Pular para o conteúdo

No exterior, racismo ou homofobia no ‘Big Brother’ resultam em expulsão

Reprodução
No exterior, racismo ou homofobia no ‘Big Brother’ resultam em expulsão
Rodrigo Alves, o Ken Humano, foi expulso do Big Brother inglês por usar palavras racistas

No último domingo (10), a Globo parece ter decidido ouvir as redes sociais e começar a exibir declarações consideradas racistas pelos participantes do “BBB 19”. Em alguns dos trechos, Paula, que é loira de olhos verdes, afirmou ser negra por ter uma vó negra. Já Maycon disse ter sido alvo de “macumba” de Rodrigo e Gabriela, que são negros. Estas não foram as primeiras declarações que despertaram controvérsia nas redes sociais. Paula já usou expressões como “cabelo ruim”, contou ter ficado surpresa que um assassino era branco e bonito. Diego especulou sobre a sexualidade de Rodrigo e disse não gostar de “gay escandaloso”.

Não são poucos os protestos na internet questionando a postura da Globo, que tirou da edição boa parte destas declarações. Muitos questionam se houve leniência com preconceito.

Nas versões do reality show no exterior, frases consideradas racistas ou homofóbicas são passíveis de punição. No último “Big Brother” de celebridades da Inglaterra, Rodrigo Alves, o Ken Humano, foi advertido pela produção por ter usado uma palavra extremamente ofensiva aos negros. O aviso era claro: se o caso se repetisse, haveria expulsão. E houve. O modelo acabou retirado do programa. No “Gran Fratello”, da Itália, um participante chamado Baye gritou com a participante Aida e usou de ofensas machistas. A cena foi considerada tão ofensiva que o concorrente foi expulso horas depois.

As poucas vezes que a direção do programa interferiu com avisos ao público e aos participantes ocorreram por causa de casos de assédio que resultaram em expulsão (caso de Daniel Echaniz, no “BBB 13”, e Marcos Harter, no “BBB 17”) ou a pedido do Ministério da Saúde, quando Marcelo Dourado afirmou de modo grotesco e errado que heterossexuais não se contaminavam com o vírus HIV.

A questão é: por que em alguns países o racismo, o machismo e a homofobia são encarados como sérias ofensas e crimes de ódio e no “Big Brother Brasil” tudo passa batido?