A Teoria da Superação na Prática da Educação


“Não superar representa no ápice da condição humana a mais ampla de todas as humilhações, pois representará se render ao movimento da natureza humana do viver, ou seja, o mal moral mais cruel.” (Morin, 2011, p.119).

Quando dona Jô criou a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) para enfrentar as dificuldades com seu filho Zequinha, o caminho foi a educação. Quando o adolescente Edson Arantes do Nascimento, que viria a ser o atleta do século Pelé, aos 15 anos de idade decidiu não deixar o campo do Santos num alvorecer, para fugir de volta para a casa dos pais em Bauru, a razão fundamental estava na sua educação. Da mesma forma, quando Alexandre Costa iniciava o que veio a ser a maior franquia de chocolates do mundo, a Cacau Show no Brasil, de novo ali estava na alma da coragem dos seus enfrentamentos o poder da educação, onde da mesma forma, o modelo do seu negócio, franquia, se baseia na formação e na educação de milhares de empreendedores. E ainda, quando Shunji Nishimura, fundador da Jacto na cidade de Pompeia, pegou o trem em São Paulo, como mais um dos milhões de pobres imigrantes que vieram ao Brasil no século XX, e tomou o destino de ir para a então última estação de trem daquela linha, nessa sua decisão, da mesma forma, levava consigo uma valorosa carga de valores, aprendidos na vital arte humana do viver, a educação.

Esses quatro casos foram alvo da pesquisa da minha tese de doutorado: a pedagogia da superação . A inspiração me foi dada pela Prof. Dra Marie Lissette Canavesi Rimbaud, minha orientadora, e professores com os quais convivi na UDE (Universidade de la Empresa ) no Uruguai. Um incômodo poderoso nascido da inquietação de tratar esse tema essencial para cada ser humano, a Superação, por um caminho até então não transformado numa tese de doutorado me foi sugerido. Tema pleno de livros de autoajuda pelo planeta afora, onde comprovo nesta pesquisa ser simplesmente impossível superar só. Mesmo quando acreditamos que sozinhos vencemos, suplantamos, não mais nos acomodamos na mesma camada e damos um salto, ali estão presentes guerreiros, mentores e heróis invisíveis.

Professores que nos marcaram a vida desde a mais tenra infância. Vizinhos, parentes, amigos e até mesmo seres humanos onde num breve e rápido encontro nos redirecionaram o nosso olhar, e como Platão asseverava: “não podemos colocar nas almas o que elas já não carreguem, educar é direcionar o próprio olhar”. Significa foco. Como autor da tese, fui estudado e mencionado num livro feito nos Estados Unidos – “Succeed on your own terms”, de Herb Greenberg e Patrick Sweeney. E nesse livro os autores destacaram que a definição de sucesso que englobava todas as demais e as transcendia (dentre mais de 40 casos internacionais estudados) dizia “sucesso é manter viva a criança que você foi, e saber que ela está presente em tudo o que você é e que você faz” de minha autoria.

 

E nos estudos realizados sob a epistemologia da fenomenologia hermenêutica, tanto nos casos acima tratados como num caso comunitário de vítimas e parentes da boite Kiss, de Santa Maria, Rio Grande do Sul, onde 242 pessoas perderam suas vidas, ali se faz presente como ingrediente poderoso da superação a presença dessa alma infantil como alavanca motriz para renascer, e, com ela, um dos fundamentos apresentados na tese, “aprender, acreditar, criar e inspirar”. Para superar não seremos mais os mesmos, deixaremos pedaços e retalhos de cada um de nós, construiremos identidades aprimoradas e na base real, legítima e concreta disso tudo, superação da teoria para a prática se faz pelo caminho da educação.

 

Marcos teóricos selecionados depois de centenas de fontes e leituras, encontros obtidos no diálogo com professores e no ateneu da universidade, concluímos por reunir e integrar quatro pensadores da libertação humana. Afinal, superar será sempre libertar-se das opressões e de opressores. Makiguti, pedagogo japonês, contribui com a clareza da importância da geografia humana. Se não aprendemos no lugar onde nascemos, onde estamos, jogamos fora o mais natural aprendizado à disposição. E ainda Makiguti nos revela, na sua pedagogia da felicidade,  uma das mais definitivas definições de superação: “criar valores a partir da sua própria vida, sob quaisquer circunstâncias, e valor quer dizer fazer o bem, o benefício e o belo”. Aí reunimos outro fundamento encontrado na tese como fórmula de conteúdo: o amor, o labor, a ética e a estética.

Freire, pedagogo brasileiro,com a pedagogia da esperança aporta nesse diálogo de teóricos a necessidade da busca do inédito viável, do ato limite e da consciência do que “precisamos fazer agora para que seja possível realizar amanhã, o que agora não pode ser efetivado

Edgard Morin sustenta ser necessário uma mutação na educação mundial, reintegrando ciências e conhecimentos que foram separados e que somos uma resultante “bio psico social”. Morin coloca por terra separações entre educação informal versus formal. E nos reúne de novo enquanto o homo sapiens, com o demens (delirante). Do homem Faber com o lúdens (o fabricador com o lúdico) e do homem economicus com o mythologicus, o que sonha, imagina e inventa mitos. Isso se faz necessário.

Victor Frankl, criador da terceira escola de Viena, após Freud e Adler, a logoterapia, nos ensina a buscar um sentido e um propósito pelo qual vale a pena viver e até morrer. Frankl registra que quando encontramos um “por que”, iremos descobrir o “como”. E ao ser perguntado sobre a forma para encontrar sentidos, Frankl escreveu: “para buscar sentidos é necessário prestar atenção em pessoas que sob as mesmas circunstâncias conseguiram superar e comparar com outros que não conseguiram”. A pedagogia de Frankl tem elevada força no aprendizado do olhar. Me transformarei na qualidade dos seres humanos que aprender a admirar.

Numa sala de aula, um professor , além do ensino da matemática, da física, da sociologia, ali está um líder pedagogo inspirador. Vai ensinar a convivência, o poder da cooperação, a ética da competição, a vontade para ser um humano que irá se comportar com o poder máximo de “aprender a aprender”.

A tese: A Pedagogia da Superação foi apresentada e compartilhada com a sociedade, no Colégio Sérios, uma escola na cidade de Brasília, para quatro segmentos de públicos: autoridades do ensino, professores, pais e alunos e obteve ali validação das suas hipóteses. Também no Hospital Cruzeiro do Sul, as psicólogas do setor de treinamento aplicaram conceitos da tese e obtivemos validações dessas descobertas.


As hipóteses de que 1 – “é impossível superar os desafios e o ambiente competitivo isoladamente, se confirmou. 2 – “a percepção de dor, sofrimento, é relativa de pessoa a pessoa”, confirmada. 3 – “a partir da superação de aspectos médicos, traumáticos ou físicos, a superação mental vai exigir o desenvolvimento de foco e concentração em trabalho, obra, criação a partir de talentos e habilidades desenvolvidos”,igualmente se confirmou. 4 – “a superação será dependente da existência de líderes, educadores, ou pessoas que estejam nesse papel e por isso será exigida uma formação exclusiva perante a circunstância dada”, foram as quatro hipóteses confirmadas. E cinco são os fundamentos encontrados e classificados que formam essa teoria e pedagogia da superação: 1 – o princípio da superação: o descobrimento das possibilidades. 2 – o plano de superação: pensar nos sentidos que a sua vida pode elencar. 3 – conteúdo da superação: criação de valores, o amor, labor, ética e estética. 4 – procedimentos de superação: aprender, criar, acreditar, admirar/inspirar. 5 – atitudes de superação: resultado de todo processo de aprendizagem e adaptação às novas demandas da vida. O protagonismo, não vitimização e o reviver da criança interior.

Esta tese, pioneira no espaço do doutorado, com certeza irá abrir caminhos novos para múltiplos estudos que trarão cada vez mais luz, sobre essa condição humana vital de superação, agora conscientes de que a sua prática passa pelos inexoráveis degraus da educação. Afinal, quem supera, educa!

A partir dos seus resultados essa tese permitiu elaborar um desenho de aplicação da Pedagogia da Superação , utilizando um corpo multidisciplinar, mas sob a coordenação de um mediador educador. “Do jardim da infância ao doutorado não sou um só. Sou a somatória de retalhos e pedaços dos meus educadores. E hoje, pela reunião de todos eles, me sinto guiado. Obrigado a todos e às maiores educadoras do mundo – as mães. A minha mãe me fez prestar atenção nas batatas – dirigiu o meu olhar”. * José Luiz Tejon.



Agradecimento especial a Profa. Ana Claudia Barreto, pela imensa dedicação em toda a metodologia, Profa. Esther Gamio, ao ateneu UDE, Prof. Dr. Marcos Cobra que me carregou ao doutorado. Aos membros do tribunal: Profa. Dra. Graciela Fabeyro, Prof. Dr. Eniel Espírito Santo, Prof. Dr. Ronilson de Souza Luiz. E para sempre na minha vida minha orientadora Profa. Dra .Marie Lissette Canavesi Rimbaud e a todos os meus colegas alunos e funcionários da UDE Uruguai.

 

*Sobre José Luiz Tejon:  Dr. em Educação pela UDE/Uruguai; Mestre em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Mackenzie;  jornalista e publicitário formado pela Casper Líbero. Administrador com ênfase em marketing, com especializações na Pace University/EUA, Harvard/EUA, e MIT/EUA. Em liderança tem especialização no INSEAD/França. Ministra aulas na Audencia Business School (França). É Top of Mind de RH, considerado uma das maiores autoridades nas áreas da gestão de vendas, marketing em agronegócio, liderança, motivação e superação humana. Troféu Great Speaker Olmix em Paris, França.No total são 33 livros publicados em autoria e coautoria.

Quatro pontos para uma Sociedade Civil Organizada

Sociedade Civil Organizada: os quatro pontos para chegarmos a uma síntese:

1° ponto: Onde o agronegócio progride e cresce a qualidade de vida. O PIB per capita de Correntina, no oeste da Bahia, era de quatro mil, duzentos e sessenta e sete reais no ano 2000. Em 2015, foi para trinta e nove mil e trinta e quatro reais.

São Desidério, outra cidade do oeste baiano, em 2000 o PIB per capita registrava quatro mil duzentos e setenta e seis reais, e passou em 2015 para oitenta e três mil, duzentos e trinta e quatro reais.

Temos uma realidade em todo interior brasileiro, acentuado positivamente onde cooperativas bem lideradas estão presentes. Isso é fato, e não mito.

 

2° ponto: Tiago Muniz, jornalista da Rede Jovem Pan, entrevistou o presidente reeleito da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil – CNA, João Martins, semana passada, com a presença do presidente Michel Temer, em Brasília, e mostrou na fala do Sr. João Martins, uma queixa contra ativistas que atacam o agronegócio. Tiago Muniz ainda ressaltou que nesse discurso o presidente reeleito da CNA não declarou quem são e quais forças seriam essas.

 

Ou seja, organizações fortes e poderosas, como a própria CNA, se consideram vítimas perante fatos concretos da importância do agro no país, cuja população reconhece hoje seu fundamental valor.

Está na hora de saber orquestrar a comunicação, pois a realidade é resultado de percepção, e parar de pôr a culpa nos outros…

3° ponto: Vera Magalhães, outra colunista da Rede Jovem Pan escreveu para o Jornal O Estado de S. Paulo:

“O adiamento da votação da reforma da previdência não mostra só a impossibilidade de o atual congresso desempenhar um papel minimamente responsável…”.

 

O mais assustador é a completa falta de cálculo político, com isso se explica que a história comprova, serem mais reeleitos os que votam em reformas do que aqueles que não votam em reformas. Portanto, são burros ao protelar fazer agora o que precisa ser feito já…

4º ponto: Manuel Castells, estudioso e o profeta das redes, numa entrevista para o jornal O Valor disse: “Entre 60% e 75% dos cidadãos das democracias ocidentais não acreditam que os partidos políticos os representem legitimamente”, e adiciona: “… em situações extremas, como a do Brasil, precisaria de algo que venha da sociedade e não do sistema político, deslegitimado”.

Qual a conclusão e a síntese? Simples…

 

Entidades como a CNA precisam parar de chorar e aprender a se comunicar com a sociedade de forma muito mais consistente, permanente e inteligente, e claro, precisam trazer ao seu lado a Confederação Nacional da Indústria – CNI, a do Comércio, de Finanças,  das Cooperativas e sete as demais.

Sabemos que são doze Confederações Nacionais Empresariais que representam todo o PIB do país, não o governo… são 12 órgãos estruturados da Sociedade Civil Organizada.

Perante as evidências, por quê não se unem para um projeto brasileiro? O agronegócio envolve a todas as doze Confederações Empresariais. Está na hora de assumir a profecia de Manuel Castells. Que nos valha a sensatez da sociedade civil organizada.

 

“Eu não acredito mais em governo“, diz ex-Ministro Alysson Paolinelli

A frase “Eu não acredito mais em governo“ foi dita por um brasileiro com a autoridade legítima: Alysson Paulinelli. E eu digo: “Estamos juntos nessa”.

No Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento tivemos um dos Ministros mais exemplares votado por unanimidade nacional: Alysson Paulinelli. Hoje preside a Associação Brasileira do Produtores de Milho – Abramilho.

A data desta entrevista considero emblemática para todo o país: 7 de dezembro de 2017. Estávamos num dos mais importantes eventos da fruticultura brasileira realizado pela Abanorte, na cidade de Janaúba, região de Jaíba, localizada no norte de Minas Gerais.

(Veja como foi o Abanorte Fruit Connections: http://www.abanorte.com.br/web/app.php/noticia_page/69).

No evento, frente a mais de 500 testemunhas, haviam produtores de frutas, técnicos, autoridades e a mídia, perguntaram sobre as necessidades do país em diversos aspectos, como infraestrutura, política das águas, acordos comerciais e plano agropecuário, e de forma assertiva o ex-Ministro Alysson asseverou: “Eu não acredito mais em governo…“, e alguém perguntou em seguida: “E no Governo Estadual?“ e finalizou dizendo: “Também não…”.

Entrevistado por mim, pedi sua autorização para expor essa sua convicção ao país, e devidamente autorizado o transcrevo, pois considero que o Brasil não está precisando de choque nenhum além do choque de liderança da sua Sociedade Civil Organizada.

Eu perguntei para o Ex-Ministro: “Por que não acredita mais em governo?”, e ele respondeu: “Porque governo só atrapalha. No Ministério da Agricultura, por exemplo, não temos autonomia para nada. As decisões caminham todas para privilégios de interesses político-eleitoreiros.”.

Então, concluo que passamos a ter no mundo e no Brasil um descompasso do compasso. Isso quer dizer que a sociedade planetária se movimenta na velocidade digital, e governos no passo lento do cágado abraçados à índole nata do bicho preguiça. Quando não, algumas vezes velozes movidos pela picardia dos ratos que adoram roubar os queijos das dispensas abertas da nação brasileira.

Exceções? Existem, como a ciência já descobriu, que servem para confirmar a regra. Então, resolvi fazer uma outra grande pergunta ao ex-Ministro: “Ministro Alysson, o que vamos fazer doravante?”

Sua resposta cravou fundo na nossa consciência. Foi um cravo doloroso carregado de incômodos que se voltam e apontam exatamente para nós: “Não podemos esperar por governos, precisamos pegar para fazer. Sair, negociar, ter uma voz unida e reunida, pois sabemos tudo o que precisa ser feito. Nossos especialistas, estudiosos, pesquisadores e analistas possuem preparo e diagnósticos muito bem feitos das necessidades estruturais do país, em todos os sentidos. Basta irmos e acompanharmos os congressos, as pesquisas, as apresentações e as entrevistas. O que vemos é repetir e repetir os mesmíssimos diagnósticos. O que varia apenas é a tonalidade, a assertividade e a criatividade dos apresentadores.”.

Sim, sabemos tudo o que precisa ser feito no Brasil. Então, por quê não fazemos?

Não podemos mais nem esperar por governo e também devemos parar de botar a culpa em governos. Perante a falência notória e exemplar do sistema de governança do Brasil exponenciado pelas prisões, acusações e escândalos de um conluio público privado, revelador de uma contabilidade campeã do mundo na sua soma de falcatruas.

Esperar pelo governo, pelo próximo presidente, pelos novos legisladores e pelos embates ideológicos de esquerda, direita e de intérpretes da Constituição e das leis seria fácil se não fosse a sua inviabilidade, ou pior, a insanidade dessa insensatez.

Então, qual a proposta? Precisamos de governo?

Sim. Mas não mais de um governo que faça as coisas olhando para seu umbigo ou para Brasília. Precisamos de uma governança, de um cogoverno. Um deveria permanecer dentro das representações da democracia, os partidos políticos, suas facções e sub facções, e que ao longo do tempo possamos aprimorar a sua qualidade. O outro governo é esse que o ex-Ministro Alysson explicitou em no evento. Um governo da Sociedade Civil Organizada não contaminada por ideologias e sem a infiltração político-partidária. Um norte pra o país, onde todos os setores empreendedores nacionais devem ter um projeto, assim como o agronegócio. Que seja sustentável, que contenha responsabilidade social e que signifique um plano diretor para o Brasil crescer, e idealmente, que todos esses setores consigam integrar seus planos entre todas as cadeias produtivas brasileiras.

“A democracia é o melhor sistema de governo do mundo, mas ele tem uma regra: quem está organizado faz, e quem não está sofre…“, disse Alysson Paulinelli.

E continuou: “Passei pelo governo e estudei muito e sei das deficiências que eu tive, eu não acredito mais em governo, e profundamente decepcionado, vejo que governo não tem capacidade de fazer as coisas. Há uma interdependência que não funciona no Ministério da Agricultura. Não tem autonomia, seus recursos estão em outro gabinete; a fiscalização imperando no Brasil como forma de criar dificuldades para vender facilidades. Por isso eu não confio…

A saída? O caminho? O agro tem soluções, gerou soluções e é o que mantém a economia. Esse agro não pode esperar pelo governo, pois ele só atrapalhou. Desde 1986 só fizeram bobagens… acabaram com os instrumentos de política agrícola. O governo se encurrala e só sobra pra ele o instrumento de taxas de juros para controlar inflação. Não acredito mais em governo, pois é uma bagunça.

Para todo brasileiro, segue o recado para 2018: Que a sociedade reaja a esse caos, uma crise moral, política e social. Reconhecer que como o agro, outros setores também podem se organizar e buscar dinheiro lá fora a melhores custos do que aqui dentro. A democracia é o melhor sistema de governo, e eu participei do governo militar e eu sei o quanto presidente Geisel e seu sucessor sofreram para a abertura democrática, mas democracia tem uma regra no mundo inteiro, e quem está organizado faz, e quem não está sofre…”.

José Luiz Tejon

Jornalista, escritor, professor.

Membro do CCAS – Conselho Científico Agro Sustentável.

Membro do conselho consultivo da ABMRA – Associação Brasileira Marketing Rural.

Colunista da Rede Jovem Pan, Revista Feed&Food e colunista no Canal Rural, com o blog Agrosuperação.

As melhores do agronegócio 2017 pela Revista Isto É Dinheiro Rural

As Melhores da Dinheiro Rural 2017 apresentou as 500 maiores empresas do agronegócio nesta segunda-feira (27) no evento da Revista Isto É Dinheiro Rural, realizado no Tom Brasil, em São Paulo/SP.

O ranking apontou dentre as 500 maiores do agronegócio no Brasil, oito cooperativas. São elas: Copersucar, Coamo, Tereos, Aurora Alimentos, C. Vale, CHS, Lar, Comigo e Cocamar.

 

As cooperativas agropecuárias brasileiras significam praticamente a metade de tudo o que se produz no país; respondem por cerca de 5 bilhões de dólares de exportações.

Temos no país 1500 cooperativas agropecuárias com mais de 1 milhão de cooperados.

Conversando com os diretores da Coamo, a cooperativa de Campo Mourão/PR, que tem uma receita de 11,5 bilhões de reais, algo muito positivo chamou a atenção, pois tem crescido o número de cooperados, sendo hoje 28 mil, além de contarem com 850 jovens que estão sendo preparados para a liderança e sucessão. Coube a Coamo receber também o prêmio da melhor gestão financeira e eleita como a melhor cooperativa do ano.

Continua sendo genial o cooperativismo, pois 80% dos seus cooperados produzem em áreas de até 100 ha.

 

Dentro das cooperativas, ainda se destacaram a Tereos, na área de cana-de-açúcar, uma cooperativa francesa com ótimo desempenho no país, tendo recebido a medalha de ouro na gestão da cadeia produtiva, ou seja teve preocupação com todos os elos do agronegócio, desde a ciência até o consumidor final.

As cooperativas reunidas atingem mais de 180 bilhões de reais de receita, o que significa 13,5% de todo o PIB do agro, e cresceu 13,5% o seu faturamento em 2016 comparado a 2015 (mesmo em meio a toda crise nacional).

A empresa do ano do agronegócio coube a DSM Tortuga na área da nutrição animal, sal mineral e principalmente vitaminas e tecnologias para o setor da proteína animal, com uma receita de 1,8 bilhão de reais no Brasil, e quase 8 bilhões de euros no mundo.

Outro prêmio foi destinado para a Coopavel, a cooperativa de Cascavel/PR como responsabilidade na cadeia produtiva como um todo, outro exemplo de realização e de liderança no oeste paranaense.

 

As cooperativas são além de claros exemplos de competência de produção e condução de pequenos e médios produtores, um caso extraordinário de estudos como centros educacionais.

Mais do que produzir e administrar o cooperativismo significa educação para a vida capilaridade de dignidade humana.

As profissões do futuro no agro – FATEC Pompéia

Hoje já convivemos com sensores, drones e até a edição gênica de plantas. Então, como aprenderemos a viver e interagir com a mecanização do futuro, que já está sendo aplicada?

 

As máquinas agrícolas de hoje não são mais como as do passado, e as do futuro não poderão mais ser chamadas de máquinas, pois se transformarão em verdadeiras centrais automovidas de inteligência artificial.

As modernas máquinas com robôs do futuro – já presentes no século XXI – já são programadas para aprender a não errar, graças à inteligência artificial.

Com isso, diminuirá gigantescamente o erro humano, como o desperdício no uso de todos os insumos (sementes, fertilizantes, micronutrientes, defensivos agrícolas, adjuvantes) no campo dos vegetais. Além disso, receberão diagnósticos constantes permanentes com correções.

O novo pulverizador, por exemplo, aprenderá a identificar o capim amargoso no meio de todas as demais ervas daninhas e a controlará com toda segurança.

 

Já na proteína animal, sensores permitirão identificar e tratar cada animal com nutrição específica, além de identificar algumas doenças pontuais e correções preventivas que eliminarão o uso exagerado de medicamentos.

Precisamos de uma nova educação! Precisamos de jovens formados para essas novas carreiras, pois já existe um novo agro, onde na pesquisa realizada pela Plant Project destacou que 96% dos brasileiros disseram que o Brasil pode e deve ser apresentado ao mundo como uma inteligência em agronegócio.

E para se especializar nessas novas profissões, é preciso estudar em uma instituição específica. A FATEC Pompéia Shunji Nishimura possui variados tipos de cursos nas áreas de tecnologia aplicada no agronegócio. E o melhor: é gratuito!

 

As inscrições para o vestibular estão abertas até 07/12 e são 40 vagas por curso. Para mais informações, acesse: www.vestibularfatec.com.br

Uma das opções é o curso superior em Tecnologia em Big Data no Agronegócio, com duração de três anos. Há também a opção do curso em Mecanização de Agricultura de Precisão.

 

O agronegócio do futuro será uma agromontadora de sustentabilidade insensível.

Blairo Maggi permanece no governo e viaja para viabilizar exportações

Hoje retorna de uma viagem de negociações de La Paz, na Bolívia, e Lima, no Peru, o Ministro da Agricultura Blairo Maggi. O objetivo da viagem foi vender frutas, suínos, mel e embriões de animais, além de ouvir a lista de produtos que Lima e La Paz querem vender ao Brasil.

 

 

Registramos neste blog e no programa da rede Jovem Pan de rádio “A hora do agronegócio” o desconforto do Ministro da Agricultura com a Operação Malebolge da Polícia Federal, que realizou buscas e apreensões no apartamento de Maggi e outros dois endereços no Mato Grosso devido a uma acusação do ex-governador do MT Silval Barbosa (em devida prisão domiciliar).

O incômodo do Ministro Blairo Maggi não estava sendo percebido por ele devido ao suporte que recebia do governo perante essa situação. Estava sentindo um certo sentimento de abandono e comentou sua disposição de sair do governo.

O Palácio do Planalto, diante dessa situação, garantiu a continuidade de Blairo no governo, que seguiu para mais uma missão salvadora da economia nacional.

Obviamente, setores dependentes e atrelados ao poder central de Brasília vibraram com essa decisão a qual significa, na minha opinião, iniciativas que a sociedade civil organizada poderia e deveria fazer em regime associativo e de cooperativismo, conduzindo e comandando os negócios brasileiros, algo bem exemplificado pelo setor de aves e suínos que tem numa entidade privada, a ABPA – Associação Brasileira de Proteína Animal.

O governo é importante? Sim, mas a serviço da Sociedade Civil organizada, e não ao contrário.

O Ministro Blairo tem virtudes e valores. É um empreendedor e um realizador cuja obra fala por si. O vejo num futuro breve como presidente de uma ABVN – Associação Brasileira de Vegetais Nacionais ou numa AVAB – Associação de Vendas do Agro Brasileiro… ou melhor ainda: na presidência da Confederação Nacional da Agropecuária – o órgão oficial que reuniria todo o agro brasileiro de dentro da porteira, mas, precisamos mesmo é de um comando integrado de todas as cadeias produtivas, desde o antes até o pós-porteira das fazendas. Isso sim significa agronegócio.

 

Como gravou em um vídeo, quando ainda jovem, o ministro Blairo abriu fronteiras no Mato Grosso com seu pai, e registrou: “Os governos deverão ser mínimos, pois a lentidão é insuportável. As políticas públicas deverão ser privadas. Nós, brasileiros, podemos fazer. Não dependemos de Brasília. Nós realizamos, eu tenho esse vídeo para quem quiser ver”.

Ministro Blairo, desejo boas vendas e que isso continue um dia além e muito acima da condição de ministro… mas se cuide. Confiança não é um valor predominante na governança pública hoje em dia.

Não interessam os corruptos, mas sim os NÃO corruptos

Os não corruptos, líderes íntegros com liderança ética nacional, apareçam!

 

Quando as vozes ascensionais e sintrópicas se calam, podemos prever os arranjos da vida pelas vias da natureza. E essas vias nunca erram, mas cobram preços com gigantescas dores.

 

A marcha da insensatez humana já foi descrita e revelada ao longo da história. O destino escolhe sempre o caminho do caos para gerar do seu útero as energias   das novas criações.

Estaria o ser humano a serviço das mesmas leis que regem a natureza, ou temos uma missão distinta no universo?

Pode ser que tenhamos a missão de criar destinos com a sabedoria do conhecimento vivido, processado e compreendido.

No Brasil, neste momento histórico, temos uma ruptura digna de superiores registros. Um desmanche sistêmico provocado de dentro pra fora, muito mais do que tendo inimigos na causa original. Foram os “amigos” descontentes com as partilhas dos assaltos que iniciaram um certo incômodo; incômodo esse que mexeu com as forças jovens do Judiciário, da Polícia Federal. E como resultado disso, apareceram os efeitos de todas as operações.

 

 

Os poderes Legislativo e Executivo estão desmoralizados pela lei da imperfeição humana. O Judiciário se não se cuidar, pode se deixar levar também pelas tentações dos seus egos magistrais.

 

Então, quando um general do alto comando do exército se pronuncia perante a trágica comédia farsante nacional, gera um brutal incômodo em todas as vozes, gritando uníssonas: “Golpe militar não!”

 

Concordo, mas cobro. Cadê as vozes honestas, probas, com posições de poder influenciar nos destinos da nação? Onde estão? Caladas, acovardadas, ou precisando conquistar o ponto mais alto da colina para se fazerem ouvir?

 

Cobro, por exemplo, a presença e o protagonismo das dez Confederações Empresariais Brasileiras. São dez presidentes e dez poderosas organizações. Esses formalmente constituídos da sociedade civil organizada e que têm agora um dever maior do que o da defesa exclusiva dos interesses específicos dos seus macrosetores. Precisariam se reunir e oferecer ao país projetos  e uma voz alternativa de co-governança do Brasil.

 

Mas, eles não representam toda a sociedade! Mas, são um generoso e substancial começo, pois todo PIB não passa pelas suas mãos. A geração de empregos, a inovação, a produtividade, e ainda a necessária orquestração de cadeias produtivas de valor, perpassando necessariamente, à todas elas.

 

Não me interessam os corruptos, pois isso fica por conta das regras da lei, da polícia e das instituições que funcionam para esse fim. Me interessa saber dos não corruptos, das vozes e das mãos daqueles que podem subjugar as desgraças entrópicas armadas pelas redes cruéis dos destinos históricos.

 

Corruptos, canalhas e criminosos sempre existiram e sempre existirão. A diferença está em quem pode gritar mais alto. E nesse jogo de vozes, de gritos, posso dizer: se você calar o grito dos íntegros atrás da porta, pagará o preço dando vidas de gerações em troca”.

 

A diferença entre a essência e a aparência está na ciência, e com a ciência, e além da ciência, reside o reino das percepções humanas. Não existe realidade que não seja aquilo que percebemos dela mesma. Sonhos e ilusões são palavras parecidas, mas que guardam uma distância abissal entre ambas.

 

Ilusão é o engano dos sentidos e da mente.

 

Sonho é o desejo ardente e veemente. Mas, como separar? Simples: ilusão é o que a realidade faz conosco enquanto nos iludimos e sonho é o que fazemos com a realidade enquanto sonhamos.

 

Viva o sonho, a nação brasileira não corrupta, pois é muito maior do que a outra!

 

Quanto vale este manequim azul?

Vamos imaginar que você, amigo leitor, tenha uma loja de moda. Então, poderia gastar para expor algo.

Supondo que você tenha exposto um manequim meio corpo, belo e azul.

Poderiam pagar quanto? Talvez R$ 300,00? Você poderia explicar que não se trata de um manequim qualquer, pois têm pigmentos azuis especiais sobre o gesso.

E pedir mil reais? Ok, talvez.

E se dissesse agora que o busto poderia estar numa loja de decoração por um preço de dois mil reais… O lindo azul sobre gesso e o vendedor poderia acrescentar tratar-se de uma peça de rara beleza que liberta a superfície, uma presença monocromática especial.

 

Você pagaria três mil reais?

 

De repente você vê a assinatura dessa peça do Yves Klein, um dos autores da modernidade do “Spacializmo”, que é antecedida pelo grupo de vanguarda “Zero” num resgate à Segunda Guerra Mundial, onde atuam no foco da monocromia, uma ilusão de ótica.

Yves Klein afirma que sugerir, expressar e representar não são mais os problemas de hoje. Então, cria uma exposição chamada “Lá Nuova Concezione Artística” (1960) por uma busca de soluções originais.

 

Então, agora quanto vale este busto de pigmento azul sobre gesso? US$ 1 milhão?

O valor não está nas coisas, mas em quem faz o que com as coisas.

 

Então pergunto: “Quem é você?”

Guerreiros e a diversidade

 

A onda global trata da diversidade em tudo, incluindo o RH. E nesse caso, a humana.

Fala-se sobre a “lei dos diferentes”. Mas… Quem não é desigual? Cada qual uma única impressão digital!

É importante a diversidade para os negócios?

Só tem dúvidas aquele que não tem boas métricas para julgar. Mas e você, já se sentiu um deles? Um “diverso”, digamos assim?

Já fui ou ainda sou um diverso, e posso dizer que sem valores humanos na organização e sem justas métricas, a causa da diversidade fica na emoção e pega pela ausência da razão.

Temos que administrar a diversidade da arte e da inteligência com a justiça, pois somos guerreiros da evolução.