O meu amado comunista

O meu comunista nasceu em uma família pobre, numa aldeia de Trás-os-Montes, em Portugal. Aos sete anos parou de frequentar a escola, pois precisava trabalhar para ajudar a mãe e os outros três irmãos pequenos.

 

Fez de tudo. Trabalhou com enxada, tirou leite das vacas e dormiu com as cabras no campo frio. Era vendedor nas feiras da cidade e foi aprendiz de tudo e de todos. Depois de algum tempo, foi barbeiro e microcomerciante.

 

O meu comunista fugiu da miséria para o Brasil, assim como milhões de imigrantes pobres do mundo. Foi estivador no Cais de Santos, e ali se orgulhava da sua força.

Ele conseguia levar dois ou três sacos de café de 60 kg, ao invés de apenas um.  Nos intervalos, brincava mostrando como conseguia carregar o mesmo saco de 60 kg nos dentes.

O meu comunista esperava ansioso pela justiça e a igualdade para todos. Sonhava com um mundo onde todos pudessem estudar, onde ninguém fosse escravo do outro. Um mundo com trabalho para todos.

O meu comunista acreditava no fim da exploração do homem pelo homem. Um lugar onde todos teriam as suas casas para viver, a comida para comer, o estudo para crescer e o trabalho para se dignificar.

O meu comunista acreditava que a solução seria a mudança do sistema, onde o comunismo seria a solução do sofrimento humano na terra. O meu comunista me falava da honra, da palavra, da honestidade, do valor do trabalho.

Para o meu comunista não havia honra e valor maior do que o trabalho honesto. Ele dizia: “Nunca tirar nada de ninguém. A verdade acima da mentira”.

O meu comunista dava lições de valores, de humanismo, solidariedade e profundo respeito as pessoas. Falava da educação como o berço do novo ser humano, e caia lágrimas quando se lembrava do dia em que não pode mais voltar a escola.

O meu comunista me estimulava a estudar. Me mostrava como era o trabalho. Me levava para ver o sofrimento humano e aprender a valorizar a vida. Também me levava nas festas, nas músicas, nas danças portuguesas. e o seu sonho era que eu fosse um homem de caráter, estudado, e um bom comunista.

O meu comunista me ensinou a coragem.

 

Ele morreu cedo, aos 64 anos… morreu trabalhando. Com sua bicicleta fazia cobranças de sócios da Portuguesa Santista e do Rancho Folclórico Tricanas de Coimbra.

No cruzamento de uma rua, não viu o caminhão, ou o caminhão não o viu, e meu comunista caiu e bateu sua cabeça no meio fio, um duro e frio meio fio numa rua de Santos.

Quando vejo hoje em dia pessoas como Lula, Dilma, Dirceu, Gleisi e outros sendo chamados de comunistas, não compreendo. Eles não são nada parecidos com a descrição que o meu comunista fazia dos honrados comunistas.

Claro, esse pessoal que é chamado de comunista, obviamente não é comunista. Comunista mesmo era meu pai.

Sempre me emociono quando me lembro do meu comunista falando emocionado e orgulhoso sobre a possibilidade da vitória da humanidade, do trabalhador e dos seres honestos sobre a humilhação, o abandono e a escravidão.

Um comunista como o meu não morrerá nunca. Mas os falsos destroem suas próprias vidas, enganam seres humanos, e terminam destruídos pelo pior de todos os enganos, o autoengano.

Sinto muitas saudades do meu comunista. Meu pai adotivo, Antônio Alves, muito acima do comunismo, me ensinava a honra do trabalho, o valor da palavra, a justiça da solidariedade… se isso é comunismo, eu também, velho pai, sou comunista.

 

Há uma crise de lideranças no Brasil

 

Há uma crise de lideranças no Brasil

 

Fácil explicar: quem hoje está no comando das empresas, academias e instituições é a GBSF – Geração dos bem-sucedidos e Famosos!

 

Não foram educados para serem líderes de uma sociedade ou do país. Liderança dói!

E limiar de dor ampliada dói mais ainda.

 

Guerreiros não nascem prontos!

Guerreiros e a diversidade

 

A onda global trata da diversidade em tudo, incluindo o RH. E nesse caso, a humana.

Fala-se sobre a “lei dos diferentes”. Mas… Quem não é desigual? Cada qual uma única impressão digital!

É importante a diversidade para os negócios?

Só tem dúvidas aquele que não tem boas métricas para julgar. Mas e você, já se sentiu um deles? Um “diverso”, digamos assim?

Já fui ou ainda sou um diverso, e posso dizer que sem valores humanos na organização e sem justas métricas, a causa da diversidade fica na emoção e pega pela ausência da razão.

Temos que administrar a diversidade da arte e da inteligência com a justiça, pois somos guerreiros da evolução.