Pular para o conteúdo

Richarlison ganha espaço

Richarlison foi o jogador que melhor aproveitou os amistosos da seleção depois da Copa do Mundo.

O atacante do Everton não estava na lista inicial para os amistosos nos Estados Unidos, entrou com a contusão de Pedro do Fluminense. Substituiu Firmino durante o amistoso contra os americanos e foi titular como centroavante diante de El Salvador, fez 2 gols e sofreu um pênalti.

Na segunda convocação se destacou entrando na ponta direita durante o jogo contra a Argentina e repetiu a dose na semana passada contra o Uruguai.

Depois da Copa, Arthur e Firmino ganharam as vagas de Paulinho e Gabriel Jesus, são mudanças que alteram completamente a característica da seleção. Saíram dois jogadores agudos que invadem a área e entraram dois articuladores. Um exemplo claro da mudança no ataque é que Gabriel Jesus gosta de receber bolas em profundidade, enquanto Firmino sai da área para abrir espaços, casa muito bem com os rápidos companheiros de Liverpool, Mané e Salah.

A missão de Tite é transformar posse de bola em finalizações e agressividade e Richarlison pode ser uma das chaves. Mesmo se jogar pela direita, enquanto Douglas Costa e William procuram o fundo, Richarlison procura a área e o Brasil precisa desta presença de área.

Contra Camarões, Tite testou Arthur como primeiro homem de meio, teste super válido, mas não gostei do que vi na prática. Arthur é um jogador de toque curto e articulação, não tem o primeiro passe mais vertical para sair da primeira linha de marcação do adversário. O jogador do Barcelona deve continuar mais na frente. Na primeira função, Casemiro é titular absoluto, mas ainda falta um jogador para a reserva do volante do Real Madrid.