Pular para o conteúdo

VAR, amado por uns e odiado por outros

VAR, amado por uns e odiado por outros

Falando de um modo geral, poderíamos só discutir gols e os lances decisivos do fim de semana, mas um personagem se tornou vilão para alguns e herói para outros. O VAR. Nos estádios do Brasil ele teve o nome gritado e foi comemorado como se fosse um gol. No Rio e nas semifinais do Paulista e do Mineiro principalmente.

São Paulo e Palmeiras ficaram no 0 a 0 no Morumbi. Atlético-MG e Boa Esporte também empataram sem gols, mas nos dois casos o árbitro de vídeo foi decisivo para o placar. No primeiro tempo do clássico paulista, Vinicius Furlan, juiz, marcou um pênalti para o Palmeiras por empurrão de Reinaldo em Dudu, mas voltou atrás, alertado pelo VAR. Em Minas, o VAR determinou a expulsão de Zé Welison e dois gols do Galo foram anulados por impedimento.

No Morumbi, instantes de apreensão no lance envolvendo Reinaldo e Dudu. Eu, particularmente, marcaria o penalti. Depois, vendo quatrocentas vezes, percebi que Reinaldo não usa força pra derrubar Dudu. O atacante foi “malandro”, percebendo o braço nas costas, caiu na área. O atacante, o técnico Felipão e o diretor de futebol Alexandre Mattos usam o argumento de que o lance era interpretativo, então o VAR não deveria ter feito a intervenção.

A FPF distribuiu um panfleto sobre o uso do VAR, como e quando deve ser usado. Não traz nada sobre o tema nessas situações de interpretação. Veja abaixo esse material:

Em Minas, o vice-presidente do Atlético-MG, Lásaro Cândido Cunha, criticou o uso do equipamento pela “falta de transparência”. No Rio também também foi corriqueiro o árbitro parado, jogadores em volta, técnico pressionando e a torcida esperando para comemorar ou xingar.

Fato é que ainda temos que nos acostumar por aqui com o VAR. Até ex- árbitros, hoje comentaristas, tiveram opiniões divergentes sobre o tema. O objetivo é evitar que alguns resultados sejam alterados por erros claros da arbitragem. Claro que ele veio pra ajudar. Sou favorável à tecnologia ajudando os árbitros, evitando que gols ilegais sejam confirmados, gols legais sejam anulados por impedimentos inexistentes e atletas expulsos equivocadamente (todos se lembram de Gabriel no clássico de Itaquera). Eu estava nesse jogo e aquilo foi vergonhoso!!!

O que não pode é o VAR ser o salva vidas dos árbitros e nem fazer com que eles percam a autoridade. Mas que a polêmica não vai acabar no futebol. A discussão pós rodada continua. O fim de semana foi um exemplo disso. Viva o futebol. E vem mais por aí.

Pessoal, meu twitter é @spimpolo e o Instagram @marcio.spimpolo . Comentem por aqui e mandem mensagens por lá. Abraços.

Spimpolo