Esperar pelo próximo presidente é como acreditar que o cavalo de Troia era um presente dos gregos

Até quando a “Marcha da insensatez” (livro Extraordinário escrito por Bárbara Tuchman) continuará nublando, enganando e traindo a sociedade brasileira?

Existe um Brasil lúcido, sensato. Ele apenas não se manifesta, não se articula e talvez esteja ainda dominado por uma tenra infância de crianças disputando a manifestação de seus egos.

O Brasil não pode esperar pelo processo político, pela absurda incerteza de acreditar que o novo presidente venha de qual facção vier, conseguiria dar o salto histórico para o país não se ver mergulhado nas trevas da ausência de consciência, dos seus próximos 20 anos.

Nada será como antes. Agora seremos exigidos na educação, nas lutas competitivas, no poder da cooperação, na ciência, no comércio e seremos obrigados a forjar uma nação, uma pátria, uma república, ou então iremos agonizar no império da revolução dos bichos de George Orwell. Superação é o dever.

Superação como prefere Makiguti significará “criar valor a partir da sua própria vida, sob quaisquer circunstâncias. E valor quer dizer o bem, o benefício e o belo. “Só teremos superação com os fundamentos superantes da coragem, da confiança, da cooperação, da criação, da consciência, da conquista, da correção e da definição de um caráter de país.

 

Quem educa supera e faz superar. E quem tem o dever de não ficar mais esperando pelo entrópico processo político e sua relação mortífera com parte do empresariado, que desprovido de valores se locupletou como nunca dantes na corrupção, desmascarada pelos também inesperados e disruptivos jovens das lava jatos tropicais, esse dever cabe a nós. Cabe a sociedade civil organizada, cabe ao ponto mais precioso  da superação, assumir o protagonismo e abandonar a vitimização. Quem são os piores líderes para fracassarem nesse desafio? Aquele que se vitimiza, dessa forma, espante e enxote qualquer um que traga uma retórica vitimizadora e de vitimização. Quem pode nos levar a essa disruptiva fase mutante, não insensata?

 

Os brasileiros que trabalham, sensatos e representantes de um Brasil que aos trancos e barrancos se mantém entre as 10 maiores economias do mundo,  que está na lista mundial de países livres, que conseguiu liderar em diversos segmentos econômicos e tecnológicos, como o próprio agronegócio,  exemplificam um país formado de sofridos e pobres imigrantes de todos os cantos, com escravos e excluídos do planeta, assim como foram meus pais, meus avós, meus bisavós.

 

Precisamos convocar, sim, as estruturas formais e já organizadas da sociedade civil organizada. Para superar precisamos de liderança democrática e de entidades que aí estão, até agora caladas, escondidas deste momento de tão magnânima dimensão.Convoco as organizações empresariais nacionais, as confederações empresariais que reunidas representam todo o produto interno bruto do país. As 12 CN’s. Convoco as representações religiosas, a OAB, educadores, trabalhadores, estudantes e militares. Os colegas jornalistas e a mídia.

 

Só há uma regra de ouro para criarmos uma proposta de projeto brasileiro de governança, ao lado ou à parte do sistema político partidário isoladamente que, sem duvida, por ele só, nos conduzirá inexoravelmente ao cavalo de Tróia, um presente de grego, seja quem for o presidente oculto na sua barriga equina. Nenhuma entidade, organizada, pode ter qualquer vínculo ou elo com partidos políticos. A contaminação político partidária condena a representação da sociedade civil organizada a uma guerra de loucos, onde enganos e traições, vozes tumulares de ideologias passadas nos condenariam ao fracasso antes da partida. A ideologia do passado já morreu. Que venha, se precisar, a ideologia do futuro. Ela não se encontra nos baús enterrados nas suas tumbas.

O Brasil precisa superar, ultrapassar e ir muito além de ficar esperando por um processo político ou num debate pautado pela loucura entre este nome, ou aquele nome, como se fosse possível e aceitável esperar pelo que não virá, e que já faleceu na esquina próxima passada da história recente. O populismo é o veneno do futuro. O mornalismo, das normalidades mornas, a anestesia da ação. Não se enfrenta o populismo somente com o sonho democrático do voto. Precisa de mais, muito mais. Sem ajuda das organizações sensatas e estruturaras, o voto não fará milagre. Até porque milagres estão num campo de dimensões elevadas, e não seria justo esperar por eles. A Deus o que é de Deus e ao brasileiro o que é o dever de cada brasileiro.

A Teoria da Superação na Prática da Educação


“Não superar representa no ápice da condição humana a mais ampla de todas as humilhações, pois representará se render ao movimento da natureza humana do viver, ou seja, o mal moral mais cruel.” (Morin, 2011, p.119).

Quando dona Jô criou a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) para enfrentar as dificuldades com seu filho Zequinha, o caminho foi a educação. Quando o adolescente Edson Arantes do Nascimento, que viria a ser o atleta do século Pelé, aos 15 anos de idade decidiu não deixar o campo do Santos num alvorecer, para fugir de volta para a casa dos pais em Bauru, a razão fundamental estava na sua educação. Da mesma forma, quando Alexandre Costa iniciava o que veio a ser a maior franquia de chocolates do mundo, a Cacau Show no Brasil, de novo ali estava na alma da coragem dos seus enfrentamentos o poder da educação, onde da mesma forma, o modelo do seu negócio, franquia, se baseia na formação e na educação de milhares de empreendedores. E ainda, quando Shunji Nishimura, fundador da Jacto na cidade de Pompeia, pegou o trem em São Paulo, como mais um dos milhões de pobres imigrantes que vieram ao Brasil no século XX, e tomou o destino de ir para a então última estação de trem daquela linha, nessa sua decisão, da mesma forma, levava consigo uma valorosa carga de valores, aprendidos na vital arte humana do viver, a educação.

Esses quatro casos foram alvo da pesquisa da minha tese de doutorado: a pedagogia da superação . A inspiração me foi dada pela Prof. Dra Marie Lissette Canavesi Rimbaud, minha orientadora, e professores com os quais convivi na UDE (Universidade de la Empresa ) no Uruguai. Um incômodo poderoso nascido da inquietação de tratar esse tema essencial para cada ser humano, a Superação, por um caminho até então não transformado numa tese de doutorado me foi sugerido. Tema pleno de livros de autoajuda pelo planeta afora, onde comprovo nesta pesquisa ser simplesmente impossível superar só. Mesmo quando acreditamos que sozinhos vencemos, suplantamos, não mais nos acomodamos na mesma camada e damos um salto, ali estão presentes guerreiros, mentores e heróis invisíveis.

Professores que nos marcaram a vida desde a mais tenra infância. Vizinhos, parentes, amigos e até mesmo seres humanos onde num breve e rápido encontro nos redirecionaram o nosso olhar, e como Platão asseverava: “não podemos colocar nas almas o que elas já não carreguem, educar é direcionar o próprio olhar”. Significa foco. Como autor da tese, fui estudado e mencionado num livro feito nos Estados Unidos – “Succeed on your own terms”, de Herb Greenberg e Patrick Sweeney. E nesse livro os autores destacaram que a definição de sucesso que englobava todas as demais e as transcendia (dentre mais de 40 casos internacionais estudados) dizia “sucesso é manter viva a criança que você foi, e saber que ela está presente em tudo o que você é e que você faz” de minha autoria.

 

E nos estudos realizados sob a epistemologia da fenomenologia hermenêutica, tanto nos casos acima tratados como num caso comunitário de vítimas e parentes da boite Kiss, de Santa Maria, Rio Grande do Sul, onde 242 pessoas perderam suas vidas, ali se faz presente como ingrediente poderoso da superação a presença dessa alma infantil como alavanca motriz para renascer, e, com ela, um dos fundamentos apresentados na tese, “aprender, acreditar, criar e inspirar”. Para superar não seremos mais os mesmos, deixaremos pedaços e retalhos de cada um de nós, construiremos identidades aprimoradas e na base real, legítima e concreta disso tudo, superação da teoria para a prática se faz pelo caminho da educação.

 

Marcos teóricos selecionados depois de centenas de fontes e leituras, encontros obtidos no diálogo com professores e no ateneu da universidade, concluímos por reunir e integrar quatro pensadores da libertação humana. Afinal, superar será sempre libertar-se das opressões e de opressores. Makiguti, pedagogo japonês, contribui com a clareza da importância da geografia humana. Se não aprendemos no lugar onde nascemos, onde estamos, jogamos fora o mais natural aprendizado à disposição. E ainda Makiguti nos revela, na sua pedagogia da felicidade,  uma das mais definitivas definições de superação: “criar valores a partir da sua própria vida, sob quaisquer circunstâncias, e valor quer dizer fazer o bem, o benefício e o belo”. Aí reunimos outro fundamento encontrado na tese como fórmula de conteúdo: o amor, o labor, a ética e a estética.

Freire, pedagogo brasileiro,com a pedagogia da esperança aporta nesse diálogo de teóricos a necessidade da busca do inédito viável, do ato limite e da consciência do que “precisamos fazer agora para que seja possível realizar amanhã, o que agora não pode ser efetivado

Edgard Morin sustenta ser necessário uma mutação na educação mundial, reintegrando ciências e conhecimentos que foram separados e que somos uma resultante “bio psico social”. Morin coloca por terra separações entre educação informal versus formal. E nos reúne de novo enquanto o homo sapiens, com o demens (delirante). Do homem Faber com o lúdens (o fabricador com o lúdico) e do homem economicus com o mythologicus, o que sonha, imagina e inventa mitos. Isso se faz necessário.

Victor Frankl, criador da terceira escola de Viena, após Freud e Adler, a logoterapia, nos ensina a buscar um sentido e um propósito pelo qual vale a pena viver e até morrer. Frankl registra que quando encontramos um “por que”, iremos descobrir o “como”. E ao ser perguntado sobre a forma para encontrar sentidos, Frankl escreveu: “para buscar sentidos é necessário prestar atenção em pessoas que sob as mesmas circunstâncias conseguiram superar e comparar com outros que não conseguiram”. A pedagogia de Frankl tem elevada força no aprendizado do olhar. Me transformarei na qualidade dos seres humanos que aprender a admirar.

Numa sala de aula, um professor , além do ensino da matemática, da física, da sociologia, ali está um líder pedagogo inspirador. Vai ensinar a convivência, o poder da cooperação, a ética da competição, a vontade para ser um humano que irá se comportar com o poder máximo de “aprender a aprender”.

A tese: A Pedagogia da Superação foi apresentada e compartilhada com a sociedade, no Colégio Sérios, uma escola na cidade de Brasília, para quatro segmentos de públicos: autoridades do ensino, professores, pais e alunos e obteve ali validação das suas hipóteses. Também no Hospital Cruzeiro do Sul, as psicólogas do setor de treinamento aplicaram conceitos da tese e obtivemos validações dessas descobertas.


As hipóteses de que 1 – “é impossível superar os desafios e o ambiente competitivo isoladamente, se confirmou. 2 – “a percepção de dor, sofrimento, é relativa de pessoa a pessoa”, confirmada. 3 – “a partir da superação de aspectos médicos, traumáticos ou físicos, a superação mental vai exigir o desenvolvimento de foco e concentração em trabalho, obra, criação a partir de talentos e habilidades desenvolvidos”,igualmente se confirmou. 4 – “a superação será dependente da existência de líderes, educadores, ou pessoas que estejam nesse papel e por isso será exigida uma formação exclusiva perante a circunstância dada”, foram as quatro hipóteses confirmadas. E cinco são os fundamentos encontrados e classificados que formam essa teoria e pedagogia da superação: 1 – o princípio da superação: o descobrimento das possibilidades. 2 – o plano de superação: pensar nos sentidos que a sua vida pode elencar. 3 – conteúdo da superação: criação de valores, o amor, labor, ética e estética. 4 – procedimentos de superação: aprender, criar, acreditar, admirar/inspirar. 5 – atitudes de superação: resultado de todo processo de aprendizagem e adaptação às novas demandas da vida. O protagonismo, não vitimização e o reviver da criança interior.

Esta tese, pioneira no espaço do doutorado, com certeza irá abrir caminhos novos para múltiplos estudos que trarão cada vez mais luz, sobre essa condição humana vital de superação, agora conscientes de que a sua prática passa pelos inexoráveis degraus da educação. Afinal, quem supera, educa!

A partir dos seus resultados essa tese permitiu elaborar um desenho de aplicação da Pedagogia da Superação , utilizando um corpo multidisciplinar, mas sob a coordenação de um mediador educador. “Do jardim da infância ao doutorado não sou um só. Sou a somatória de retalhos e pedaços dos meus educadores. E hoje, pela reunião de todos eles, me sinto guiado. Obrigado a todos e às maiores educadoras do mundo – as mães. A minha mãe me fez prestar atenção nas batatas – dirigiu o meu olhar”. * José Luiz Tejon.



Agradecimento especial a Profa. Ana Claudia Barreto, pela imensa dedicação em toda a metodologia, Profa. Esther Gamio, ao ateneu UDE, Prof. Dr. Marcos Cobra que me carregou ao doutorado. Aos membros do tribunal: Profa. Dra. Graciela Fabeyro, Prof. Dr. Eniel Espírito Santo, Prof. Dr. Ronilson de Souza Luiz. E para sempre na minha vida minha orientadora Profa. Dra .Marie Lissette Canavesi Rimbaud e a todos os meus colegas alunos e funcionários da UDE Uruguai.

 

*Sobre José Luiz Tejon:  Dr. em Educação pela UDE/Uruguai; Mestre em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Mackenzie;  jornalista e publicitário formado pela Casper Líbero. Administrador com ênfase em marketing, com especializações na Pace University/EUA, Harvard/EUA, e MIT/EUA. Em liderança tem especialização no INSEAD/França. Ministra aulas na Audencia Business School (França). É Top of Mind de RH, considerado uma das maiores autoridades nas áreas da gestão de vendas, marketing em agronegócio, liderança, motivação e superação humana. Troféu Great Speaker Olmix em Paris, França.No total são 33 livros publicados em autoria e coautoria.

As melhores do agronegócio 2017 pela Revista Isto É Dinheiro Rural

As Melhores da Dinheiro Rural 2017 apresentou as 500 maiores empresas do agronegócio nesta segunda-feira (27) no evento da Revista Isto É Dinheiro Rural, realizado no Tom Brasil, em São Paulo/SP.

O ranking apontou dentre as 500 maiores do agronegócio no Brasil, oito cooperativas. São elas: Copersucar, Coamo, Tereos, Aurora Alimentos, C. Vale, CHS, Lar, Comigo e Cocamar.

 

As cooperativas agropecuárias brasileiras significam praticamente a metade de tudo o que se produz no país; respondem por cerca de 5 bilhões de dólares de exportações.

Temos no país 1500 cooperativas agropecuárias com mais de 1 milhão de cooperados.

Conversando com os diretores da Coamo, a cooperativa de Campo Mourão/PR, que tem uma receita de 11,5 bilhões de reais, algo muito positivo chamou a atenção, pois tem crescido o número de cooperados, sendo hoje 28 mil, além de contarem com 850 jovens que estão sendo preparados para a liderança e sucessão. Coube a Coamo receber também o prêmio da melhor gestão financeira e eleita como a melhor cooperativa do ano.

Continua sendo genial o cooperativismo, pois 80% dos seus cooperados produzem em áreas de até 100 ha.

 

Dentro das cooperativas, ainda se destacaram a Tereos, na área de cana-de-açúcar, uma cooperativa francesa com ótimo desempenho no país, tendo recebido a medalha de ouro na gestão da cadeia produtiva, ou seja teve preocupação com todos os elos do agronegócio, desde a ciência até o consumidor final.

As cooperativas reunidas atingem mais de 180 bilhões de reais de receita, o que significa 13,5% de todo o PIB do agro, e cresceu 13,5% o seu faturamento em 2016 comparado a 2015 (mesmo em meio a toda crise nacional).

A empresa do ano do agronegócio coube a DSM Tortuga na área da nutrição animal, sal mineral e principalmente vitaminas e tecnologias para o setor da proteína animal, com uma receita de 1,8 bilhão de reais no Brasil, e quase 8 bilhões de euros no mundo.

Outro prêmio foi destinado para a Coopavel, a cooperativa de Cascavel/PR como responsabilidade na cadeia produtiva como um todo, outro exemplo de realização e de liderança no oeste paranaense.

 

As cooperativas são além de claros exemplos de competência de produção e condução de pequenos e médios produtores, um caso extraordinário de estudos como centros educacionais.

Mais do que produzir e administrar o cooperativismo significa educação para a vida capilaridade de dignidade humana.

O meu amado comunista

O meu comunista nasceu em uma família pobre, numa aldeia de Trás-os-Montes, em Portugal. Aos sete anos parou de frequentar a escola, pois precisava trabalhar para ajudar a mãe e os outros três irmãos pequenos.

 

Fez de tudo. Trabalhou com enxada, tirou leite das vacas e dormiu com as cabras no campo frio. Era vendedor nas feiras da cidade e foi aprendiz de tudo e de todos. Depois de algum tempo, foi barbeiro e microcomerciante.

 

O meu comunista fugiu da miséria para o Brasil, assim como milhões de imigrantes pobres do mundo. Foi estivador no Cais de Santos, e ali se orgulhava da sua força.

Ele conseguia levar dois ou três sacos de café de 60 kg, ao invés de apenas um.  Nos intervalos, brincava mostrando como conseguia carregar o mesmo saco de 60 kg nos dentes.

O meu comunista esperava ansioso pela justiça e a igualdade para todos. Sonhava com um mundo onde todos pudessem estudar, onde ninguém fosse escravo do outro. Um mundo com trabalho para todos.

O meu comunista acreditava no fim da exploração do homem pelo homem. Um lugar onde todos teriam as suas casas para viver, a comida para comer, o estudo para crescer e o trabalho para se dignificar.

O meu comunista acreditava que a solução seria a mudança do sistema, onde o comunismo seria a solução do sofrimento humano na terra. O meu comunista me falava da honra, da palavra, da honestidade, do valor do trabalho.

Para o meu comunista não havia honra e valor maior do que o trabalho honesto. Ele dizia: “Nunca tirar nada de ninguém. A verdade acima da mentira”.

O meu comunista dava lições de valores, de humanismo, solidariedade e profundo respeito as pessoas. Falava da educação como o berço do novo ser humano, e caia lágrimas quando se lembrava do dia em que não pode mais voltar a escola.

O meu comunista me estimulava a estudar. Me mostrava como era o trabalho. Me levava para ver o sofrimento humano e aprender a valorizar a vida. Também me levava nas festas, nas músicas, nas danças portuguesas. e o seu sonho era que eu fosse um homem de caráter, estudado, e um bom comunista.

O meu comunista me ensinou a coragem.

 

Ele morreu cedo, aos 64 anos… morreu trabalhando. Com sua bicicleta fazia cobranças de sócios da Portuguesa Santista e do Rancho Folclórico Tricanas de Coimbra.

No cruzamento de uma rua, não viu o caminhão, ou o caminhão não o viu, e meu comunista caiu e bateu sua cabeça no meio fio, um duro e frio meio fio numa rua de Santos.

Quando vejo hoje em dia pessoas como Lula, Dilma, Dirceu, Gleisi e outros sendo chamados de comunistas, não compreendo. Eles não são nada parecidos com a descrição que o meu comunista fazia dos honrados comunistas.

Claro, esse pessoal que é chamado de comunista, obviamente não é comunista. Comunista mesmo era meu pai.

Sempre me emociono quando me lembro do meu comunista falando emocionado e orgulhoso sobre a possibilidade da vitória da humanidade, do trabalhador e dos seres honestos sobre a humilhação, o abandono e a escravidão.

Um comunista como o meu não morrerá nunca. Mas os falsos destroem suas próprias vidas, enganam seres humanos, e terminam destruídos pelo pior de todos os enganos, o autoengano.

Sinto muitas saudades do meu comunista. Meu pai adotivo, Antônio Alves, muito acima do comunismo, me ensinava a honra do trabalho, o valor da palavra, a justiça da solidariedade… se isso é comunismo, eu também, velho pai, sou comunista.

 

[contact-form][contact-field label=’Nome’ type=’name’ required=’1’/][contact-field label=’E-mail’ type=’email’ required=’1’/][contact-field label=’Site’ type=’url’/][contact-field label=’Comentário’ type=’textarea’ required=’1’/][/contact-form]

O meu comunista não existe mais

Amigos, até entendo e compreendo que um ideal comunista nos anos 50/60 imaginava a possibilidade de um mundo justo e igual para todos. Esse sonho, a mim mesmo, com 18 anos de idade, me emocionava! E quantos nãos deram a vida por aquele sonho?

E o meu velho pai adotivo, trabalhador, foi estivador e morreu trabalhando com uma bicicleta nas ruas de Santos.

Ele era um desses puros comunistas, onde o trabalho, a honra, a palavra, o valor de um homem na honestidade e na justiça humana tinha o seu sentido maior.

 

E para ele, isso significava ser um comunista. Impossível comparar isso com quem hoje usa o comunismo para enganar e se autoenganar enquanto um valor e um sentido de vida, onde fracos e oprimidos permanecem mais fracos e oprimidos sob direção de parte daqueles que viraram tenebrosos opressores, e que agora, oriundos da idealizada União Soviética, são os mais ricos da Europa e donos de times de futebol.

O que não é possível aceitar é que hoje, em 2017, permanecemos manipulando seres humanos com tamanha ilusória utopia.

 

Aos meus amigos da esquerda, sempre recomendo assumir a proposta chinesa, e esta análise concreta de situações concretas, esta nua e crua realidade, não interessa a esse time que se diz esquerda.

 

Comunistas? Não são! São oportunistas, safados e traidores da alma humana. O esquerdista Roberto Freire, presidente nacional do Partido Popular Socialista, por exemplo, nunca esteve ao lado dos vociferantes falsos e traidores, e a esquerda lúcida já nas eleições entre Jânio Quadros e Marechal Lott indicava o voto para o Marechal, pois sabiam no que Jânio, Lula e Dilma terminam por dar nisso. Espaços para os piores malévolos da direita.

Mas, como observador, gostaria de apostar: Quanto tempo a Venezuela suportará com esta imbecilidade anacrônica de governo?

Zumbis vivem agarrados em sistemas já mortos, e isso vale para mortos-vivos, tanto da esquerda quanto da direita. Não duraria dois anos este governo venezuelano.

Tempo para cair no real do indesejável. Não há mais esquerda, direita ou estacionar no centro: só existe pra frente! A coragem e a ousadia do novo. E que a classe empresarial se reveja e se revista de capitalismo consciente.

A Universidade Harvard já mudou o critério para avaliação dos melhores CEOs do mundo. No agronegócio brasileiro vejo esses exemplos quando estou nas cooperativas, por exemplo, Aurora, Copacol, Coperdia, Copercampos, Comigo, Cocamar, CVale, Sicoob, Sicredi, Sta. Clara, Coopeave, Cocapec, Frisia, etc., além dos movimentos da OCB e as Organizações Estaduais.

Da mesma forma, ao visitar e ver realidades do cooperativismo em outros países, vejo que existem líderes e lideranças honestas, íntegras, corajosas, com cooperativas muito competitivas. Mais de 1 bilhão de seres humanos cooperativados. Cerca de US$ 3 trilhões de receitas originadas no mundo.

Há também nos legados de Shunji Nishimura, Secundino e Ney, três seres humanos com quem tive a sorte de trabalhar e aprender no setor de tecnologia para a agropecuária  (Jacto e Agroceres).

Na proposta do Roberto Rodrigues, ex-Ministro da Agricultura, sobre a plataforma da segurança alimentar planetária, é mais um exemplo de líderes que apresentam um marco ascensional de sentidos e propósitos.

Deveríamos todos olhar e canalizar essas visões empreendedoras, cooperativas, solidárias, humanas e abominadoras da escravização humana a partir da propaganda de vítimas. A vitimização mata e nos mata.

O meu comunista não existe mais. Meu velho pai já morreu.