Mitos e Fatos JP
  • Patrocínio:

  • Apoio:

  • Realização:

Segurança e privacidade


O mundo digital transformou profundamente a sociedade e trouxe benefícios incontáveis aos governos, empresas e população, a exemplo do compartilhamento global de informações em tempo real. As enormes teias da internet, no entanto, abriram as portas para mentes mal intencionadas em busca de vantagens financeiras. Se não controlado, o cibercrime custará US$ 6 trilhões por ano ao mundo até 2021, o dobro em relação a 2015, segundo o Cybersecurity Ventures.

A boa notícia é que o mundo conta hoje com um robusto exército de combate aos invasores. Ele é composto por pesos-pesados que desenvolvem ferramentas de detecção e prevenção de ataques, consultorias que mapeiam as vulnerabilidades das empresas e também os chamados “hackers do bem”.

Outra ameaça que também avança com força pelo mundo é a chamada “Fake News”, que propaga informações falsas pelas redes sociais, em prol, por exemplo, de um ou outro partido ou candidato, especialmente em anos de  importantes decisões políticas. Por meio de robôs, boatos são propagados de forma tão agressiva que podem decidir uma eleição.

Painel 1

A reinvenção da Segurança Pública. Como a tecnologia pode ajudar a reverter essa crise?

Câmeras IP, sistemas de monitoramento, cruzamento de dados, big data e inteligência artificial são armas usadas pelos governos para tentar barrar a criminalidade do país. De assaltos a roubo de cargas. Quais tecnologias se destacam nos bastidores e quais serão as próximas apostas?

Painel 2

Internet das Coisas - o perigo oculto por trás das Smart TVs, babás eletrônicas, tablets, carros conectados e outros dispositivos inimagináveis

A crescente interconectividade da Internet das Coisas (IoT, de Internet of Things) gera novas possibilidades para inovação e conexão direta entre empresa e consumidor. Mas, ao mesmo tempo, abre inúmeras brechas para hackers invadirem residências e empresas conectadas. À distância, eles conseguem acionar as câmeras e microfones de  notebooks, tablets e televisores, passando a monitorar imagens e áudios privados. Um dos alvos dos bandidos é o roubo de dados de cartão de crédito, utilizado hoje por 52 milhões de brasileiros que, em 2017, realizaram R$ 1,36 trilhão em compras com eles. Em franco crescimento, virou o alvo preferido dos golpistas que, mesmo com o  desaparecimento da clonagem do cartão dado o uso do chip, buscam novas brechas para cometer fraudes.

Painel 3

Dado é o novo petróleo! O roubo de informações transformou-se em uma das maiores dores de cabeça do século 21

O roubo de dados avança por todo mundo e afeta gigantes e todos os seus usuários. A engenharia social ganha força. O caso do Facebook expõe o lado mais frágil do cidadão e o comércio digital ilegal de informações pessoais. Como o Facebook e outras gigantes garantem manter nossa privacidade após esse escândalo de vazamento de dados que  colocou o Facebook na mira do governo americano e também britânico e fez a empresa perder US$ 50 bilhões em valor de mercado? E o Brasil, em clima de eleições 2018, também encara a questão da segurança das urnas eletrônicas e biometria. Em abril, entra em vigor também na Comunidade Europeia a regulação GDPR (General Data Protection Regulation).

Painel 4

Fake News - como combater a bola de neve das notícias falsas

Fake news foi eleita a palavra de 2017 pelo dicionário britânico Collins e ganhou força com a eleição de Donald Trump e a suspeita do envolvimento de hackers russos na vitória. Ela é propagada pelas redes sociais e, geralmente, está relacionada à confusão do cidadão em identificar o que é apuração jornalística séria e opinião pessoal de terceiros que se usam de sites sem credibilidade para dar voz a uma causa muitas vezes camuflada.