Não interessam os corruptos, mas sim os NÃO corruptos

Os não corruptos, líderes íntegros com liderança ética nacional, apareçam!

 

Quando as vozes ascensionais e sintrópicas se calam, podemos prever os arranjos da vida pelas vias da natureza. E essas vias nunca erram, mas cobram preços com gigantescas dores.

 

A marcha da insensatez humana já foi descrita e revelada ao longo da história. O destino escolhe sempre o caminho do caos para gerar do seu útero as energias   das novas criações.

Estaria o ser humano a serviço das mesmas leis que regem a natureza, ou temos uma missão distinta no universo?

Pode ser que tenhamos a missão de criar destinos com a sabedoria do conhecimento vivido, processado e compreendido.

No Brasil, neste momento histórico, temos uma ruptura digna de superiores registros. Um desmanche sistêmico provocado de dentro pra fora, muito mais do que tendo inimigos na causa original. Foram os “amigos” descontentes com as partilhas dos assaltos que iniciaram um certo incômodo; incômodo esse que mexeu com as forças jovens do Judiciário, da Polícia Federal. E como resultado disso, apareceram os efeitos de todas as operações.

 

 

Os poderes Legislativo e Executivo estão desmoralizados pela lei da imperfeição humana. O Judiciário se não se cuidar, pode se deixar levar também pelas tentações dos seus egos magistrais.

 

Então, quando um general do alto comando do exército se pronuncia perante a trágica comédia farsante nacional, gera um brutal incômodo em todas as vozes, gritando uníssonas: “Golpe militar não!”

 

Concordo, mas cobro. Cadê as vozes honestas, probas, com posições de poder influenciar nos destinos da nação? Onde estão? Caladas, acovardadas, ou precisando conquistar o ponto mais alto da colina para se fazerem ouvir?

 

Cobro, por exemplo, a presença e o protagonismo das dez Confederações Empresariais Brasileiras. São dez presidentes e dez poderosas organizações. Esses formalmente constituídos da sociedade civil organizada e que têm agora um dever maior do que o da defesa exclusiva dos interesses específicos dos seus macrosetores. Precisariam se reunir e oferecer ao país projetos  e uma voz alternativa de co-governança do Brasil.

 

Mas, eles não representam toda a sociedade! Mas, são um generoso e substancial começo, pois todo PIB não passa pelas suas mãos. A geração de empregos, a inovação, a produtividade, e ainda a necessária orquestração de cadeias produtivas de valor, perpassando necessariamente, à todas elas.

 

Não me interessam os corruptos, pois isso fica por conta das regras da lei, da polícia e das instituições que funcionam para esse fim. Me interessa saber dos não corruptos, das vozes e das mãos daqueles que podem subjugar as desgraças entrópicas armadas pelas redes cruéis dos destinos históricos.

 

Corruptos, canalhas e criminosos sempre existiram e sempre existirão. A diferença está em quem pode gritar mais alto. E nesse jogo de vozes, de gritos, posso dizer: se você calar o grito dos íntegros atrás da porta, pagará o preço dando vidas de gerações em troca”.

 

A diferença entre a essência e a aparência está na ciência, e com a ciência, e além da ciência, reside o reino das percepções humanas. Não existe realidade que não seja aquilo que percebemos dela mesma. Sonhos e ilusões são palavras parecidas, mas que guardam uma distância abissal entre ambas.

 

Ilusão é o engano dos sentidos e da mente.

 

Sonho é o desejo ardente e veemente. Mas, como separar? Simples: ilusão é o que a realidade faz conosco enquanto nos iludimos e sonho é o que fazemos com a realidade enquanto sonhamos.

 

Viva o sonho, a nação brasileira não corrupta, pois é muito maior do que a outra!

 

O meu comunista não existe mais

Amigos, até entendo e compreendo que um ideal comunista nos anos 50/60 imaginava a possibilidade de um mundo justo e igual para todos. Esse sonho, a mim mesmo, com 18 anos de idade, me emocionava! E quantos nãos deram a vida por aquele sonho?

E o meu velho pai adotivo, trabalhador, foi estivador e morreu trabalhando com uma bicicleta nas ruas de Santos.

Ele era um desses puros comunistas, onde o trabalho, a honra, a palavra, o valor de um homem na honestidade e na justiça humana tinha o seu sentido maior.

 

E para ele, isso significava ser um comunista. Impossível comparar isso com quem hoje usa o comunismo para enganar e se autoenganar enquanto um valor e um sentido de vida, onde fracos e oprimidos permanecem mais fracos e oprimidos sob direção de parte daqueles que viraram tenebrosos opressores, e que agora, oriundos da idealizada União Soviética, são os mais ricos da Europa e donos de times de futebol.

O que não é possível aceitar é que hoje, em 2017, permanecemos manipulando seres humanos com tamanha ilusória utopia.

 

Aos meus amigos da esquerda, sempre recomendo assumir a proposta chinesa, e esta análise concreta de situações concretas, esta nua e crua realidade, não interessa a esse time que se diz esquerda.

 

Comunistas? Não são! São oportunistas, safados e traidores da alma humana. O esquerdista Roberto Freire, presidente nacional do Partido Popular Socialista, por exemplo, nunca esteve ao lado dos vociferantes falsos e traidores, e a esquerda lúcida já nas eleições entre Jânio Quadros e Marechal Lott indicava o voto para o Marechal, pois sabiam no que Jânio, Lula e Dilma terminam por dar nisso. Espaços para os piores malévolos da direita.

Mas, como observador, gostaria de apostar: Quanto tempo a Venezuela suportará com esta imbecilidade anacrônica de governo?

Zumbis vivem agarrados em sistemas já mortos, e isso vale para mortos-vivos, tanto da esquerda quanto da direita. Não duraria dois anos este governo venezuelano.

Tempo para cair no real do indesejável. Não há mais esquerda, direita ou estacionar no centro: só existe pra frente! A coragem e a ousadia do novo. E que a classe empresarial se reveja e se revista de capitalismo consciente.

A Universidade Harvard já mudou o critério para avaliação dos melhores CEOs do mundo. No agronegócio brasileiro vejo esses exemplos quando estou nas cooperativas, por exemplo, Aurora, Copacol, Coperdia, Copercampos, Comigo, Cocamar, CVale, Sicoob, Sicredi, Sta. Clara, Coopeave, Cocapec, Frisia, etc., além dos movimentos da OCB e as Organizações Estaduais.

Da mesma forma, ao visitar e ver realidades do cooperativismo em outros países, vejo que existem líderes e lideranças honestas, íntegras, corajosas, com cooperativas muito competitivas. Mais de 1 bilhão de seres humanos cooperativados. Cerca de US$ 3 trilhões de receitas originadas no mundo.

Há também nos legados de Shunji Nishimura, Secundino e Ney, três seres humanos com quem tive a sorte de trabalhar e aprender no setor de tecnologia para a agropecuária  (Jacto e Agroceres).

Na proposta do Roberto Rodrigues, ex-Ministro da Agricultura, sobre a plataforma da segurança alimentar planetária, é mais um exemplo de líderes que apresentam um marco ascensional de sentidos e propósitos.

Deveríamos todos olhar e canalizar essas visões empreendedoras, cooperativas, solidárias, humanas e abominadoras da escravização humana a partir da propaganda de vítimas. A vitimização mata e nos mata.

O meu comunista não existe mais. Meu velho pai já morreu.

Modernidade e disruptura não começou com você, meu jovem

O comércio eletrônico, as Bit Coins, o Big Data, o mundo digital, onde distância não mais existe e apenas o tempo nos enlouquece. Ou ainda onde o computador Google se aposenta pois não existem mais mestres de xadrez que o conseguem vencer. Isso não é novo, e muito menos começou agora, aqui e com você.

 

Vivemos hoje apenas o resultado de um processo longo, muito longo. “A long, long road.”

 

Você imaginaria que alguém poderia vender sorvete por telemarketing nos anos 1930 e entrega-los nas principais capitais da Europa?

Ice-cream flavors at the ice cream parlor

Existiam poucos telefones, só para alguns. E pense> mandar sorvete de Roma, por exemplo, para Paris?

 

Mas isso existia. O Palazzo del Freddo, localizado exatamente na capital italiana, já fazia isso nos primórdios. Não era online, nem por computador, era no velho telefone com fio mesmo.

 

Porém, haviam atendentes, um Data Base, uma espetacular logística e armazenagem, além de um delivery impecável, pois os clientes naquela época eram lordes e fidalgos, ou seja, ficavam enfurecidos por muito pouco, e o ‘customer care’ apanharia literalmente com erros ou descuidos inaceitáveis.

 

O que mudou? É que antes, o serviço era para pouquíssimos e hoje é “for all”. Antes era caríssimo, hoje custa 1 euro.

 

O que mudou na criação e captura de valor? Na criação… nada! São inventos, tecnologias, processos, coisas. E na captura? Tudo: velocidade, custo, timing, e de poucos para todos.

 

O valor não está nas coisas. O valor está em quem faz o quê com as coisas! Então, pergunto: “Quem é você?”

Você cruzaria o oceano e enfrentaria uma fila só para comer um doce?

O que é mesmo valor?

A criação do valor está nas coisas, mas a captura do valor não está nas coisas. Se alguém dissesse: “Pessoas viajam de um lado para outro do mundo, ficam numa fila e pagam para simplesmente comer um doce.

 

Você diria que essas pessoas são loucas ou irracionais?

 

Nessas observações residem provocações importantes para discutirmos o que significa valor. E claro, o que isso tem a ver com você, comigo, com as nossas vidas.

 

O famoso Pastel de Belém nasceu na cidade de Lisboa, em Portugal. Turistas do mundo todo vão para saborear esse doce, que geralmente é vendido em uma casa estilo à moda antiga portuguesa, com ladrilhos.

 

Há fila para entrar, para ser atendido, para sair e pagar. Ao lado, há um Mc Donald’s, Starbucks. Mas é na velha casa portuguesa que com certeza reside uma gigantesca captura de valor.

 

Desde 1837, Os famosos Pastéis de Belém são feitos com açúcar, gema de ovo, leite, e a farinha. Uma Commodity. Porém, o valor é extraordinariamente maior. Ali é a ‘casa dos Pastéis de Belém’.

 

O valor não está nas coisas, o valor está em quem faz o quê com as coisas!

 

Então, pergunto: “Quem é você?”

Olha o que meu filho fez no computador… quanto valeria?

Uma belíssima ilustração.

Homem e mulher indefinidos, mas uma coisa: só os dois. Tem sensualidade, uma bela arte. Bem, digamos você gostou da proposta, achou um lindo quadro, quando estaria disposto a pagar por ele, dois mil reais?

Vamos dizer que você adora essa proposta da integração homem e mulher e o quadro tem a ver com você, sua visão de mundo… então, pagaria até cinco mil, dez mil reais?

 

Mas, ao prestar atenção lá está o nome do autor, de quem assina o quadro: “Óscar Domínguez”, extraordinário artista, presente e renomado nos museus de arte moderna do mundo inteiro. E aquele é simplesmente o seu quadro “Le Couple”.

 

Quanto vale agora? US$ 1 milhão? Bem, talvez, mesmo querendo, não pudesse pagar. Mas isso é outra coisa, pois valor dessa obra é gigantesco.

Assim é a vida?

 

O valor não está nas coisas, mas em quem faz o quê com as coisas. Entã, pergunto: “Quem é você?”

Um telefone velho com lagosta, quanto vale isso?

Se alguém lhe vendesse esta um telefone velho com um fone na forma de uma lagosta, quanto você, amigo leitor, estaria disposto a pagar?

Nada, talvez. Se encontrasse na rua nem pegaria? Ou quem sabe achasse legal para dar de presente num amigo secreto e pagasse R$ 60,00?

 

Bem talvez você tivesse um amigo no negócio de frutos do mar, e o símbolo tivesse um valor maior, uns R$ 300,00?

 

Ou ainda, um chefe apaixonadíssimo por lagostas, e esse presente revelasse o quão criativo você é na observação das coisas, e o comprasse por R$ 1.500,00 numa loja de antiguidades. Quem sabe?

 

Mas, de repente ali está a fonte, quem fez esta peça, e você vê o nome: “Salvador Dalí”. Sim, o próprio gênio da arte surreal.

Quanto passaria a valer esse telefone velho com uma lagosta no fone? US$ 1 milhão, talvez muito mais? Quem sabe nem tenha preço!

 

O valor não está nas coisas, mas em quem faz o que com as coisas.

 

Então, pergunto: “Quem é você?”

Quanto vale este manequim azul?

Vamos imaginar que você, amigo leitor, tenha uma loja de moda. Então, poderia gastar para expor algo.

Supondo que você tenha exposto um manequim meio corpo, belo e azul.

Poderiam pagar quanto? Talvez R$ 300,00? Você poderia explicar que não se trata de um manequim qualquer, pois têm pigmentos azuis especiais sobre o gesso.

E pedir mil reais? Ok, talvez.

E se dissesse agora que o busto poderia estar numa loja de decoração por um preço de dois mil reais… O lindo azul sobre gesso e o vendedor poderia acrescentar tratar-se de uma peça de rara beleza que liberta a superfície, uma presença monocromática especial.

 

Você pagaria três mil reais?

 

De repente você vê a assinatura dessa peça do Yves Klein, um dos autores da modernidade do “Spacializmo”, que é antecedida pelo grupo de vanguarda “Zero” num resgate à Segunda Guerra Mundial, onde atuam no foco da monocromia, uma ilusão de ótica.

Yves Klein afirma que sugerir, expressar e representar não são mais os problemas de hoje. Então, cria uma exposição chamada “Lá Nuova Concezione Artística” (1960) por uma busca de soluções originais.

 

Então, agora quanto vale este busto de pigmento azul sobre gesso? US$ 1 milhão?

O valor não está nas coisas, mas em quem faz o que com as coisas.

 

Então pergunto: “Quem é você?”

Quanto você daria por este quadro?

Caro leitor, veja este quadro da atriz americana Judy Garland.

Bonito. Mas, imagine que eu mostre para alguém e diga: “Quer comprar? “

 

Vamos dizer que a pessoa goste de quadros e da própria artista ali serigrafada. Talvez me oferecesse duzentos reais, considerando a moldura, ou quatrocentos reais?

O quadro “Judy Garland” de Andrew Warhol (mais conhecido por Andy Warhol).

Quem sabe se estivesse exposto numa galeria de arte, pudesse valer um pouco mais… talvez o dobro?

 

Agora que você viu o autor da obra: Andy Warhol, um dos ídolos criadores da pop art americana em um dos seus retratos serigrafados de personalidades, quanto valeria para você?

 

Com Warhol vem junto a cidade e o palco da vida e uma exposição da produção massiva e mediática.

O valor não está nas coisas, mas em quem faz o que com as coisas.

 

Então, pergunto: “Quem é você?”

O valor não está na ‘coisa’ e sim o que fazemos com a ‘coisa’

As coisas em si não têm valor. O sentido que alguém dá a elas, sim.

Sardinhas ao longo da história foram consideradas um alimento de baixo valor estimativo. Evidentemente não, quando as olhamos nas deliciosas festas portuguesas das sardinhas assadas com azeite.

 

Fora o folclore, aumentar e capturar mais valor das antiquíssimas sardinhas, e principalmente delas em lata pode parecer um esforço em vão e infrutífero.

 

Engano. A captura de valor nunca está na ‘coisa’ e sim na resposta “à quem”.

 

No aeroporto de Lisboa, o trabalho da Associação Portuguesa do Negócio da Sardinha dá um show de ampliação de valor. Um reino fantástico da sardinha portuguesa foi criado.

Com um pouco de imaginação as sardinhas em lata são reveladas como rainhas. As latas todas com datas dos anos marcam a vida dos que passam e não conseguem, ao parar, sair sem comprar a sua lata de sardinhas portuguesas ao azeite.

A sardinha literalmente virou rainha.

Num trono, tal qual uma rainha, lá está a sardinha em lata com o ano de JK Rowling, autora da série Harry Potter, que viveu em Portugal.

Mundo Fantástico da Sardinha Portuguesa

 

O valor não está nas coisas, mas em quem faz o que com as coisas.

Então pergunto: “Quem é você?”

Qual a diferença entre criar valor e capturar valor

Quem é você?

Podemos criar valor criando coisas, inovando. Sistemas e processos novos. Arranjos novos. Os exemplos estão por toda parte.

 

As lojas de departamento, que também não capturaram valor do comércio eletrônico, os shopping centers recriando as novas praças do mercado, o modelo de franquias, com o qual Alexandre Costa, fundador da Cacau Show, capturou gigantesco valor.

 

A telefonia sem os fios. Os computadores como estações moveis recebendo e emitindo sinais. Mas há uma diferença entre criar valor e capturar valor.

 

Não foram os inventores originais da ciência, da tecnologia ou do olhar disruptivo quem terminou por obter resultados valiosos com as fontes de sua privilegiada ante visão.

 

Observe os que capturam valor com as coisas são pessoas, indivíduos que não têm nada a perder com o antigo, com o anterior, com o já existente.

Alexandre costa não inventou o chocolate, as trufas ou a franquia.
Mas, a Cacau Show é um show de captura de valor com a maior franquia de chocolates do mundo. A resposta nunca está no ‘o que das coisas’ e sim no ‘quem’ da individualidade.

Não foram as páginas amarelas mundiais que criaram um Google, ou a indústria da telefonia com fio que fez o celular, nenhuma grande e poderosa mídia clássica fez as redes sociais e muito menos foi uma empresa de sementes que liderou a engenharia genética da soja, do milho ou do algodão.

 

O valor pode ser criado nas “coisas”. Mas, a captura de valor está no indivíduo, a resposta vem sempre depois da pergunta: “Quem? “.

 

Então pergunto: “Quem é você? “