Navegação de Posts

A confiança “barcelônica” do Corinthians

Eu até brinquei no fim do jogo de ontem com essa frase (confiança barcelônica) enquanto entrevistava alguns jogdores do Corinthians após a vitória sobre a Portuguesa de
Desportos, 2 x 0, no Pacaembu.

O Corinthians hoje é um time muito confiante. Não se assusta com a pressão do adversário e continua esperando a hora de dar o bote fatal.

O time é bem montado pelo técnico Tite e cada um sabe a sua missão e campo.

Tem um bom elenco à disposição e isto vai fazer muita diferença na temporada.

Só alguma grave indisciplina de Adriano ou alguma “loucura” de outro jogador é que pode colocar tudo a perder.

Por enquanto o elenco está nas mãos do Tite que tem toda a retaguarda da diretoria.

A missão agora é tentar passar toda essa convicção de jogo, essa confiança “barcelônica” para a Libertadores da América.

Ainda nesta competição, o Corinthians parece que definha psicologicamente.

Teve a sorte de começar empatando, ou pelo menos não perdendo para o Deportivo Táchira, que já mostrou a sua fragilidade ao levar 4 do Cruz Azul, no México.

Se Tite conseguir botar na cabeça dos jogadores que independente de competição, o Corinthians tem elenco para ganhar em qualquer campo será um time realmente muito forte.

Tite não gosta de misturar Paulista e Libertadores. Diz que trabalha jogo a jogo.

É uma declaração correta, mas duvido que seja isso que esteja na sua cabeça.

No concerto nacional ele já provou que o Corinthians um time que sabe a força que tem, falta passar isso para uma competição internacional.

Por isso que fiz uma analolgia, guardada as devidas proporções e distância de continente, entre a frieza do Corinthians e a confiança do Barcelona de Guardiola.

Como bem disse o goleiro Júlio César, muito compenetrado e ciente do poderio do seu time, não dá para comparar.

São times diferentes e competições diferentes, mas a situação pode ser levada em consideração.

Quando uma equipe está muito confiante é mais difícil de ser batida. O Corinthians tem sido assim na maioria dos seus jogos.

Liedson continua sem marcar. Já há 7 partidas, mas tem jogado bem e para o time.

O gol voltará a sair mais dias, menos dias. É só ter calma. É a vida do artilheiro.

A Portuguesa reclama um pênalti que teria sido feito por Ralf, um toque de mão na bola, que para mim não foi.

Aconteceu na minha frente e Ralf vira o rosto para a bola não bater contra a face e não faz nenhuma menção de botar a mão na bola. Foi bola na mão e o árbitro acertou.

Mas a bandeira 2, a Maiza, errou ao não invalidar o lance do segundo gol corintiano.

Willian recebeu em impedimento e cruzou para Liedson chutar para Weverton fazer ótima defesa, mas no rebote Ramirez chutou paras as redes vazias.

Isso não invalida a vitória corintiana. O Corinthians foi melhor no primeiro tempo e a Portuguesa teve a bola no segundo, mas não sabia o que fazer com ela.

Não levou nenhum grande perigo a meta de Júlio César. Nem mesmo com as mudanças que Jorginho fez.

Se a Portuguesa não reforçar o seu time cai para a segunda divisão do Brasileiro novamente.

Para jogar o Paulista ainda dá, mas Brasileiro não aguenta, não. O time é fraco demais.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
  • Luiz

    Muito bem comentado…….é só o Santos ganhar o clássico que vem realidade