Olha o que meu filho fez no computador… quanto valeria?

Uma belíssima ilustração.

Homem e mulher indefinidos, mas uma coisa: só os dois. Tem sensualidade, uma bela arte. Bem, digamos você gostou da proposta, achou um lindo quadro, quando estaria disposto a pagar por ele, dois mil reais?

Vamos dizer que você adora essa proposta da integração homem e mulher e o quadro tem a ver com você, sua visão de mundo… então, pagaria até cinco mil, dez mil reais?

 

Mas, ao prestar atenção lá está o nome do autor, de quem assina o quadro: “Óscar Domínguez”, extraordinário artista, presente e renomado nos museus de arte moderna do mundo inteiro. E aquele é simplesmente o seu quadro “Le Couple”.

 

Quanto vale agora? US$ 1 milhão? Bem, talvez, mesmo querendo, não pudesse pagar. Mas isso é outra coisa, pois valor dessa obra é gigantesco.

Assim é a vida?

 

O valor não está nas coisas, mas em quem faz o quê com as coisas. Entã, pergunto: “Quem é você?”

Um telefone velho com lagosta, quanto vale isso?

Se alguém lhe vendesse esta um telefone velho com um fone na forma de uma lagosta, quanto você, amigo leitor, estaria disposto a pagar?

Nada, talvez. Se encontrasse na rua nem pegaria? Ou quem sabe achasse legal para dar de presente num amigo secreto e pagasse R$ 60,00?

 

Bem talvez você tivesse um amigo no negócio de frutos do mar, e o símbolo tivesse um valor maior, uns R$ 300,00?

 

Ou ainda, um chefe apaixonadíssimo por lagostas, e esse presente revelasse o quão criativo você é na observação das coisas, e o comprasse por R$ 1.500,00 numa loja de antiguidades. Quem sabe?

 

Mas, de repente ali está a fonte, quem fez esta peça, e você vê o nome: “Salvador Dalí”. Sim, o próprio gênio da arte surreal.

Quanto passaria a valer esse telefone velho com uma lagosta no fone? US$ 1 milhão, talvez muito mais? Quem sabe nem tenha preço!

 

O valor não está nas coisas, mas em quem faz o que com as coisas.

 

Então, pergunto: “Quem é você?”

Quanto vale este manequim azul?

Vamos imaginar que você, amigo leitor, tenha uma loja de moda. Então, poderia gastar para expor algo.

Supondo que você tenha exposto um manequim meio corpo, belo e azul.

Poderiam pagar quanto? Talvez R$ 300,00? Você poderia explicar que não se trata de um manequim qualquer, pois têm pigmentos azuis especiais sobre o gesso.

E pedir mil reais? Ok, talvez.

E se dissesse agora que o busto poderia estar numa loja de decoração por um preço de dois mil reais… O lindo azul sobre gesso e o vendedor poderia acrescentar tratar-se de uma peça de rara beleza que liberta a superfície, uma presença monocromática especial.

 

Você pagaria três mil reais?

 

De repente você vê a assinatura dessa peça do Yves Klein, um dos autores da modernidade do “Spacializmo”, que é antecedida pelo grupo de vanguarda “Zero” num resgate à Segunda Guerra Mundial, onde atuam no foco da monocromia, uma ilusão de ótica.

Yves Klein afirma que sugerir, expressar e representar não são mais os problemas de hoje. Então, cria uma exposição chamada “Lá Nuova Concezione Artística” (1960) por uma busca de soluções originais.

 

Então, agora quanto vale este busto de pigmento azul sobre gesso? US$ 1 milhão?

O valor não está nas coisas, mas em quem faz o que com as coisas.

 

Então pergunto: “Quem é você?”

O valor não está na ‘coisa’ e sim o que fazemos com a ‘coisa’

As coisas em si não têm valor. O sentido que alguém dá a elas, sim.

Sardinhas ao longo da história foram consideradas um alimento de baixo valor estimativo. Evidentemente não, quando as olhamos nas deliciosas festas portuguesas das sardinhas assadas com azeite.

 

Fora o folclore, aumentar e capturar mais valor das antiquíssimas sardinhas, e principalmente delas em lata pode parecer um esforço em vão e infrutífero.

 

Engano. A captura de valor nunca está na ‘coisa’ e sim na resposta “à quem”.

 

No aeroporto de Lisboa, o trabalho da Associação Portuguesa do Negócio da Sardinha dá um show de ampliação de valor. Um reino fantástico da sardinha portuguesa foi criado.

Com um pouco de imaginação as sardinhas em lata são reveladas como rainhas. As latas todas com datas dos anos marcam a vida dos que passam e não conseguem, ao parar, sair sem comprar a sua lata de sardinhas portuguesas ao azeite.

A sardinha literalmente virou rainha.

Num trono, tal qual uma rainha, lá está a sardinha em lata com o ano de JK Rowling, autora da série Harry Potter, que viveu em Portugal.

Mundo Fantástico da Sardinha Portuguesa

 

O valor não está nas coisas, mas em quem faz o que com as coisas.

Então pergunto: “Quem é você?”