Uma viagem através dos meus professores

magine contar a sua vida através dos seus professores. Volte no tempo e sinta o construir de si mesmo, a cada mestre inesquecível. Vamos viajar juntos, uma viagem através dos meus professores. A descoberta ao final é simplesmente surpreendente e impossível não chorar, logo em seguida sorrir, e transbordar de felicidade.

Nossa vida, nossos professores. Era uma vez a escolinha Nossa Senhora de Lourdes, anexa à Santa Casa de Santos. Ali tudo começou.


No jardim da infância, dona Silvia foi em casa e me elogiou muito. Meses depois, dona Silvia foi em casa e na frente dos meus pais me corrigiu muito.  Aprendi que aquele que te admira, também deve te corrigir.  Professora Judith me levou para o 2º ano do primário. Eu tinha feito o 1º ano numa escola especial da Santa Casa de Santos e a professora Judith, a diretora da escola municipal, achava que eu precisaria repetir o 1º ano. Fez um teste.  Me deu um livro para ler. Na sua frente e na frente da minha mãe que não sabia ler. Eu li e dona Judith me colocou no 2º ano do Colégio Olavo Bilac, em Santos. Que felicidade estava minha mãe.

Dona Ruth me fez aprender a tabuada com algumas reguadas. Foram poucas. Estalavam mais do que doíam. Dona Ruth era justa e democrática (“8×4? = 32”). Perfeito. “4×8? = 28”. Reguada! 32, corrigia e explicava que a ordem dos fatores não altera o produto. “Estude mais!”.

Professora Maria José, notas baixas. Ia repetir de ano. Chamou minha mãe e a obrigou a me colocar com uma professora particular. Lá fui, e isso pago com muito tricot que Dona Rosa, minha mãe adotiva, fazia para pagar a dona Cecília, minha professora particular. Tirei o diploma do primário entre os 20 melhores alunos do colégio Olavo Bilac. Tenho a foto, com medalha no peito e tudo, e a professora Maria José me entregando o diploma.

 

Ah, e as paixões? Dona Gilda, a mais linda e bela mulher do planeta. Que paixão! No meu 5º ano. Aprendi ali o que significa cair em profunda paixão, platônica. Claro, tudo em restrito segredo. Professor Marcelo, me deixou tocar na fanfarra do Colégio Canadá. Em Santos, era considerado um dos melhores do país. Também só consegui entrar nesse colégio pelo gigantesco esforço de minha mãe, nas filas da madrugada, e também porque o professor Santoro, o diretor, acho que ficou com pena de mim, e daquela Santa mãe, e me deu uma vaga.

 

Professora Angélica, me educou na biologia. Professora Maria Fonseca em história. Na matemática, que loucura, era o padre Adauto, jogava o apagador em alunos mal comportados. Dava broncas em alto e bom som. Aprendi que a diversidade humana não significa apenas cor, raça, credos, mas também saber olhar para os distintos em inteligência emocional. Marcante e eterno padre Adauto. Professor Solon, me fazia pensar em francês, e dona Maria Luiza, por meio das aulas com teatro de fantoches irrigou minha imaginação para sempre, muito além de ensinar português.

Meus professores, educadores, meus amores. Educadores não são somente os professores. São todas as pessoas que nos educam. Vovó Justina me dava um livro para ler todos os meses. Meu tio Joaquim me ensinava o que era um homem de caráter. Meu pai adotivo, Antônio, me queria corajoso e forte e me educava a jamais vir a ser uma vítima. Tia Geralda no hospital me fez enxergar a mim mesmo, e meus talentos que afloravam numa enfermaria de um hospital público de São Paulo, o Brigadeiro. Dona Helena me ensinou violão e muito mais, me deu saúde mental. Mas que sensação de gigantesca felicidade voltar no tempo e viajar através dos meus professores.

No cursinho, professora Sandra me admirava, dizia que eu ia ser um grande cara. Também me apaixonei por ela, mas nunca disse nada. Professor Mário, o mais engraçado e show man numa sala de aula. Aprendi com prof. Mário que nem só de conteúdo vive a aprendizagem. A forma, a criatividade, pode muitas vezes ser tudo, ou quase tudo, para abrir as janelas da nossa vontade e motivação interna. Professor Ricardo Ramos, filho do gigante escritor Graciliano Ramos. Aprendi com ele que podemos vir a gostar muito de uma matéria, não pela matéria em si, mas pela admiração que temos no professor.

Professor Torquato, um jornalista famoso que gostava de dedicar suas noites na faculdade ensinando . Aprendi que verdadeiros gênios tem a alma doadora, e com isso garantem perpetuidade na genialidade. Meus professores sempre estiveram comigo, e novos professores sempre estão comigo. Em Harvard o professor Ray Goldberg, que fascínio pela entrega da profundidade no Massachusetts Institute of Technology (MIT). Que gigantesca admiração por Nicholas Negroponte e Umberto Eco. A síntese de explosões do profundo do profundo. No Insead o contato e a descoberta de que existem educadores que uma vez colocados em contato com nossa alma, jamais nos abandonarão. Professor Ketz de Vries. Existem ensinamentos para o momento. E ensinamentos que nos aceleram todo o tempo. E o maior educador do mundo é aquele que fica invisível, e está sempre presente na invisibilidade automática das nossas escolhas e decisões.

Na hora do mestrado, que elevação mergulhar no método Stanislavski com Hamilton Saraiva, ter o apoio para fazer diferente do professor Bairon, e a disruptura da diversidade com professor Stori, Mackenzistas com quem aprendi como o mundo dos negócios fica melhor amalgamado com a arte, a cultura e a educação. Viajar com meus professores! Portanto, amá-los. Fico sempre numa busca permanente de mais professores.
Muitas vezes não são aqueles que dão aulas formais para você. Mas professores com quem convivemos. Lógico também virei um professor. Mas aprendi imensamente com colegas professores. Dr. amigo Marcos Cobra da FGV. Professor Decio do Pensa USP. Professor Nussio da Esalq, professor Roque. Quantas aulas no simples conviver. Professor Menten do Conselho Científico do Agrossustentável. O mestre Francisco Gracioso que me fez escrever o meu primeiro livro, na ESPM.

Mas como o bom aluno, para sempre um aluno deseja ser, lá fui ao doutorado. E de novo, a doutora professora Lissette, do Uruguai, UDE. Nem pensar que seu papel foi o de transmitir uma matéria. Nem pensar que seu papel foi o de conquistar bons humores e motivos para ser bom aluno. Seu papel foi o de inspirar para muito além. Professora Lissette me inspirou a uma jornada inimaginável. De certa forma me levou a um desafio íntimo. Me trouxe a expectativa de um legado. Uma proposta de tese única, e que talvez, apenas pessoas que tenham vivido com experiências como a minha (assista o filme Extraordinário, em cartaz, e você verá algo similar), retratado nos meus livros “O Voo do Cisne” e “Guerreiros não nascem prontos” (capitulo 14), talvez somente tendo sido um laboratório de aprendizagens superantes em si mesmo, pudesse aceitar o desafio da professora doutora Lissette: a pedagogia da superação.

Ao viajar através dos meus professores, viajo sobre mim, e me revejo. E me reestudo. E me apaixono por aprender. Mas admito e sei que nada seríamos sós. Vejo nessa jornada de vida, como se fosse uma autoestrada. Placas sinalizadoras e ali segurando cada uma delas um professor. Vejo postos para recarregar o combustível e ali professoras e professores atendendo e servindo. Vejo os hotéis e pousadas para o descanso e ali as reflexões dos ensinamentos da vida e os sonhos inspirados pelos mestres, seus livros e nossos diálogos em classe. Também tem os pedágios e as infrações. E bendito seja o mestre que aprende a nos corrigir, sem medo e com carinho, mas corrigir. Na autoestrada da vida, por momentos, paramos num resort gostoso, agradável, com piscinas aquecidas, e sentimos a vontade de não mais voltar pra estrada. Mas surge de novo um professor que nos revela o prazer infinito que é o descobrir, o novo porvir, e que viver significa jamais parar. Voltamos pro carro, nos despedimos e partimos, pois a jornada da vida é interminável e pra sempre será.

E agora, nas curvas paralelas que somente se encontrarão um dia no mesmo infinito, vejo que piloto um gigantesco ônibus, imenso. E dentro dele comigo estão viajantes que me acompanham desde a primeira infância. Sentados nas poltronas, conversando, debatendo e vivendo, ali estão todos os meus professores, os amigos, as professoras, tias, donas, e também aquelas minhas paixões platônicas. Do jardim da infância ao doutorado, não sou um só. Sou a somatória de retalhos e pedaços dos meus educadores. E hoje me sinto guiado. Dirijo o ônibus na autoestrada infinita da vida, mas alguém está na minha direção. Quem? Vocês, meus professores. E quando surge o inesperado. O incerto da vida, o acaso? Eu sei que vocês irão me proteger. Mas se pudesse voltar no tempo e viver de novo essa nossa viagem, o que eu faria diferente? Simples essa pergunta, simples a resposta: “se eu pudesse voltar no tempo e viver tudo de novo eu só faria uma coisa diferente – prestaria muito mais atenção”. Então o que posso fazer daqui pra frente na vida que ainda tenho para viver, até quando não sei, pois esse mistério cabe ao educador maior do universo estabelecer? Eu vou prestar muito mais atenção, e admirar muito mais a toda professora, todo professor do mundo, pois eu sei que ali está e ali vai um mestre de todos os mestres, aqueles que nos ensinam a dignidade do viver.

Feliz 2018 educadores, professoras e professores. Boa viagem para todos nós.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *