Modernidade e disruptura não começou com você, meu jovem

O comércio eletrônico, as Bit Coins, o Big Data, o mundo digital, onde distância não mais existe e apenas o tempo nos enlouquece. Ou ainda onde o computador Google se aposenta pois não existem mais mestres de xadrez que o conseguem vencer. Isso não é novo, e muito menos começou agora, aqui e com você.

 

Vivemos hoje apenas o resultado de um processo longo, muito longo. “A long, long road.”

 

Você imaginaria que alguém poderia vender sorvete por telemarketing nos anos 1930 e entrega-los nas principais capitais da Europa?

Ice-cream flavors at the ice cream parlor

Existiam poucos telefones, só para alguns. E pense> mandar sorvete de Roma, por exemplo, para Paris?

 

Mas isso existia. O Palazzo del Freddo, localizado exatamente na capital italiana, já fazia isso nos primórdios. Não era online, nem por computador, era no velho telefone com fio mesmo.

 

Porém, haviam atendentes, um Data Base, uma espetacular logística e armazenagem, além de um delivery impecável, pois os clientes naquela época eram lordes e fidalgos, ou seja, ficavam enfurecidos por muito pouco, e o ‘customer care’ apanharia literalmente com erros ou descuidos inaceitáveis.

 

O que mudou? É que antes, o serviço era para pouquíssimos e hoje é “for all”. Antes era caríssimo, hoje custa 1 euro.

 

O que mudou na criação e captura de valor? Na criação… nada! São inventos, tecnologias, processos, coisas. E na captura? Tudo: velocidade, custo, timing, e de poucos para todos.

 

O valor não está nas coisas. O valor está em quem faz o quê com as coisas! Então, pergunto: “Quem é você?”

Você cruzaria o oceano e enfrentaria uma fila só para comer um doce?

O que é mesmo valor?

A criação do valor está nas coisas, mas a captura do valor não está nas coisas. Se alguém dissesse: “Pessoas viajam de um lado para outro do mundo, ficam numa fila e pagam para simplesmente comer um doce.

 

Você diria que essas pessoas são loucas ou irracionais?

 

Nessas observações residem provocações importantes para discutirmos o que significa valor. E claro, o que isso tem a ver com você, comigo, com as nossas vidas.

 

O famoso Pastel de Belém nasceu na cidade de Lisboa, em Portugal. Turistas do mundo todo vão para saborear esse doce, que geralmente é vendido em uma casa estilo à moda antiga portuguesa, com ladrilhos.

 

Há fila para entrar, para ser atendido, para sair e pagar. Ao lado, há um Mc Donald’s, Starbucks. Mas é na velha casa portuguesa que com certeza reside uma gigantesca captura de valor.

 

Desde 1837, Os famosos Pastéis de Belém são feitos com açúcar, gema de ovo, leite, e a farinha. Uma Commodity. Porém, o valor é extraordinariamente maior. Ali é a ‘casa dos Pastéis de Belém’.

 

O valor não está nas coisas, o valor está em quem faz o quê com as coisas!

 

Então, pergunto: “Quem é você?”

O valor não está na ‘coisa’ e sim o que fazemos com a ‘coisa’

As coisas em si não têm valor. O sentido que alguém dá a elas, sim.

Sardinhas ao longo da história foram consideradas um alimento de baixo valor estimativo. Evidentemente não, quando as olhamos nas deliciosas festas portuguesas das sardinhas assadas com azeite.

 

Fora o folclore, aumentar e capturar mais valor das antiquíssimas sardinhas, e principalmente delas em lata pode parecer um esforço em vão e infrutífero.

 

Engano. A captura de valor nunca está na ‘coisa’ e sim na resposta “à quem”.

 

No aeroporto de Lisboa, o trabalho da Associação Portuguesa do Negócio da Sardinha dá um show de ampliação de valor. Um reino fantástico da sardinha portuguesa foi criado.

Com um pouco de imaginação as sardinhas em lata são reveladas como rainhas. As latas todas com datas dos anos marcam a vida dos que passam e não conseguem, ao parar, sair sem comprar a sua lata de sardinhas portuguesas ao azeite.

A sardinha literalmente virou rainha.

Num trono, tal qual uma rainha, lá está a sardinha em lata com o ano de JK Rowling, autora da série Harry Potter, que viveu em Portugal.

Mundo Fantástico da Sardinha Portuguesa

 

O valor não está nas coisas, mas em quem faz o que com as coisas.

Então pergunto: “Quem é você?”

Nem toda finitude será angustiante

O fim angustia. Uma casa deixada em meio a uma mudança parece sentir seus últimos dias. A sua composição mineral parece chorar. Os móveis deixados pra trás, se falassem, implorariam para seguir.

 

Se essa casa ficar fechada por alguns dias, a umidade irá se apossa, a luz desaparecerá e as trevas dominarão, e com a escuridão predominarão os habitantes desse reino triste.

 

Um namoro desfeito, por mais que pareça ser indiferente para uma parte ou ambas, para sempre uma marca indelével fica. Permanece e de vez em quando aparece para a relembrança.

 

Uma vez conversava com a Dra. Sandra Serrano, especialista em dor, no Hospital do Câncer, e que assistia constantes desenlaces da vida, perguntei: “Doutora, como as pessoas morrem? ”

 

Ela pensou e disse: “Morrem como vivem”. Se alegres, guardam a alegria. Se mal educadas, assim se comportam. Se arrogantes, da mesma forma.”

 

Convivi por anos com grandes vendedores de páginas amarelas. Havia uma senhora em televendas espetacular. Campeã de vendas. Um dia recebi a notícia de que estava internada em estado grave. Era a Dona Raquel. Quando a fui visitar, para minha surpresa estava já no quarto, e não na UTI.

Ao me ver, sorriu, me aproximei e ela sussurrou nos meus ouvidos: “Hoje eu fiz uma grande venda.” Fiquei impressionado e perguntei: “O que foi, Dona Raquel? – pensando que ela estaria tendo alucinações – e então me respondeu baixinho no ouvido: ” Vendi pro médico que não queria morrer na UTI, e que me levasse pro quarto”.

 

Poucos dias após, Dona Raquel faleceu.

As transformações à beira da morte não são muitas, mas acontecem. O perdão, uma declaração de amor, um ato heroico, de amor à humanidade ao próximo, à uma causa.

 

Sistemas também morrem. Poderes antigos, cargos e pessoas dentro deles e com eles. Os últimos dias são terríveis, angustiantes, um verdadeiro inferno em vida.

 

Os amigos desaparecem.  A traição, as armadilhas impensáveis; ninguém mais em quem confiar. O abandono de todos e a ira de muitos. Nessa situação, o ser humano se apega a qualquer esperança indigna para continuar recebendo o que pensa ser oxigênio, mas já não passa de ar putrefato. Se ainda tivesse ele a sabedoria de retalhos dignos, procuraria sair, saber sair, pois até para morrer é preciso encontrar um sentido e um propósito.

 

O poder brasileiro como o conhecemos vive seus últimos dias.

 

Os atormentados se desesperam, lutam para viver e se apegam às próprias correntes de ouro com as quais imaginaram frutificar suas ambições e ruína do caráter.

 

A associação criminosa do Estado com parte da classe empresarial se destruiu a si mesma. Ninguém veio de fora para fazer isso. Não foram as legiões humanistas, ou os iludidos defensores dos pobres e oprimidos, a esquerda ou à direita e muito menos o centro.

 

A delação de dois irmãos Joesley e Wesley Batista, filhos de um açougueiro trabalhador do início da cidade de Brasília, transformados na maior empresa de carnes do planeta e constando no 4° lugar do ranking mundial das empresas de alimentos, foi um míssil nuclear disparado e com uma capacidade destruidora sem antecedentes na história do país; e talvez do próprio mundo, do jeito como ocorreu.

 

Temer tremeu. Da direita se esperava tudo, menos ausência de malícia e insensatez leviana. Da esquerda se esperava integridade e honestidade, e sua vendeta foi a mais suja de todas. Mas, a traição dos delatores foi mortal, ferina e combinada com os seus algozes.

 

“Até tu, Brutus?” disse o imperador Julio Cesar ao ser esfaqueado pelas costas pelo homem de confiança Marcus Junuius Brutus.

 

 

Mas a história é feita do incerto e não do certo. Esses atores já faleceram. Mas ainda como zumbis renegam suas finitudes e teimam em permanecer sob os spotlights da ribalta.

 

Triste fim para aquele que não sabe se terminar.

Angustiante começo para aquele que precisa recomeçar e precisa brotar. Líderes não escolhem, são escolhidos pelos momentos históricos.

 

Mas, todo fim não acontece quando acaba. Costuma ser o resultado de um processo. E aqui vale perguntar, refletir e aprender: Quando começamos a terminar e quais foram as causas do nosso fim?

 

Por que nos surpreendemos sob a tocaia da traição? Do surpreendente fim? Temos esse direito alienante?

 

Os fins são inevitáveis, mas podem ser simplesmente um fim. Ou podem vir a ser uma passagem, um legado, uma eternidade.

 

Só depende de cada um de nós.  Parece existir uma lei acima de todas as leis: a de causa e efeito.

Nem toda finitude será angustiante.