Pular para o conteúdo

Carille ainda procura um time

A formação ou reconstrução de um time de futebol é um processo mais complexo do que parece e o Corinthians passa por isso no início deste ano.

O time campeão de 2017 foi desfeito ao longo de 2018, inclusive com a saída do técnico que agora tem a missão de formar uma nova equipe.

Um time de futebol busca o equilíbrio, a equipe deve estar pronta para atacar e defender e um setor está diretamente ligado ao outro, cada vez fica mais difícil separar um time em defesa, meio-campo e ataque, é uma coisa só e o Corinthians ainda não é um time consolidado.

Carille busca alternativas. Ramiro já foi utilizado como volante e aberto na direita como atuou nos últimos anos de Grêmio. Sornoza, outra novidade deste ano, foi testado pela esquerda e pelo meio, até mesmo Jádson que não atuava pelo lado desde 2017, jogou na esquerda contra o Palmeiras. Na partida diante do Ferroviário,  Vágner Love esteve ao lado de Gustavo.

Algumas peças poderiam facilitar um acerto de time. Júnior Urso pode preencher o espaço de um volante mais rápido e com chegada na frente, outra função carente é de um atacante rápido, que dê profundidade e agressividade ao time, ninguém do elenco cumpriu bem esta função até aqui. André Luiz, Gustavo Silva e Clayson são as opções, Pedrinho também pode se encaixar nesta característica.

Fábio Carille terá tempo para buscar uma formação e já conseguiu arrumar alternativas em outras situações, como em 2018 quando escalou Rodriguinho e Jádson soltos, sem uma referência.

Carille é capacitado e pelo histórico no clube poderá trabalhar com um pouco mais de tranquilidade do que a média dos técnicos do futebol brasileiro, mas a paciência será necessária.