Na Rússia, em meio a Copa do Mundo, associações promovem a proteína animal do Brasil

Estou celebrando ainda o brilhante livro da biografia das copas do nosso companheiro e jornalista Thiago Uberreich, e como já disse algumas vezes, para cada notícia ruim nosso cérebro precisa de, pelo menos, cinco notícias positivas.

Então, aí vai uma notícia boa:

Em meio a toda crise dos frangos com embargos, greves, afetando da mesma a suinocultura, o preço elevado da ração e em meio a dificuldades, a Associação Brasileira de Proteína Animal – ABPA junto com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos – APEX estarão realizando ações de promoção da qualidade da carne suína e de frango na Rússia até o dia 30 de junho.

Propaganda da ABPA e Apex-Brasil da carne suína brasileira, em rua movimentada de Moscou, Rússia, país-sede da Copa do Mundo 2018. Foto: Divulgação ABPA

Grande ação estratégica da ABPA no momento da Copa do Mundo.

Serão 45 pontos espalhados pela capital russa com banners ressaltando a qualidade dos produtos brasileiros com mensagens ligando o futebol brasileiro com a proteína animal.

A copa recebe pessoas de todo o planeta, e o Brasil exporta para 160 países. Ricardo Santin, diretor executivo da ABPA, disse: “A Copa do Mundo é um dos maiores eventos do mundo, e lá estaremos com a carne brasileira…“.

A Rússia desde novembro de 2017 se mostrou a maior cliente do Brasil. Embarcamos 260 mil toneladas de carne suína para a Rússia só no ano passado.

Obtivemos uma receita de 693 milhões de dólares em suínos; vendemos 83 mil toneladas de frango, com quase 130 milhões de dólares em receita.

Temos no mercado russo um potencial cliente de muito mais do que isso, é excelente essa ação da ABPA ao lado da APEX.

Seria bom que o Neymar ao fazer um gol batesse os braços em alusão as asinhas do nosso frango, e que o Gabriel Jesus, ex-palmeirense, pudesse elevar o nosso porco lá na Rússia as alturas!

Enquanto o pancadão do tabelamento do frete para o agro no Brasil fica estagnado, que a seleção e a carne suína e do frango cresçam em Moscou e aqueçam as lindas estepes russas.

Bolsonaro arruma encrenca com o maior cliente do Brasil: a China

Bolsonaro arrumando encrenca com o maior cliente do Brasil… arroubos que criam agouros.

Como se já não sobrassem problemas internos no país, onde temos inimigos das mais distintas facções, lá vai agora Bolsonaro se meter e arrumar encrenca na Ásia.

 

O Brasil representa uma área geopolítica segura para os interesses de todos os países do mundo, na questão de segurança alimentar.

 

E sem dúvida, a China assim vê o Brasil. Ela significa hoje o maior cliente do agronegócio brasileiro e o maior cliente, em tudo… comprou mais de 47 bilhões de dólares ano passado, investiu de 2010 até 2015 mais de 37 bilhões de dólares no Brasil.

 

Em um tour asiático a família Bolsonaro andou derramando palavras de ordem contra a invasão chinesa, e ainda os afrontou, indo a Taiwan e tendo encontros com seus líderes políticos.

 

O Brasil não é os Estados Unidos, nem Rússia, nem Japão e nem a Europa. Somos um país tropical, situados numa área geopolítica de independência e equidistância em conflitos internacionais.

 

O Brasil significa para a China, Rússia e Oriente Médio um excelente parceiro estratégico, pois seria impensável o país se meter em algum tipo de conflito ou preferências ideológicas por este ou aquele, acima do único interesse nacional, fazer o comércio e atrair investimentos dentro das nossas regras e leis, além de desenvolvermos um cliente que é sonho de vendas de todos os fornecedores do planeta, a China, nosso freguês.

Bolsonaros em Taiwan: (da esquerda para direita) Carlos, Flávio, Jair e Eduardo posam para foto em Taiwan (Reprodução/Página do perfil de Bolsonaro no Facebook/Divulgação)

Compramos aproximadamente a metade do que vendemos para os chineses, e essa relação de trocas será sim cada vez mais alvo de negociações… e precisamos nos preparar para isso.

 

Um erro de arroubos é colocar medo nas relações e inserir palavras de ordem falso nacionalistas que só podem atrapalhar o agronegócio brasileiro.

 

Como pré-candidato à presidência da república, deveria visitar nossos clientes e olhar zonas novas de acordos, além de aprender com os mesmos, e se tão interessado assim está no agronegócio brasileiro, deveria Bolsonaro ir investigar por que compramos alho e feijão preto da China, se o país é do agronegócio.

 

Com certeza se surpreenderia ao ver investimentos em tecnologia e redução de custos na cadeia produtiva chinesa, o que significaria belas lições para um brasileiro que quer se meter a liderar o Brasil.

 

O Brasil não deve criar dependências com um ou dois mercados. O país deve sim vender mais com mais capilaridade e valor agregado. Mas atacar o cliente número 1, ou é burrice, ou tática eleitoreira de um despreparado.

Crise do frango um grande incômodo

E lá vamos nós para mais uma crise da carne, agora do frango.

 

frango assado

Algo chama atenção, a crise ocorre na indústria, no frigorífico, e quem cuida da bronca é o ministro da agricultura Blairo Maggi.

Enquanto Marcos Jorge de lima, o ministro da indústria e comércio não aparece.

 

Então o avicultor vai pagar o pato, ou melhor a salmonela do frango.

Não podemos alegar que a concorrência internacional nos quer mal, pois claro, óbvio, a concorrência nos odeia e sim, nos quer mal.

Mas vale a questão se o maior traidor ou concorrente não está aqui do lado de dentro, na gestão, e no não cumprimento dos exigentes rigores para ter um mercado como o europeu.

Que, claro não nos quer bem, pois aprendemos a produzir com qualidade e custo imbatíveis, mas, precisa ser olímpico, perfeito, impecável.

Assim para sempre será.
Cabe às organizações da sociedade civil organizada desenvolverem auto regulamentação, código de ética, auto vigilância e fiscalização.

Pois um, apenas um que não segue os padrões de conformidade estabelecidas, destrói a todos os outros que fazem corretamente.

Agora na BRF chamaram Pedro Parente para presidir o conselho.

Saímos do Sul e vamos para a Amazônia, estou no Estado do Pará, existe um Pará ilegal.

Com mais registros de terras do que terras físicas para entregar, e a insegurança jurídica gera um lado do Pará ilegal.

Mas tem um novo Para, cooperativas e empresas que trabalham dentro do mais alto rigor da lei.

A logística vai pelo Pará, e o meio ambiente é uma das maiores preocupações do paraense, a pecuária, o cacau hoje maior no Para do que na Bahia, frutas, e a palma, o dendê, onde a melhor do mundo hoje está no Pará.

O futuro do agronegócio brasileiro será do tamanho da inteligência dos seus líderes em serem éticos, sustentáveis, e agirem 100% dentro da lei.

A legalidade e a conformidade com os clientes e consumidores finais, e a justiça e relações corretas de cada cadeia produtiva é o segredo desse nosso futuro.

Na Amazônia brasileira, precisamos da lei, da vitória de um PARÁ LEGAL, acima do ilegal.

No agro como um todo, e no caso do frango, que entra numa nova crise, precisamos da responsabilidade dos líderes da cadeia produtiva.

Cabe a quem comanda a cadeia, zelar por ela e a representar como ninguém.

Que os avicultores brasileiros não paguem mais esse pato a culpa não é deles.

Foi exonerado da Presidência da Funai

Se trata do doutor em ciências militares Franklimberg Ribeiro de Freitas.

 

Funai

O general da 1ª brigada de infantaria da selva em Roraima, e que também foi chefe de operações do Comando Militar da Amazônia.

E curiosamente, foi demitido dias antes do principal encontro indígena do país, a ser realizado em Brasília.

 

O acampamento terra livre, entre os dias 23 e 27 de abril.
E nesse evento, o maior da nação indígena, há uma expectativa de mais de 5 mil índios.

Fico com a pulga atrás da orelha, por que o presidente temer demitiu o general da presidência da Funai (Fundação Nacional do Índio), dias antes desse maior encontro indígena do país?

Foi apresentado um pedido assinado por cerca de 40 deputados e senadores, ligados a bancada ruralista, falam em 170 lideranças , nesse pedido havia a motivação de que o atual presidente da Funai não estaria colaborando com o setor.

Ainda acrescentavam ser o general um “ ongueiro”, ou seja, andar com as ONGs.

E acusam o general, ex presidente da Funai de ter ideias bolivarianas, associadas a Hugo Chaves e Maduro.

Essa motivação me parece um tanto quanto coisa do teatro do absurdo , imaginar que um general formado na escola de comando e Estado maior do exército brasileiro, tenha filosofias “ bolivarianas como Chaves e maduro” soa tão estranho que intriga este comentarista.

O assunto índios, Funai, relação com produtores rurais não tem sido, ao longo da história alvo da boa administração e do bom senso.

Radicais da direita e da esquerda manipulam a causa indígena e sofremos com a ausência do bom senso e de uma liderança que seja ao mesmo tempo correta, legal, e justa na questão.

As discussões sobre Marcos temporais ou não, sempre aguçam as divisões entre indígenas e produtores.

O supremo tribunal federal passou a considerar o marco temporal da constituição de 1988, para decidir se a área é tradicional de indígenas e consequentemente poder ser demarcada ou não.

Como foi por exemplo a decisão de reintegração de posse em Sananduva no Rio Grande do Sul.

Mas voltando ao general do exército considerado bolivariano, Chavista e Madurista.

Fica aqui o meu estranhar, e vamos aguardar as repercussões e consequências, na mão de quem estará a Funai, após a demissão a pedidos do general Franklimberg Ribeiro de Freitas, da presidência da Funai, poucos dias antes do maior evento indígena do país, em Brasília.

Índios, terras, Funai, ONGs, produtores rurais, onde não há bom senso e razão, os interesses dominantes nunca estão de fato a serviço do Brasil, da nação.

O general e a Funai, não se pronunciaram a respeito.

E você jovem brasileiro, o que estudar?

O agronegócio permite uma carreira sensacional.

 

Além dos cursos mais clássicos, como agronomia, veterinária, zootécnica, ou mesmo administração e economia, preciso registrar e incentivar ao estudo de um conhecimento que significará todo o futuro dos alimentos, da agroindústria, da nova agropecuária, do moderno produtor e produtora rural.

Se trata do Big data no agronegócio, e mecanização da agricultura de precisão.

É um curso superior de tecnologia do big data, e o outro de mecanização de agricultura de precisão voltado ao agronegócio.

O mercado de trabalho do agro se expande e passa a incluir empresas de tecnologia da informação, da agrometeorologia.

E o assunto da agricultura com mecanização de precisão, estão presentes nas corporações globais, distribuidores, revendedores e cooperativas do agronegócio.

Portanto, estudar big data no agronegócio e mecanização de agricultura de precisão é algo novo, não existem profissionais ainda para uma carreira de acelerada demanda em pouquíssimo tempo.

Fatec Pompeia

 

 

 

 

 

 

 

 

As inscrições para o vestibular da Big data no agronegócio e mecanização de agricultura de precisão estão abertas na Fatec Shunji Nishimura, da cidade de Pompeia no estado de São Paulo.

Ali, o Sr. Shunji Nishimura, fundador da jacto, deixou um legado, a sua fundação.

E com ela, reunida a Fatec, um lugar onde o ensino mais moderno, um local que passa a ser o Silicon Valley da mecanização de agricultura de precisão do país.

O jovem pode ter acesso a 3 anos de uma das melhores faculdades gratuitas do país e a única também com especialização em big data do agronegócio.

As inscrições ocorrem de 8 de maio a 8 de junho.

E as informações estão no site www.vestibularfatec.com.br
E pelo telefone (14) 3452-1294

Hora de vestibular para mecanização de agricultura de precisão e data base do agronegócio.

Iniciativa nobre do hospital do Câncer de Barretos

Uma iniciativa nobre foi a criação do Hospital de Câncer de Barretos na década de 60.

Pelo Dr. Paulo prata e sua esposa Scylla Duarte prata, chamava-se hospital São Judas Tadeu de Barretos.

Hospital do Câncer de Barretos

Hoje uma fundação cuida dessa nobre obra, a fundação pio Xll.
E se desenvolveu, com o hospital do câncer de Barretos, que está construindo unidades novas em muitas cidades do interior, onde o agronegócio progride.

Grandes contribuintes do hospital do câncer de Barretos são cadeias produtivas do agro, com a campanha “O agro contra o câncer”.

 

Ideias como, o bagaço gera a energia do bem.
A cana pode vencer o câncer, basta você ajudar.
O boi pode vencer o câncer, basta você ajudar.

Ou ainda a soja pode vencer o câncer, basta você ajudar. O arroz pode vencer o câncer. O café da mesma forma, basta você ajudar. Doe 0,1% da sua produção a cada 1000 sacas de café doe uma, ou doe 0,20 centavos de real por saca produzida.
Idem com a laranja, doe o,1%, a cada mil caixas, doe uma.

Ano passado, quase 900 mil pessoas com câncer foram atendidas. Pelo hospital do câncer de Barretos.

Para participar do projeto o agro contra o câncer, contate o hospital do câncer de Barretos DDD  (17) 3321-6624.

As caravanas do Lula pelas cidades do agronegócio

As caravanas do Lula pelas cidades do agronegócio não andam bem sucedidas e não serão.

Em Bagé as manifestações contrárias foram elevadas, em Santa Maria, bem no centro do estado, o fato está se repetindo, da mesma forma, em Santana do Livramento, onde já são produzidos vinhos de qualidade competitiva aos melhores da América Latina.

https://www.revistaforum.com.br/wp-content/uploads/sites/15/2017/10/22643396_1966218420333099_1647109022_o.jpg

Os roteiros pelas principais cidades onde o agronegócio tem sido forte e sustentável, não serão os lugares mais agradáveis para a caravana Lula.

Fico imaginando sua passagem, subindo o país, por cidades como Chapecó, Santa Catarina, Cascavel, Campo Mourão, Maringá, Ribeirão Preto, Orlândia, São Paulo, Uberlândia, Patos de Minas, Unaí, em Minas Gerais, Rio Verde, em Goiás, Palmas, em Tocantins, Dourados, no Mato Grosso do Sul, Rondonópolis, Lucas do Rio Verde, no Mato Grosso, Luis Eduardo, no oeste da Bahia… com toda certeza um roteiro agro não é boa escolha.

Sugeriria aos estrategistas lulistas que fizessem um roteiro mais litorâneo, onde alguma chance maior de êxito poderiam obter, e principalmente escolhessem lugares onde a miséria, a má qualidade de vida, as vítimas do país não conseguiram sair desse estado, mesmo depois das nossas experiências mais profundas no populismo.

Roteiros onde existe sucesso, como cidades fortes em agronegócio é uma escolha insensata para a caravana Lula.

Notícia boa vem do protagonismo e da busca por negócios, um acordo Mercosul-Canadá deverá criar oportunidade para cerca de 320 produtos brasileiros.

O Canadá é o 100 maior importador do mundo e o Brasil significa apenas 1% do volume de negócios que o Canadá realiza no planeta.

Um dos exemplos de alteração no comércio entre Brasil e Canadá está na taxa que a carne bovina brasileira paga para entrar no mercado canadense, 13,25%.

Esse estudo foi feito pela CNI (Confederação Nacional da Indústria), que faz muito bem neste momento difícil de falência da governança pública, mirar seus esforços para soluções econômicas e de comércio, que isso inspire as outras Confederações Nacionais Empresariais a fazer o mesmo.

Um milagre maravilhoso seria se as 12 Confederações Nacionais Empresariais se unissem e se reunissem numa proposta de governança do Brasil, a partir dos poderes da Sociedade Civil Organizada.

Caravana Lula em cidades fortes do agro, péssima ideia, Confederações Empresariais, como CNI, buscando negócios internacionais, ótima ideia!

 

 

Alargar a visão – uma nova narrativa brasileira no agro

Agrossociedade, por si já nos tatua um conceito amplificado acima de “business“. Cidadãos, gerações, cidades e educação que formam culturas pela geografia brasileira gerados a partir da construção de riquezas originadas na agricultura.

Ou antes da agricultura? Na ciência, nas práticas tecnológicas, nos experimentos e na coragem de líderes que acreditaram na capacidade de produção dentro de uma zona tropical do planeta? Ou depois da agricultura no processamento, na logística, no comércio? Ou foi tudo isso junto amalgamado, que termina por colocar o Brasil na condição do 3° maior exportador de alimentos do mundo e assegurador do abastecimento interno do seu povo?

Olhando o Brasil de fora, constatamos que temos uma missão com visão ampliada para debater, considerar, interpretar e cumprir. Aprendemos a produzir e criar no ambiente tropical. Incontestável. Nos transformamos em grandes competidores e vendedores de alimentos globais. Incontestável.

Temos uma legislação ambiental, um código florestal mais exigente do mundo, colocando no produtor brasileiro a responsabilidade de ser a “sentinela da terra“. Incontestável.

Temos oportunidades imensas de evolução pelo conhecimento da gestão, da ciência e do cooperativismo. Incontestável. E longe de sermos perfeitos, nossos defeitos são grandes, notórios, e nós sabemos e os temos identificados, eles nos incomodam e ficamos incomodados. Incontestável.

Mas, o que falta no discurso brasileiro para tomada de uma posição única, diferenciada e totalmente alinhada com o inexorável progresso da fraternidade e do humanismo nos próximos 50 anos?

Ensinar. Não seremos no planeta apenas um grande vendedor de alimentos e estratégico para a segurança alimentar da população mundial. Seremos também os educadores de como desenvolver a dignidade cidadã, ensinando povos do cinturão tropical do globo terrestre a poder produzir e desenvolver também os seus próprios alimentos.

Ótimo que temos 66% do território do país preservado e sob legislação, e somos recordistas em produção utilizando menos de 10% da área para isso, quando comparados com outras nações.

Incontestável. Também temos orgânicos, biodinâmicos, rastreabilidade e cerca de 1 milhão de pequenos agricultores cooperativados. Incontestável.

Sim, um Brasil além do grande vendedor, um nobre e real educador. Somos um achado sensacional na faixa tropical do globo, quando o fotografamos a partir das riquezas agropecuárias. Temos recursos humanos, conhecimentos, e práticas concretas e reais. Sabemos produzir em condições tropicais e com sustentabilidade. Incontestável.

Brasil, o grande educador dos povos e nações envoltas pelo “tropical Belt”, ou “Cinto Tropical”. Um cinturão tropical onde antigamente nada se produzia, com exceções de algumas commodities como café, cana-de-açúcar, borracha e cacau; e hoje, além da hortifruticultura, do reviver do algodão, de uma nova borracha, a inovadora soja, o milho, o biocombustível, o biodiesel, feijão com arroz, o novo cacau, uma liderança avançada em todas as proteínas animais, e exemplos extraordinários no cooperativismo.

 

Além disso, uma agroindústria e uma rede interna de varejo, food service e supermercados com mais de 80 mil pontos de vendas, onde circulam diariamente 25 milhões de pessoas que devem vir a ser pontos educacionais ótimos para a educação nutricional e de alimentação do brasileiro.

 

E claro, pra não dizer que não falei das flores, até flores vicejam e terminam por embelezar o florescer do lado tropical da terra.

 

Existem incômodos? Incontestáveis. E o que vamos fazer? Incomodar.

Pra começar, mais do que produzir, preservar e exportar, o Brasil é a maior casa educadora do mundo, ensinando nações do cinturão tropical da vida, a auto felicidade de ter seus próprios alimentos. Uma pedagogia evoluída de superação.

Refletir. Pensar. A narrativa e os feitos e fatos que nos podem conduzir a uma relevante e nobre missão na terra. Incomoda? Sim, incontestável. Vamos incomodar.

 

Dr. José Luiz Tejon Megido

Diretor do programa food e agribusiness management e design innovation da Audencia Business School, Nantes, França, para o Brasil. Colunista da Jovem Pan e revista Feed&Food. Diretor de conteúdo do CNMA – Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio | ABAG / Transamérica Expocenter. Membro do CCAS – Conselho Científico Agro Sustentável. Conselheiro e fundador da ABMRA – Associação Brasileira de Marketing Rural do Agronegócio.

Airbnb no Salão Internacional de Agricultura em Paris

Da França direto pra Jovem Pan, para os meus leitores do blog Cabeça de Líder.

No Salão Internacional de Agricultura, em Paris, você encontra o mundo sob o tema central deste ano: “A agricultura, uma aventura coletiva”. São mais de mil expositores no Parque de Exposições da Porta de Versalles.

 

O foco é valorizar o trabalho coletivo como chave do setor. São seis gigantescos pavilhões divididos por assuntos, como o pavilhão de carnes, outro dedicado a cavalos e também a produtos culturais do campo, onde a jardinagem e o mundo vegetal se faz presente. Há um terceiro pavilhão com comidas e bebidas, e ali está presente a televisão francesa sendo transmitida ao vivo.

No 4° pavilhão, da agricultura de precisão, vi o recrutamento de jovens e o meio ambiente high tech. No quinto pavilhão uma mostra dos produtos de vários países do mundo, onde a Costa do Marfim apresentava o melhor stand falando de sua política de preservação das florestas, e Marrocos mandava ver num samba do Brasil, uma tímida participação apenas com a caipirinha e o nobre capim dourado.

Sem dúvida e com todo respeito, o Brasil faltou neste show.

E por último um pavilhão dedicado a cães e gatos.

 

Algumas coisas surpreendem. Você não imaginaria ver o Airbnb num evento da agricultura, imaginaria? Pois ali estava, com um grandioso stand. E qual a ideia do Airbnb estar num evento rural? Promover o turismo rural.

Airbnb está presente no Salão Internacional de Agricultura 2018, em Paris.

O Airbnb na França já conta com mais de 6 mil agricultores cadastrados. Oferecerem sua propriedade para o turismo agrícola. O que significa ganhar uma renda adicional, mostrar e promover a sua atividade agrícola e conhecer pessoas do mundo inteiro.

 

Por que 80% dos CEOs não confiam nos diretores de marketing?

Uma pesquisa publicada na revista Harvard Business Review (edição de novembro de 2017) aborda a alta rotatividade dos CMOs (Chief Marketing Officer) e acrescenta estarem os presidentes das companhias com baixa confiança ou insatisfeitos com seus profissionais de marketing.

 

A pesquisa apontou que mais de 40% desses profissionais ficam em suas cadeiras até dois anos, e 57% até três anos.

 

Distintas descrições para o mesmo cargo aparecem e podem significar um dos problemas pela não clareza das missões, das responsabilidades e consequentemente com a ausência de métricas ajustadas a uma avaliação meritocrática.

 

Apenas 23% das descrições do cargo encontrados no estudo posicionam ter o diretor de marketing responsabilidade pelo P&L (Profit and Loss Statement) é o demonstrativo de lucros e perdas de uma empresa e traz suas receitas, custos e despesas), na amplitude total da organização. Adiciona preparar estratégia, supervisão de vendas, inovação, design, distribuição, pricing e comunicação.

 

46% dos textos colocam responsabilidade pela comercialização, realizando isso através da comunicação de marketing, publicidade, conteúdo digital, mídias sociais, promoção e eventos; 31% tem uma descrição com foco na responsabilidade pela estratégia. Deve criar uma estratégia de crescimento responsável pela inovação, insight e avaliação de clientes, com design do produto.

 

O estudo conclui também que os dirigentes de marketing “não têm autoridade suficiente para fazer o que deles é esperado“. Os pesquisadores Kimberly A. Whitler (ex-CEO e hoje professora da Darden School of Business da University of Virginia) e Neil Morgan (professor de marketing da Indiana University), ao estudarem profundamente o assunto têm hoje uma fortíssima crença de que o grande drama que envolve a categoria dos profissionais de marketing nos Estados Unidos está no “modelo falho da função“.

 

Identificaram também não existir já resposta clara para uma pergunta: “O que faz um CMO?“

Existe ainda uma grande incompatibilidade de expectativas entre os candidatos não alinhados com as responsabilidades e métricas de desempenho. Seria como se num time de futebol contratasse um comandante de ataque e também esperássemos que fosse um goleiro, ou melhor, um “coringa“ para todas as posições.

As recomendações dos pesquisadores cobrem quatro procedimentos críticos para o sucesso:

1º: defina a função;

2º: alinhe responsabilidades com o escopo da função;

3°: alinhe métricas com expectativas;

4º: procure candidatos com o perfil correto.

Pensar profundamente antes de contratar faz parte do segredo do sucesso. Isso vale também para o candidato. Neste estudo, os autores adicionam outras poucas regras essenciais:

Que resultados você espera desse diretor de marketing dentro das realidades atuais enfrentadas pela empresa?

Que responsabilidade funcional é necessária para assimilar essa visão a respeito da função?

Como medir o sucesso?

Que habilidades e experiências são exigidas?

 

Como estaria essa questão no Brasil?

Estariam os nossos presidentes, diretores executivos, CEOs em qual grau de proporção satisfeitos, insatisfeitos ou sem “nada a declarar“ sobre essa questão?

E mais: qual a visão dos pares, o CIO, o CFO, CSO (sustentabilidade), o industrial, a área legal e compliance? Qual a opinião dos clientes B2B, principalmente, sentindo os impactos das decisões mercadológicas tomadas pela organização? O que pensam os veículos de comunicação, os jornalistas, e os stakeholders mais próximos com capacidade de oferecer opiniões sobre este complexo de marketing?

 

Talvez, um ingrediente não avaliado pelos pesquisadores deste estudo possa estar na competência necessária para liderar angulações tão subjetivas como marketing enfrenta, adicionando um talento corajoso, ousado e quem sabe, hoje em dia mais fundamental do que nunca: saber vender para dentro primeiro o que a empresa precisará vender para fora. E claro, romper uma expressão clássica nas escolas de marketing, a de que “existimos para atender necessidades e desejos de clientes“.

 

Isso foi passado, se é que algum dia foi. Não existimos para atender, existimos para inspirar e revelar aos clientes e consumidores o que eles não sabem que poderiam ter, e ao descobrir, se desmanchem em comoções.

 

 

Prof. Dr. José Luiz Tejon

Sócio diretor da Biomarketing