evento. Um governo da Sociedade Civil Organizada não contaminada por ideologias e sem a infiltração político-partidária. Um norte pra o país, onde todos os setores empreendedores nacionais devem ter um projeto, assim como o agronegócio. Que seja sustentável, que contenha responsabilidade social e que signifique um plano diretor para o Brasil crescer, e idealmente, que todos esses setores consigam integrar seus planos entre todas as cadeias produtivas brasileiras.

“A democracia é o melhor sistema de governo do mundo, mas ele tem uma regra: quem está organizado faz, e quem não está sofre…“, disse Alysson Paulinelli.

E continuou: “Passei pelo governo e estudei muito e sei das deficiências que eu tive, eu não acredito mais em governo, e profundamente decepcionado, vejo que governo não tem capacidade de fazer as coisas. Há uma interdependência que não funciona no Ministério da Agricultura. Não tem autonomia, seus recursos estão em outro gabinete; a fiscalização imperando no Brasil como forma de criar dificuldades para vender facilidades. Por isso eu não confio…

A saída? O caminho? O agro tem soluções, gerou soluções e é o que mantém a economia. Esse agro não pode esperar pelo governo, pois ele só atrapalhou. Desde 1986 só fizeram bobagens… acabaram com os instrumentos de política agrícola. O governo se encurrala e só sobra pra ele o instrumento de taxas de juros para controlar inflação. Não acredito mais em governo, pois é uma bagunça.

Para todo brasileiro, segue o recado para 2018: Que a sociedade reaja a esse caos, uma crise moral, política e social. Reconhecer que como o agro, outros setores também podem se organizar e buscar dinheiro lá fora a melhores custos do que aqui dentro. A democracia é o melhor sistema de governo, e eu participei do governo militar e eu sei o quanto presidente Geisel e seu sucessor sofreram para a abertura democrática, mas democracia tem uma regra no mundo inteiro, e quem está organizado faz, e quem não está sofre…”.

José Luiz Tejon

Jornalista, escritor, professor.

Membro do CCAS – Conselho Científico Agro Sustentável.

Membro do conselho consultivo da ABMRA – Associação Brasileira Marketing Rural.

Colunista da Rede Jovem Pan, Revista Feed&Food e colunista no Canal Rural, com o blog Agrosuperação.

O Brasil sem autoridade moral pode ser fatal

O risco do Brasil precisa ser diminuído pelo protagonismo da Sociedade Civil organizada. Estamos numa gravíssima crise de autoridade moral

 

O Brasil é diferente da Tunísia em tamanho e conjuntura, que recebeu o Prêmio Nobel da paz em 2015 criando um quarteto do diálogo nacional para resgatar a autoridade moral de um processo político falido. Se reuniram, na época, a União Geral Tunisiana do Trabalho, a União Tunisiana da Indústria, Comércio e Artesanato, a Ordem Nacional dos Advogados da Tunísia e a Liga Tunisiana dos Direitos Humanos.

E no Brasil… por quê deixamos o país solto à sorte ou aos azares de uma impressionante crise da falência da autoridade moral?

Perante um quadro deprimente e incompetente de presidenciáveis, onde nas pesquisas mostram que 84% dos brasileiros dizem não conhecer ninguém que poderia resgatar o país – além do papa Francisco – e liderarem a intenção de votos: Lula, Bolsonaro e Marina?

Ou a Sociedade Civil Organizada age ou permitiremos que a marcha da insensatez faça seu caminho incerto e insensato. Democracia não é sinônimo de partidos políticos, pois eles significam uma forma organizada de representação pública.

Você colocaria o condomínio onde mora sob a guarda do atual Legislativo ou do Executivo?

Democracia exige e clama em altíssimo e bom som pela Sociedade Civil Organizada, movimentos populares, associações de bairros, ONG’s, entidades de classes, sindicatos, e sem dúvida, as Confederações Nacionais Empresariais.

Estas últimas, na forma de dez mega instituições com registro sindical e mais duas sem registro sindical simplesmente compreendem todo o PIB não governamental do Brasil. Tem estrutura, recursos humanos, orçamentos e arrecadações que agora sofrerão um abalo pela lei que desobriga o pagamento aos sindicatos, seja dos trabalhadores ou patronais de forma involuntária.

Entretanto, ai estão as representações patronais da economia empreendedora brasileira e também da cooperativista: Confederações Nacionais da Agropecuária, Comércio, Bens, Serviços e Turismo, Cooperativas, Indústria, Transporte, Seguros gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização, Instituições financeiras, sistema financeiro, comunicação social, saúde, hospitais, estabelecimentos e serviços, serviços e turismo.

Aí estão as doze representações da Sociedade Civil Organizada Empresarial do país.
Para virmos a ser uma grande Tunísia, seria desejável reunirmos os sindicatos dos trabalhadores. Seria possível? Me parece que não, por divisões internas e também por evidentes contaminações político-partidárias.

Numa conjunção de um projeto brasileiro que objetivasse pairar acima dos desígnios e destinos das eleições de 2018 e que significasse um 4° legítimo poder de cogovernabilidade para o pais, deveríamos incluir a OAB, a Academia Brasileira, Direitos Humanos com a mídia, na busca de um projeto de nação, integrando aquilo que precisa ser feito no Brasil independentemente de quem venha a ser o presidente, governador, deputado ou senador.

Curiosamente em algumas cidades brasileiras já assistimos essas iniciativas de governabilidade com ótimos resultados, como por exemplo, em Maringa, no Paraná e Caçador, em Santa Catarina.

Você pode pensar que a complexidade brasileira não permite reunirmos essas instituições todas por um chamado de bom senso de sensatez, os conflitos de interesses são imensos. Ok, não somos a Tunísia e nem chegamos ao ponto de não retorno daquela sociedade em guerra civil que a levou a uma obrigatória lucidez, criando o “Quarteto do diálogo nacional, resgatando a autoridade moral tunisiana“ com o emblemático Nobel da Paz.

Será que pelo menos as doze Confederações Empreendedoras do país não deveriam se unir, criar um projeto de empreendedorismo, cooperativismo e apresentar à nação, o que precisa ser feito, construído, e efetivado para que o Brasil não padeça da doença da inanição educacional, tecnológica, produtiva, competitiva, legal, ética e moral?

Não deveríamos criar programas unindo as doze Confederações, coletar o que há obrigatoriamente de interesses sinérgicos e comuns entre elas, para formar um pacto pelo progresso e sustentabilidade do Brasil?

Esse plano Brasil 2030 empreendedor, cooperativista, humano e sustentável seria o documento régio, explicitado por legítimos poderes da Sociedade Civil Organizada. Começar com as doze confederações, com doze presidentes com poder e obrigações civilizatórios que reúnem todo o PIB brasileiro, e a partir dessa locomotiva de negócios, da economia e das finanças atrair demais representações da Sociedade Civil Organizada Brasileira sob um foco e uma luz ascensional?

Uma utopia, uma ilusão ou um sonho?

Fico com o sonho do realismo esperançoso. Isso é possível e só depende de alguns brasileiros nos cargos e nas posições se movimentarem para isso. Só depende de líderes e de lideranças.

Da para fazer, pois afinal, como já cantamos um dia: “Quem sabe faz a hora não espera acontecer“.
Quem diria, companheiros! Tal qual na China, o caminho a ser forjado está sob a bandeira da produtividade e do empreendedorismo capitalista com fortíssima dose de cooperativismo, mas isso sim é de verdade uma análise concreta de situações concretas.

Sem autoridade moral, não tem autoridade legal. Pode ser fatal. Não podemos esperar por um presidente por mais que isso possa parecer ser suficiente.