Pular para o conteúdo

Vagner Love + um 9: saiba como parceria com Jô deu certo no CSKA

Vagner Love + um 9: saiba como parceria com Jô deu certo no CSKA

No início de fevereiro, escrevi um texto aqui no blog falando sobre a dificuldade que Carille poderia ter para encaixar o Vagner Love na equipe. Não pela qualidade do atacante, mas sim pela vontade do treinador em utilizá-lo ao lado de outro centroavante.

De fato, esse encaixe tem sido um problema. Carille já testou Love aberto pela direita, pela esquerda e atrás do camisa 9. Por enquanto, nenhuma das alternativas se mostrou eficaz. Tanto que, nos últimos jogos, o atacante vem recebendo chances como centroavante.

Mas há pouco mais de uma década a fórmula Vagner Love + um 9 deu muito certo no CSKA Moscou. E o parceiro do artilheiro do amor era Jô, figura bem conhecida da torcida do Corinthians.

Em entrevista exclusiva à reportagem da Jovem Pan, o atacante Jô relembrou a parceria com Love. Juntos, a dupla conquistou cinco títulos no CSKA: um Campeonato Russo, duas Copas da Rússia e duas Supercopas da Rússia.

“Na época a gente jogava no 3-5-2, então nós dois atuávamos como atacante, e o Daniel Carvalho como meia. Isso facilitava, porque a gente se movimentava e tinha liberdade. Ele às vezes fazia a do centroavante, às vezes eu fazia, a gente tinha a liberdade de cair pelos lados. E também todo mundo era novo, né? (Risos) A gente tinha muita perna para correr, muita alegria nas pernas. Foram três anos maravilhosos, onde a gente teve sucesso, ganhou muitos títulos, foi muito bom. O Vagner Love é um cara sensacional, um cara muito inteligente, batalhador, corre, briga o tempo todo. Eu tenho visto nos jogos do Corinthians o quanto ele está se dedicando. Já tem a identificação com a camisa do Corinthians. É um dos caras que eu torço bastante”, conta Jô.

Desde que saiu para o Japão, após o título e a artilharia do Brasileirão de 2017, o Corinthians tem enfrentado dificuldades para achar um substituto à altura. Já foram testados nomes como Jonathas, Roger, Boselli, Love e Gustagol, mas, por enquanto, nenhum conseguiu se firmar 100%. Mas por que será que isso acontece?

“É difícil falar. Você citou alguns nomes, eu acredito que são jogadores que têm sua história, têm suas características, mas ainda não se acertaram, não tiveram uma sequência. Mas sempre acredito na persistência. Eu, por exemplo, cheguei em 2017 um pouco desacreditado, um pouco fora de forma, mas persisti. Alguns jogos meus não foram bons no começo, então simplesmente coloquei a cabeça no lugar e falei que tinha que continuar treinando. Acredito que esses jogadores que estão aí no Corinthians hoje ainda vão crescer muito porque são jogadores de excelente capacidade. O Love eu conheço muito bem, joguei com ele três anos no CSKA; Boselli a gente já viu no México a quantidade de gols que fez; Gustagol também tem provado, infelizmente a contusão deu uma parada nele. Mas são jogadores que, pode ter certeza, darão frutos ao Corinthians. É difícil substituir um atacante que saiu artilheiro e melhor jogador do campeonato, mas acredito que a torcida está tendo paciência e acreditando neles”, opina Jô.

A entrevista completa com Jô vai ao ar nesse domingo no programa Seleção Jovem Pan.

Leia também outro trecho desse bate-papo: Bem no Japão, Jô mantém contato com Carille, mas pede paciência à Fiel: ‘É cedo pra pensar em voltar’


Me siga no Twitter: @ranieri_andre

Me siga no Instagram: @ranieri_andre

Escute minhas matérias no SoundCloud clicando AQUI ou no CastBox clicando AQUI

Leia Também: Do Bragantino ao Corinthians: técnico revela como ajudou a ‘moldar’ campeões mundiais de 2012