Navegação de Posts

Cruzeiro x Bayern de Munique em 1976

cruzeiro-x-bayernEm 18 edições da Copa Intercontinental, o Brasil chegou em três finais. Depois do bi-mundial do Santos (62/63), o país levou treze anos para disputar o título. Em 76, o Cruzeiro fez a final com o Bayern de Munique. Foi o maior Cruzeiro de todos os tempos: Raul, Nelinho, Moraes, Ozires, Wanderley, Piazza, Zé Carlos, Jairzinho, Palinha, Joãozinho e o genial Dirceu Lopes. Pena que Tostão parou.

Entre 1960 e 1979, os brasileiros eram fregueses na Libertadores. A competição era dominada pelos argentinos e uruguaios. Diz a lenda que os brasileiros não davam importância ao torneio. Não foi o que eu vi em 74, 76 e 77. A verdade é que ganhar dos uruguaios e argentinos sempre foi muito difícil.

O Palmeiras perdeu duas finais. Em 61, do Peñarol. Em 68, do Estudiantes. O São Paulo perdeu do Independiente, em 74. O Cruzeiro ganhou do River em 76 e perdeu do Boca em 77.

Em 76, o super time de Zezé Moreira, campeão da América, enfrentou o Bayern de Munique, base da seleção alemã, campeã do mundo em 1974. O timaço de Franz Beckenbauer venceu por 2×0 na neve. Raul Plassmann conta que o goleiro Sepp Mayer lhe deu luvas para neve. “Fair-Play” genial. Dirceu Lopes não jogou na Alemanha. Na volta, o Bayern segurou o 0×0 no Mineirão.

Palinha conta sobre os dois jogos e o vice-mundial que valeu quase como um título.

Clique e ouça a entrevista.

PALINHA fala do Cruzeiro x Bayern de Munique

Publicidade
Publicidade
Publicidade

46 ideias sobre “Cruzeiro x Bayern de Munique em 1976

  1. Romulo,
    O doping por afetamina era comum no MUNDO INTEIRO até os anos 1970 (Didi falava muito das “laranjadas” reforçadas que os preparadores forneciam aos jogadores em grandes decisões). Como observou Casagrande em entrevista (Placar?) recentemente, nos anos 1980, a cocaína era a bola da vez. Até que os antidoping se fortalecessem, jogar dopado era MUITO comum.

    Na década de 1960, a libertadores era disputada no primeiro semestre. Os estaduais nos principais estados, no segundo. Logo, havia espaço para disputa-la no calendário.

    Bahia, Botafogo, Santos e Palmeiras disputaram normalmente a Libertadores até 1965. Em 1964 e 1965 o Santos perdeu no campo, JOGANDO, para Penarol e Indepediente. Depois disso e da mudança do regulamento (a competição passou a ter mais times e mais jogos), o Santos abdicou, até para não colocar o prestígio em risco.

    O Palmeiras perdeu jogando em 1968 (a final contra o Estudiantes de Juan Ramon Veron). O Cruzeiro foi eliminado na semi-final em 1967.

    Daí para frente, de fato, houve algum desinteresse. Mas, para mim, o maior motivo era o medo. Os times brasileiros não tinham cojones para disputar a libertadores. Além disso, eram fracos mesmo ou menos fortes que o imaginado. A desorganização sempre fez o futebol brasileiro ser um país de grandes jogadores e times fracos.

  2. Fernando, agradeço de coração a lembrança de um dos jogos mais lindos que já vi em minha vida, este CRUZEIRO x Bayern, quando eu tinha 19 anos. Acredito também que o Mundial daquele ano foi perdido no jogo de ida, em plena neve, campo branco e se não me engano, a bola era vermelha.
    Quero tecer alguns comentários:
    - a Libertadores NÃO era prioridade dos clubes brasileiros nas décadas de 60 e 70, só o Santos e CRUZEIRO a ganharam nesta época, com SUPER TIMES.
    - a imprensa do eixo Rio – São Paulo é extremamente BAIRRISTA, nunca viu e continua a não ver o CRUZEIRO, Inter, Grêmio e qualquer um fora do eixo.
    - entre vários jogadores, o Nelinho foi um dos que falou e fala textualmente que os “hermanos” jogavam dopados na Libertadores, na Copa América, ele teria ouvido isto de colegas de profissão que vieram jogar no Brasil (hoje da para fazer a idéia de pelo menos 3 que possam ter testemunhado isto.
    - alguns poucos pobres de senso de ridículo que comentaram acima, continuam a achar que o maior time do Brasil é e sempre será o seu, coitados…
    Santos, CRUZEIRO, Inter, Flamengo, São Paulo, Grêmio, Palmeiras, foram e continuam a ser TIMES DO MUNDO! Desculpem se esqueci algum, embora acredite que não.
    - sob pena de cometer injustiça com alguns grandes nomes, vou “tentar” escalar o que motivou ser escolhido o CRUZEIRO, além de seus resultados, a ser eleito O MELHOR TIME BRASILEIRO DO SÉCULO XX: DIDA, NELINHO, PIAZZA, PERFUMO E SORÍN, ZÉ CARLOS, DIRCEU LOPES E TOSTÃO, JAIRZINHO, RONALDO E JOÃOZINHO. Vejam bem, me “esqueci” de vários…, Raul, Fábio, Vanderley, Eduardo, Alex, Evaldo, Palhinha, Natal, Hilton Oliveira, Roberto Batata e por aí vai…
    - por último, agradeço MUITÍSSIMO ao José Batista Gomes, que nos municiou de mais informações acima, OBRIGADO!

  3. Nosso futebol era muito desorganizado nos anos 1960. Inexistiam campeonatos nacionais e os estaduais eram obviamente deficitários (como sempre foram). Os times se perdiam em torneios chulos aqui e la fora. Se já tivésssemos força econômica (o país) e organização primária no futebol (campeonatos estaduais e regionais com torneios nacionais para fechar temporada), os clubes teriam tido mais “densidade” e poderiam contratar os grandes nomes sulamericanos de então: Pedro Rocha viria antes; Spencer e Sastre jogariam aqui; Sanfilipo e Ratin; talves até Veron. Aí a história dos títulos continentais desde o início teria – talvez – sido distinta do que foi.

  4. Boa tarde a todos!

    Observem o seguinte:

    1- Times brasileiros não ligavam para Libertadores, eram focados nos campeonatos regionais, onde cresciam rivalidades e torcidas;

    2- Times sulamericanos como Boca, River, Peñarol, Nacional, sempre foram únicos em seus Países, mantendo sempre os melhores jogadores nacionais. Atenção, são até hj! Que time sulamericano tem um craque como Riquelme?

    3- Até o Bicampeonato do SP os Clubes não enxergavam a propagação da Marca, em nível mundial, trazendo investimentos e melhorías.

    Fernando, se não me engano, não foi o Nelinho que chutou a bola prá fora do mineirão? Que petardo hein?

    Abç

  5. não concordo com este negocio de argentinos e uruguaios só ganhavam no pau e os títulos mundiais de estudiantes , o guarani deles , do nacional e penarol que ganhou do real madrid, na época penta campeao da champions . é que antes da globalizaçao não havia esta leva de jogadores para europa , imagina dois paises pequenos exportando quase tudo os times locais principalmente uruguaios não ganharam mais nada , se o exodo num pais de 200 milhoes já causa estragos que dirá no de 3 milhoes e de 26 milhoes
    até que estes dois países ganharam muito pela diminuta populaçao ; Fernando dou a idéia dos times brasileiros contratarem qtos sulamericanos quiserem porque na europa pode ?

  6. Silas,
    E só os argentinos e uruguaios e paraguaios eram malvados assim? Os nossos times e dirigentes eram santos?

    Lembro bem da libertadores dos anos 1980. Era uma guerra, de fato, mas a incompetência absurda dos times brazucas entre os 1960 e 1980 não se deve só ao fato dela ter sido uma espécie de “ditadores de américa” (João Saldanha). Deve-se à incompetência de nossas equipes.

    Além disso, se hoje ela é melhor organizada e sem maracutaias ou absurdos policiais, porque não estamos ganhando? Olha o q o Boca fez, humilhando equipes brasileiras sem dó nos últimos anos…

  7. fernando, boa tarde!!! recentemente levei meu filho p/ conhecer a vila belmiro e fomos até a sala de troféus. olhando inumeras fotos de grandes esquadrões da américa do sul,( penãrol, boca, independiente, o próprio santos de pelé e cia. etc…) e mesmo da europa como ajax, inter de milão, juventus de turim e tantos outros, chego a seguinte conclusão a fifa ñ ta preocupada c/ espetaculo, c/ emoções adrenalina q envolve o futebol… ela preocupa-se unica e exclusivamente c/ seus interesses economicos, ah !! como seria fantastico, maravilhoso. o campeão da champions e o da libertadores lá e cá seria bom demais… mas como ñ da!!! paciencia!!! quanto a esta final, eu tinha apenas 3 anos mas me lembro q meus tios contam q foi os melhores jogos q ja assistiram, segundo eles o cruzeiro perdeu o titulo na alemanha jogou meio apatico, respeitou mto o bayer, qdo chegou aqui eles se fecharam e deu no q deu…bom isso eles me contaram..rss…..fernando um ótimo 2010 pra vc e sua familia td de bom…abraços!!!

  8. Como o ouço e como ouço sempre as jornadas esportivas da Jovem Pan (AM 610), gostaria de complementar a sua informação.
    O primeiro jogo foi em 23.11.76, no Estádio Olímpico de Munique, diante de 22.515 pessoas. O árbitro fora o argentino Luiz Pestarino.
    O Bayern jogou com: Sepp Maier, Björn Andersson; Franz Beckenbauer; Hans-Georg Schwarzenbeck e Udo Horsmann – Bernd Dürnberger; Karl-Heinz Rummenigge; Conny Torstensson e Uli Hoenes – Gerd Müller e Jupp Kapellmann. O treinador era Dettmar Cramer. Os gols foram de G. Muller aos 35′ e Kapellmann aos 37′ (todos no 2º. tempo).
    O Cruzeiro, de Zezé Moreira, perdera com: Raul; Nelinho; Moraes; Ozires e Vanderley – Piazza; Zé Carlos; Eduardo e Palhinha – Jairzinho e Joãozinho (Dirceu Lopes).
    O segundo jogo fora realizado no Mineirão, diante de 123.715 pagantes, com um empate de 0 a 0, no dia 21.12.976. A arbitragem fora do inglês Patrick Partridge.
    O Bayern jogara com: 1 - Sepp Maier; 2 - Björn Andersson; 5 - Franz Beckenbauer; 4 - Hans-Georg Schwarzenbeck e 3 - Udo Horsmann – 6 - Bernd Dürnberger; 7 - Karl-Heinz Rummenigge (Alfred Arbinger); 8 - Conny Torstensson e 10 - Uli Hoenes – 9 - Gerd Müller e 11 - Jupp Kapellmann.
    O Cruzeiro formara com: 1 - Raul; 2 - Nelinho; 3 - Moraes; 5 - Ozires e 7 - Vanderley; 4 - Piazza (Eduardo); 6 - Zé Carlos; 8 - Dirceu Lopes (Forlan) e 9 - Palhinha; 10 - Jairzinho e 11 - Joãozinho.
    Pobre Cruzeiro de hoje, se comparado ao de outrora… Dá pena e muita saudade!!!

  9. Certa vez li um depoimento de um dos jogadores do Bayern, não lembro qual, mas creio que foi Müller.
    Ele afirmou que todo o time jogou dopado na segunda partida. Pena que não havia exame anti-doping naqueles tempos!
    Quanto ao desinteresse por parte dos times brasileiros, uma coisa é certa: o certame era muito mais violento que hoje, com todas as partidas televisadas e revisadas. Em 1983 o Grêmio deixou escapar uma vitória de 3×0 no primeiro tempo contra o Estudiantes em La Plata, mesmo tendo três jogadores a mais. O motivo: na ida para o vestiário no intervalo, alguns jogadores foram agredidos (o centroavante Caio não voltou), e os juízes estavam sob ameaça de morte, caso o Estudiantes perdesse. Ficou meio que acertado em deixar um time com 8 jogadores empatar o jogo, para que os jogadores do Grêmio e a arbitragem pudessem sair com vida do estádio.

  10. Parabéns por me fazer lembrar de um momento memorável do meu Cruzeiro. Perdemos o titulo para um time que realmente era excepcional e que talvez seja o melhor time do Bayern de todos os tempos.
    Aquele formato de disputa (jogos de ida e volta) era mais justo e premiava as torcidas que tinham o privilégio de acompanhar jogos de alto nível em seus estádios. Hoje somente poucos privilegiados tem este direito.
    Todos aqueles que ganharam titulos mundiais, em formatos diferentes, não podem ser diminuidos pois é muito dificil chegar lá. O Cruzeiro disputou duas vezes e infelizmene perdeu. Só os grandes disputam o que exclui muito time que se julga de alto nível por ai (pode até ser grande (ou médio) no Brasil mas em nivel mundial não existem).
    A exceção que faço é o torneiro de 2000 onde o campeão mundial não era campeão da Libertadores o que é uma aberração. Participar como convidado não dá…
    Em 2010 estaremos novamente na disputa. Não para participar como tantos outros.
    Feliz 2010 para todos!

  11. Muito interessante a reportagem. Eu sou Cruzeirense e não sabia que O Grande Dirceu Lopes não tinha jogado na Neve (vai ver Ele não tinha esqui). Não é desculpa, mas este time do Zeirão era praticamente imbatível, foi uma pena ter perdido este título, seria maravilhosao esta conquista. Mas, iremos em busca dele em 2010 novamente, pois em 2009 foi por pouco. a derrota contra o Catimbado Estudiantes está quase cicatrizando, só precisamos ganhar a libertadores e o Mundial para a ferida cicatrizar completamente.
    Mais uma vez parabéns pela matéria

  12. Apesar de nao ser da época imagino como BH ficou para este jogo. Sobre a discussão ai, acho q a copa disputada em jogo único tão importante quanto o mundial de agora e da década de 60/70. Somente o mundial de 2000 teve um formato esquisito, com dois times do mesmo pais na final o que gera dúvidas sobre o valor do mesmo.

  13. Eu fui no Mineirao naquele Cruzeiro e Bayern! Esqueceram de mencionar Rumenigue, Paul Breitner pelo Bayern e Nelinho e Raul pelo Cruzeiro! Estava com 16 anos e sem ingresso para ver o jogo. Fiquei na geral e pude ver de perto os jogadores do Bayern que nao conheciam rojao e um deles assutou bastante o artiheiro Muller! Sepp Meyer parecia ter duas maos em cada lado, nao passava nada, bola na trave do Jairzinho! Um jogo retrancado do Bayern. No Youtube voces podem assistir partes do jogo na Alemanha! Jogar na neve nao e facil! Moro nos EUA e sei como e dificil! Um abraco a todos os Cruzeirenses do Palneta Terra (Azul e claro)!!!

  14. Que bom ver uma matéria nacional falando do Cruzeiro. Um time com tantas conquistas, com grandes jogadores ao longo da história, mas que a imprensa bairrista de SP e RJ não reconhece. Parabéns pela reportagem.
    Cruzeiro, os guerreiros do gramado!

  15. A verdade é que depois do Santos de Péle, só mesmo o Flamengo de Zico para conseguir quebrar o jejum de quase 20 anos sem um time brasileiro conseguir levantar o mundial. Apesar de vários clubes terem tentado e terem ficado pelo caminho na Libertadores, seja nas finais, seja mais precocemente, só mesmo aquele time dos sonhos, que ganhou três brasileiros em quatro anos, poderia conseguir a façanha de ganhar a Libertadores e o Mundial em cima do maior time europeu da década de 80 e até hoje um dos gigantes da Europa, o Liverpool.

    Abs campeões.
    Felipe.

  16. 117 MIL PESSOAS NO MINEIRÃO ( CALOR HUMANO ) UMA DAS MAIORES FESTAS QUE O MINEIRÃO JÁ VIU,REVERENCIANDO UM GRANDE TIME . MAIOR TIME BRASILEIRO DO SÉCULO XXI segundo o site da FIFA. CRUZEIRO,CRUZEIRO QUERIDO,TÃO COMBATIDO JAMAIS VENCIDO .

  17. Fico impresionado com gente que ainda tem a intenção de valorizar a Copa Intercontinental até 1979. A partir de 1980, quando passou a ser disputada em Tóquio, ela NÃO deixou de ser em momento nenhum Copa Intercontinental. O fato é que, pssando a ter o patrocínio da Toyota, quem vencesse esse jogo único era campeão Intercontinental e campeão da Copa Toyota. Qualquer um pode pesquisar essas conquistas e vai notar que sempre foram entregues 2 trofeus. Um deles, o MESMÍSSIMO dos anos 60 e 70. O que é isso, manipular as pessoas ao erro?

  18. Chorei. Sim chorei ao ler o depoimento do Luis de Morais Jr. Eu estava no Mineirão no jogo Cruzeiro e Bayern. Foi emocionante. Foi lindo. Foi maravilhoso apesar de não havermos vencido o time alemão. Mas a minha paixão pelo Cruzeiro me fez chorar diversas vezes dentro do Mineirão. Já chorei de alegria muito mais que tristeza. É uma pena que a mídia tem esta visão estreita para os times do Rio de São Paulo. O Cruzeiro, melhor time do Brasil no século XX, segundo pesquisa de órgão oficial ligado a FIFA é um time/clube dígno das maiores glórias deste país do futebol. Obrigado a este blog e ao Luís de Morais por me fazerem chorar neste final de ano. Obrigado pela lembrança tão bonita.

  19. Fernando, corroboro plenamente com alguns opinantes em referendar que realmente, por incrível que pareça, os times brasileiros não valorizavam a Libertadores. Tenho 38 anos, mas me lembro de tudo, pois sou fanático por esporte, e a certa época vi o Grêmio optar por time titular na Copa do Brasil e alijar a Libertadores, e meu Flemengo também teve esse comportamento. Aliás, fruto dos destemperos administrativos que aqueles dirigentes tinham com relação a esse absurdo de não quererem participar condignamente a Libertadores, naquela época. Outra fato Fernando de suma importância, é de que a participação dos times mexicanos vem enriquecendo e muito toda a disputa interamericana. Vamos ser honestos, esses mexicanos têm incomodado e muito dentro de campo, tem modernizado seus times, pagando ótimos salários e implementando boas administrações, que tem reflexos diretos e várias eliminações de times grandes, pelos hermanos mexicanos….

  20. O meu pai tambem foi no segundo jogo, no mineirao,
    Ele sempre me disse do orgulho de ter visto ao vivo, no mineirao, 5 jogadores em especial:
    Tostao, Pele ,Dirceu Lopes, Ademir da Guia e Franz Beckenbauer ….
    E hoje eu tenho que me contentar com Wellington Paulista e cia…

    Grande texto Fernando, Abracos…

  21. Por favor não me venham aqui justificar a derrota devido ao primeiro jogo ser disputado no frio ( neve ). No segundo jogo a temperatura em Belo Horizonte marcava o que, também frio ? Qual é a temperatura média de Belo Horizonte ? Os alemães estavam quase que derretendo fora do inverno europeu. O fato foi um só: ” O Bayern era simplesmente UM TIMAÇO “.

  22. Ví o segundo jogo, no Mineirão, e foi um dos melhores jogos que já assisti. O Bayern não era apenas a base de uma seleção alemã, mas da melhor seleção alemã de todos os tempos. Na dúvida, era o fantástico Sepp Mayer, Muller, e o Kaiser Beckenbauer. Jogadores excepcionais em qualquer época. Infelizmente um jogo muito pouco comentado, talvez por não ter sido visto por muitos de fora de MG.
    Jogar em situações novas e dificeis, como neve e altitude, é sempre um fator que beneficia o mandante. Não reconhecer isto é apenas nunca ter passado por esta situação (de um esforço físico significativo nestas situações.), ou seja, opinar sobre o que nãos e tem a menor idéia ou competência.
    Vamos pra próxima Libertadores.

  23. Para o Mauricio Tavares: Naquele link da FIFA que o ‘torcedor’ colocou:

    “Na Copa Toyota, torneio que precedeu o atual certame, o Liverpool tinha morrido na praia em 1981 e 1984, enquanto o São Paulo conquistara o título em 1992 e 1993. Naquela época, o embate se dava em jogo único entre os campeões da Europa e da América do Sul. A motivação são-paulina pela busca do tricampeonato ainda tinha um sabor especial, já que o arquirival Corinthians havia vencido o CAMPEONATO MUNDIAL DE CLUBES DA FIFA BRASIL 2000″.

    Se competições diferentes, com nomes diferentes, mais os mesmos times, valessem o MESMO TITULO, o Palmeiras era Octa-campeão Brasileiro, e o Flamengo BI da Liberdadores… eles proprios morrem pela BOca, no caso pela escrita.

  24. Fernando,
    Entre as explicações dadas para a falta de títulos brasileiros na Libertadores nesse período estão a falta de transmissão pela televisão e o fato dos exames antidoping não serem realizados.
    Se hoje com televisão e o mundo todo de olho já é difícil para um árbitro resisitir à pressão, imagina como era em 1976…

  25. Opa perdão, me esqueci de agradecer a você Fernando pela lembrança deste jogo, aliás, mais do que uma lembrança, um reconhecimento da história do meu amado clube. Meu pai me conta que ouviu estes dois jogos em um rádio velho (daqueles caixotes), de pé na “taipa” do fogão a lenha, usando um lenço azul e branco da minha avó pendurado em um pedaço de bambu como se fosse uma bandeira do Cruzeiro.

    Ele diz que sua maior tristeza não foi a derrota, mas sim minha avó não deixá-lo ter ido ao Mineirão ver o segundo, já que ele era muito jovem. Aliás um abraço ao meu querido pai que me ensinou a amar tanto o futebol e principalmente ao Cruzeiro Esporte Clube.

    Fiquei emocionado agora.

    Luis de Moraes,
    Que maravilha.
    Aprendi a gostar do Cruzeiro quando vi este esquadrão do Dirceu Lopes.
    Eu tinha 16 anos, apaixonado por futebol. Dá para imaginar.
    abs

  26. Independente dos times brasileiros darem ou não importância a Libertadores durante o período citado, o Cruzeiro, bem como o Santos, ganhou o título nesta época, e nós Cruzeirenses nos orgulhamos muito disso, desde que comecei a torcer para o Cruzeiro (aos 7 anos de idade em 1991), que meu pai fala como se fosse a coisa mais importante da terra este título, e quando o Cruzeiro ganhou o bi em 97, eu achei que ia morrer de emoção, e até hoje me dói muito a perda do título deste ano foi minha maior dor em 18 anos de paixão azul celeste. Libertadores é o segundo maior campeonato que um time sul-americano pode disputar e principalmente ganhar (acima só o mundial), e isto em qualquer época.
    Quanto ao Mundial, esta fórmula antiga é sem dúvida a mais atraente, mas não podemos adivinhar quem teria sido campeão, é impossível, portanto não dá pra afirmar que o São Paulo não teria ganho do Milan, Liverpool e Barcelona, ou o Inter do Barça, por exemplo, mas também São Paulinos e Colorados (pra ficar nos mais recentes), não dá pra afirmar que teriam. O importante é que acima de qualquer suspeita (ao contrário de um conhecido clube brasileiro), vocês são campeões mundiais.

  27. Bom não era lenda, os times brasileiros não davam importância para a libertadores bem como para a copa américa, tanto que essa chegou a ser representado por clubes ou combinado. Quando passamos a dar valor nas duas competiçõs conseguimos mais títulos.

  28. Uma pena os mundiais de clubes não serem disputados como foi este Cruzeiro e Bayern, estas sim eram as verdadeiras disputas entre os melhores, não este torneio fajuto, que visa apenas arrecadação que vem sendo realizado.

  29. Com Moraes e Ozires na zaga, o Cruzeiro tinha é que perder mesmo. No primeiro jogo, na Alemanha, o Ozires deu aquela pixotada (quase que saiu do estádio com aquele carrinho na neve), e o Bayern fez um dos gols.
    Já no Mineirão, o goleiro do Bayern (Sepp Mayer) só na fez chover: pegou tudo e mais alguma coisa. O Bayern jogou claramente para empatar.
    Anos memoráveis do nosso Cruzeiro.
    A ÚLTIMA LIBERTADORES. O Cruzeiro tinha tudo para levar o título, mas quem estava no Mineirão? Ele, o pé-frio, JOSÉ ALAGÃO SERRA. Com esse urucubaquento torcendo, time nenhum ganha título.

    • você estava maluco na época os gols foram de todo o time jogando no gelo você queria o que a zaga do cruzeiro na época era a melhor do brasil, você se lembra do saudoso joão saldanha, eu recebi na época a maior nota do jogo todos a baixo de sete eu recebi nota 8.

  30. Fernando, mudando um pouco de assunto, lamentável a postura do São Paulo nas tentavias de contratação do Guinhazu e do Fernandão. Aliciar os jogadores ignorando o clube com os quais eles tem contrato para que forcem a transferência sem pagamento da multa é uma sujeira sem tamanho, não? Qual sua opinião a respeito? O tema ‘modo São Paulo de passar a perna no próximo’ não valeria uma explanação sua? Por quê na imprensa especializada ninguém se manifesta contra ou a favor do comportamento do clube nestes dois casos? É medo?

  31. Não dá pra cravar nem que sim e nem que não, sobre o SP… com certeza, eu posso afirmar, que em 2005 fossem dois jogos, o SP perderia o segundo… contra o Milan, talvez … contra o Barça, eu penso que em 100 jogos o SP venceria 60…

    Mas o Cruzeiro foi vítima da neve, sim

    Quando o Santos jogou com Milan e Benfica, era em Outubro, bem menos frio do que em Dezembro…

  32. Eu estava no Mineirão, no jogo da volta. Estádio lotado, mal dava para se sentar. Dois grandes times, um grande espetáculo. Mesmo com o empate (e a consequente perda do título), o Cruzeiro foi ovacionado no final do jogo por uma torcida apaixonada e agradecida pelo esforço e técnica da equipe. Eu (e quem mais estava no estádio…) não esqueço.

    Caro Rubens,

    Que maravilha. Agora fiquei com dor de cotovelo. rsrsrs
    Deve ter sido maravilhoso. Eu amava Bayern, Ajax e Cruzeiro.

    Vi o jogo da Alemanha pela TV. Que times maravilhosos.

    Parabéns e Feliz 2010,

    FS

  33. É impressionante como tem gente com dor de cotovelo e inveja dos titulos do Sao Paulo. Pena. Podem ficar sonhando.
    Quanto ao jogo do Cruzeiro, eu me lembro de estar voltando da escola e escutando no radinho. Realmente a neve e o frio fizeram a diferença, apesar de o Bayern ter um tremendo time.

  34. Sensacional esse formato de um jogo la outro aqui
    no Brasil com certeza era o Criterio mais justo .Vinicius
    no jogo entre São paulo e Milan . o são paulo foi para cima
    jogou de igual para igual e mereceu ganhar aquele time do
    são paulo ganharia la na Italia na suiça no Iraque . não tinha
    jeito rs..

    abs.

  35. Posso estar errado, mas eu acho que antigamente a Libertadores, não era mais difícil do que é hoje, eram menos jogos, apesar de serem contra times mais fortes acho uma grande dificuldade vinha em se classificar para a Libertadores só iam dois times por país.

    Quanto ao Cruzeiro, foi uma pena, o primeiro jogo, a neve, era uma situação de campo que os atletas cruzeirenses não conheciam, além disso o Bayern era “só” a base da seleção campeã mundial de 74.

    Talvez, se fosse em jogos de ida e volta, o São Paulo também teria sucumbido frente ao Milan de 93, que era base da seleção italiana que viria a ser vice-campeã mundial na Copa de 94.

    Sds.

  36. Caro Fernando,

    Vale lembrar que até o final dos anos 80, a Libertadores era marcada pelos jogos violentos. Principalmente por uruguaios e argentinos. Talvez aí, estivesse a explicação para a supremacia desses dois países na competição. Nàquela época os jogos não eram tão “vigiados” pelas câmeras de TV como hoje. E isso influenciava muito na hora do brucutu parar o craque na porrada.

    Abs.

    George,
    Ééé, mas futebol era violento mesmo.
    Foi proibido na Europa durante anos e anos.
    Tinha q ser macho mesmo. Fazia parte do jogo.
    abs

    • claro que eu me lembro eu assisti tudo de perto não teve nenhum tipo de armação foi tudo real, mais também com aquele chute vocês queria o que.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


*

 caracteres no máximo

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>