Olha o que meu filho fez no computador… quanto valeria?

Uma belíssima ilustração.

Homem e mulher indefinidos, mas uma coisa: só os dois. Tem sensualidade, uma bela arte. Bem, digamos você gostou da proposta, achou um lindo quadro, quando estaria disposto a pagar por ele, dois mil reais?

Vamos dizer que você adora essa proposta da integração homem e mulher e o quadro tem a ver com você, sua visão de mundo… então, pagaria até cinco mil, dez mil reais?

 

Mas, ao prestar atenção lá está o nome do autor, de quem assina o quadro: “Óscar Domínguez”, extraordinário artista, presente e renomado nos museus de arte moderna do mundo inteiro. E aquele é simplesmente o seu quadro “Le Couple”.

 

Quanto vale agora? US$ 1 milhão? Bem, talvez, mesmo querendo, não pudesse pagar. Mas isso é outra coisa, pois valor dessa obra é gigantesco.

Assim é a vida?

 

O valor não está nas coisas, mas em quem faz o quê com as coisas. Entã, pergunto: “Quem é você?”

Um telefone velho com lagosta, quanto vale isso?

Se alguém lhe vendesse esta um telefone velho com um fone na forma de uma lagosta, quanto você, amigo leitor, estaria disposto a pagar?

Nada, talvez. Se encontrasse na rua nem pegaria? Ou quem sabe achasse legal para dar de presente num amigo secreto e pagasse R$ 60,00?

 

Bem talvez você tivesse um amigo no negócio de frutos do mar, e o símbolo tivesse um valor maior, uns R$ 300,00?

 

Ou ainda, um chefe apaixonadíssimo por lagostas, e esse presente revelasse o quão criativo você é na observação das coisas, e o comprasse por R$ 1.500,00 numa loja de antiguidades. Quem sabe?

 

Mas, de repente ali está a fonte, quem fez esta peça, e você vê o nome: “Salvador Dalí”. Sim, o próprio gênio da arte surreal.

Quanto passaria a valer esse telefone velho com uma lagosta no fone? US$ 1 milhão, talvez muito mais? Quem sabe nem tenha preço!

 

O valor não está nas coisas, mas em quem faz o que com as coisas.

 

Então, pergunto: “Quem é você?”

Há uma crise de lideranças no Brasil

 

Há uma crise de lideranças no Brasil

 

Fácil explicar: quem hoje está no comando das empresas, academias e instituições é a GBSF – Geração dos bem-sucedidos e Famosos!

 

Não foram educados para serem líderes de uma sociedade ou do país. Liderança dói!

E limiar de dor ampliada dói mais ainda.

 

Guerreiros não nascem prontos!

Quanto você daria por este quadro?

Caro leitor, veja este quadro da atriz americana Judy Garland.

Bonito. Mas, imagine que eu mostre para alguém e diga: “Quer comprar? “

 

Vamos dizer que a pessoa goste de quadros e da própria artista ali serigrafada. Talvez me oferecesse duzentos reais, considerando a moldura, ou quatrocentos reais?

O quadro “Judy Garland” de Andrew Warhol (mais conhecido por Andy Warhol).

Quem sabe se estivesse exposto numa galeria de arte, pudesse valer um pouco mais… talvez o dobro?

 

Agora que você viu o autor da obra: Andy Warhol, um dos ídolos criadores da pop art americana em um dos seus retratos serigrafados de personalidades, quanto valeria para você?

 

Com Warhol vem junto a cidade e o palco da vida e uma exposição da produção massiva e mediática.

O valor não está nas coisas, mas em quem faz o que com as coisas.

 

Então, pergunto: “Quem é você?”

Guerreiros e a diversidade

 

A onda global trata da diversidade em tudo, incluindo o RH. E nesse caso, a humana.

Fala-se sobre a “lei dos diferentes”. Mas… Quem não é desigual? Cada qual uma única impressão digital!

É importante a diversidade para os negócios?

Só tem dúvidas aquele que não tem boas métricas para julgar. Mas e você, já se sentiu um deles? Um “diverso”, digamos assim?

Já fui ou ainda sou um diverso, e posso dizer que sem valores humanos na organização e sem justas métricas, a causa da diversidade fica na emoção e pega pela ausência da razão.

Temos que administrar a diversidade da arte e da inteligência com a justiça, pois somos guerreiros da evolução.