Pular para o conteúdo

O que fazer com o Mundial de Clubes?

Foi mais um passeio do campeão europeu no Mundial de Clubes. O Real Madrid, mesmo sem estar no seu melhor momento, não teve nenhum trabalho para derrotar Kashima Antlers e Al Ain e levou mais um título para a Espanha.

Fica cada vez mais claro que a diferença entre os principais times da Europa e o resto do mundo é absurda. Pela história e tradição, o campeão da Libertadores é apontado como o time que pode rivalizar com o vencedor da Champions League, mas isso é algo cada vez mais distante. O jogo mais real para o representante da América do Sul é a semifinal, hoje o futebol sul-americano de clubes é muito mais próximo da Ásia e da África do que da Europa e isso é uma realidade clara e evidente.

Nas últimas nove edições da competição, o campeão da Libertadores passou cinco vezes pela semifinal e caiu em quatro oportunidades para Mazembe, Raja Casablanca, Kashima e Al Ain. Mesmo nas vitórias, os jogos são disputados, ao contrário da final que normalmente é um treino de luxo para o representante da Europa.

A FIFA tenta aprovar um novo formato com 24 clubes, de quatro em quatro anos e com 12 europeus. Neste formato, existiria a disputa pelo título, mas só entre os europeus, viraria uma pequena Chanpions League, a disparidade ficaria ainda mais evidente.

As circunstâncias mudam com o tempo e temos que nos adaptar as mudanças. Já tivemos grandes jogos entre ótimos times da América do Sul e da Europa, hoje isso não é uma realidade e fica difícil forçar uma situação que não existe.