Abertura da Campo Grande Expo 2018

Marcelo Vieira,Presidente da Sociedade Rural Brasileira, Alessandra Piano, Diretora do Grupo CertFica e José Luiz Tejon Megido, jornalista da rádio Jovem Pan.

Direto de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, nos debates iniciais da Campo Grande Expo 2018, estamos hoje ao lado da Deputada Federal Tereza Cristina, líder da Frente Parlamentar da Agropecuária, Francisco Matturro, presidente da Agrishow e vice-presidente da Associação Brasileira do Agronegócio (ABAG), Marcelo Vieira, presidente da Sociedade Rural Brasileira e Rogério Rizzardi, da feira de Coopavel, Cascavel/PR.

 

Neste evento o tema central é a integração Lavoura Pecuária Floresta, onde o Mato Grosso do Sul se destaca por estar em primeiro lugar na adoção desta tecnologia que permite realizar na mesma área não apenas a monocultura, ao contrário, reúne e integra a pecuária com grãos, florestas e sendo possível ainda adicionar a aquacultura e a hortifruticultura, melhorando a segurança econômica e financeira de quem produz, e ao mesmo tempo, premiando a sustentabilidade.

O poder da criatividade corajosa no novo agro brasileiro será a essência dos debates.

Sob o ponto de vista da política, aspectos como tabelamento dos fretes, a lei nova dos agroquímicos, Funrural e segurança jurídica, com a deputada Teresa Cristina, com a sociedade rural brasileira, a competitividade do produtor brasileiro num mundo globalizado e com governos que subsidiam a atividade, além de criarem barreiras comerciais com as grandes feiras da Agrishow e Coopavel, numa revolução de inovações transformadoras do agronegócio.

 

As mulheres, o jovem, o leite, o pantaneiro e a lavoura, estarão de 16 a 20 de julho em Campo Grande, Mato Grosso do Sul.

Esse é o Brasil que queremos e que já temos… com a bola no pé perdemos e não temos mais o Pelé, mas na pecuária e na plantação, o brasileiro segue campeão.

Ou jogamos juntos e vencemos, ou isolados, todos perdemos no campo do agronegócio

 

Perdemos no campo do futebol, mas futebol é jogo. Uma bola entra, ou não entra, existe o imponderável: sorte e azar.

O Brasil não pode perder no outro campo, o campo do agronegócio… mas estamos perdendo, perdendo valor na crise de mega empresas como a BRF e a JBS, campeões mundiais desvalorizados.

Continue lendo “Ou jogamos juntos e vencemos, ou isolados, todos perdemos no campo do agronegócio”

Sábado, 30 de junho, é o Dia Nacional do Cooperativismo

O cooperativismo no Brasil

Foi no início do século XX que surgiu a primeira cooperativa do país. Uma cooperativa de consumo em Ouro Preto/MG. Já em 1902, surge a primeira cooperativa de crédito brasileira, no Rio Grande do Sul. E, em 1906, começam a se desenvolver as primeiras cooperativas agropecuárias nacionais. Essas são as primeiras instituições do Movimento Cooperativo Brasileiro de que se tem registro.

Montagem: Catherine Pestl

Entraremos na semana do cooperativismo no Brasil, e conversando com o ex-Ministro da Agricultura Roberto Rodrigues (que hoje é o primeiro titular da Cátedra Luiz de Queiroz da ESALQ-USP, que foi presidente da Organização das cooperativas Brasileiras – OCB e também presidente mundial da Aliança Cooperativa Internacional – ACI, me dizia do momento especial que viveu ao incluir na constituinte do Brasil, que originou a nossa Constituição Brasileira, o texto que liberava no país a criação das cooperativas de crédito.

Roberto Rodrigues acreditava que a alavanca, o instrumento essencial para o agronegócio brasileiro, estaria na possibilidade do desenvolvimento dos bancos cooperativados.

E da mesma forma, ainda em 1974, na cidade de Guariba/SP, quando ocorria o fechamento da única agência bancária da cidade, com a alegação de ser deficitária, Roberto Rodrigues liderava a criação de uma cooperativa de crédito no estado de São Paulo.

Voltando no tempo, em 1902, na cidade de Nova Petrópolis, Rio Grande do Sul, o padre jesuíta Theodor Amstad, fundava a primeira cooperativa brasileira: o Sicredi.

Hoje, na cidade de São Paulo, precisamente na Av. Paulista, há uma moderna agência da Sicredi que representa na mais financeira e simbólica avenida dos negócios do país uma bandeira do cooperativismo brasileiro.

Todo o cooperativismo brasileiro representa cerca de 300 bilhões de reais de movimento econômico, envolve mais de 14 milhões de brasileiros diretamente e mais de 40 milhões indiretamente.

Onde existe uma cooperativa bem constituída e liderada, o Índice de Desenvolvimento Humano – IDH, é o melhor e maior do que onde não existe uma cooperativa.

Ninguém governará o Brasil se não organizar a Sociedade Civil, e as cooperativas do país já estão dando exemplo de gigantesca realidade e dimensão, mostrando como é possível progredir com dignidade humana.

Cooperativismo não é mais uma invenção, é realidade concreta do resultado da cooperação.

 

Embrapa abre vaga para novo presidente

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa abriu a vaga para a escolha do seu novo presidente. Sai Maurício Lopes, a quem aplaudo, e vem aí uma demanda com grandes expectativas.

A Embrapa é uma empresa brasileira de pesquisa agropecuária, uma casa fundamental para o agro nacional e toda a civilização do planeta no seu cinturão tropical.

Alguns dizem que a Embrapa precisa de um perfil executivo, um legítimo gestor, outros propõem nomes, como já ouvi, de Evaristo Miranda, que hoje dirige a Embrapa Territorial de Campinas, ou de Cleber Oliveira Soares, atual diretor de inovação e tecnologia da Embrapa e ex-dirigente da Embrapa Gado de Corte do Mato Grosso do Sul.

 

Porém, vozes importantes da Embrapa acreditam que o posto hoje de presidente da instituição exigirá, acima de tudo, talento e vocação como gestor.

 

O candidato deveria já ter passado com sucesso pela gestão de organizações públicas, um executivo ou administrador com sensibilidade para ter ao seu lado assessores estratégicos e principalmente capacidade para ouvir a sociedade, dialogar com o setor do agronegócio brasileiro, com as entidades representativas dos produtores rurais do país, com as grandes corporações internacionais que investem bilhões de dólares em inovação, e com isso, buscar um planejamento estratégico priorizando as necessidades que nos levarão ao futuro no campo da pesquisa e na implementação do conhecimento pesquisado junto ao campo brasileiro.

 

Como o ex-ministro da Agricultura Alysson Paolinelli, importantíssimo na história da Embrapa, enfatiza que ainda falta muito para dominarmos todo o conhecimento necessário de cada bioma brasileiro.

 

Da mesma forma, ao dominarmos a tropicalização da ciência, seu uso no cinturão tropical do planeta, temos uma bandeira internacional da legítima paz.

Podemos apoiar, pesquisar e trabalhar junto aos países nessa faixa da terra, que reúnem cerca de 5 bilhões de habitantes e, exatamente nas zonas mais necessitadas de produção e de dignidade humana. Um projeto de estado brasileiro, sem dúvida.

 

Seria o próximo presidente da Embrapa um profissional da pesquisa ou uma pessoa com legítimos e profundos conhecimentos da administração em empresas públicas?

 

Uma boa questão, que possa vencer a sensatez, mas que seja ela por um caminho ou outro, que fique livre e blindada de facções políticas… prioridade total no país.

 

Porém, como jornalista e observador, faz sentido a proposta dele para presidente da Embrapa; agora é uma boa hora para um ótimo e preparado administrador.

Como dizia Peter Drucker: “Não existem países subdesenvolvidos, existem países subadministrados.”.

Caminhoneiros negociam e dão exemplo de luta

O assunto da greve dos caminhoneiros e suas consequências com o impasse da tabela dos fretes já tem sido alvo de análises intensas de toda a mídia com quantificações que variam, conforme a dimensão do analista econômico de 3 bilhões de reais, num sentido mais estrito, a mais de 70 bilhões de reais, numa angulação mais ampla de seus prejuízos numa cascata econômica desde exportações até o desabastecimento, inflação e o brutal impacto negativo que atiça ainda mais nossas incertezas num ano de eleições e crise de liderança nos poderes.

A vantagem de dialogarmos nas redes sociais é que escrevemos e também lemos sobre o feedback do povo, não só do setor de produtores rurais, mas de toda gente envolvida ao longo das cadeias produtivas do agronegócio, afinal agro é tudo, e agro também é caminhão e motorista de caminhão.

 

Um dos caminhoneiros, independente, autônomo, me mandou mensagem pelo meu Facebook (onde posto também artigos e as notícias do programa A hora do agronegócio) e divulgo textos pelo blog Cabeça de Líder, da Jovem Pan.

Ao estabelecermos um diálogo, ele me mostrou sua realidade, as agruras e a vida dura do seu caminhão. O nome dele é Sérgio Rabelo. Me escreveu reclamando, dizendo que era preciso ver o lado difícil da categoria. Eu agradeci e pedi para que me mandasse notícias, coisas reais e verdadeiras, como: “Onde você está agora, amigo caminhoneiro, e como está se virando com esse enrosco da tabela? Está parado? Como fica a situação… o que você está vendo nas estradas?

 

Sérgio me respondeu: “Estou negociando Tejon, negociando… agora vou pegar um frete de borracha, látex da fazenda que fica no município de Palmeirópolis… a fazenda Serra Dourada. Palmeirópolis fica a 449 km de Palmas-Tocantins, município com cerca de 8 mil habitantes. Lugar de minérios também, produz soja, milho, banana, leite, melão, abóbora, e é considerado um dos maiores potenciais da borracha, de seringueiras do látex do estado de Tocantins e do país…”.

 

Eu perguntei: “E como é a negociação?” Ele disse: “Eu queria a tabela, R$ 280,00 a tonelada. queriam pagar R$ 250,00, consegui R$ 270,00”.

Ou seja, enquanto esperamos pela justiça, a decisão, na impossibilidade de sua aplicação, o que resta mesmo é a força, a criatividade e a luta do caminhoneiro, que faz da tabela agora uma base para negociar, não parar e sua vida continuar.

 

“Eu estou negociando…”, enfatiza ele, “…e procuro pegar e carregar com quem mais se aproxima da tabela.”

 

Fica aqui de novo, a nossa posição, ninguém governará o Brasil se não organizar a Sociedade Civil.

 

Nosso amigo caminhoneiro, autônomo, lutador e guerreiro fala: “Vamos levando, negociando… até onde dá.”.

 

Um Brasil que já temos com brasileiros que contra tudo e muitos, não param. Por isso, desde 1970, o Brasil continua entre as 10 maiores economias do mundo. Imagina se os governos ajudassem… onde estaríamos?

Na Rússia, em meio a Copa do Mundo, associações promovem a proteína animal do Brasil

Estou celebrando ainda o brilhante livro da biografia das copas do nosso companheiro e jornalista Thiago Uberreich, e como já disse algumas vezes, para cada notícia ruim nosso cérebro precisa de, pelo menos, cinco notícias positivas.

Então, aí vai uma notícia boa:

Em meio a toda crise dos frangos com embargos, greves, afetando da mesma a suinocultura, o preço elevado da ração e em meio a dificuldades, a Associação Brasileira de Proteína Animal – ABPA junto com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos – APEX estarão realizando ações de promoção da qualidade da carne suína e de frango na Rússia até o dia 30 de junho.

Propaganda da ABPA e Apex-Brasil da carne suína brasileira, em rua movimentada de Moscou, Rússia, país-sede da Copa do Mundo 2018. Foto: Divulgação ABPA

Grande ação estratégica da ABPA no momento da Copa do Mundo.

Serão 45 pontos espalhados pela capital russa com banners ressaltando a qualidade dos produtos brasileiros com mensagens ligando o futebol brasileiro com a proteína animal.

A copa recebe pessoas de todo o planeta, e o Brasil exporta para 160 países. Ricardo Santin, diretor executivo da ABPA, disse: “A Copa do Mundo é um dos maiores eventos do mundo, e lá estaremos com a carne brasileira…“.

A Rússia desde novembro de 2017 se mostrou a maior cliente do Brasil. Embarcamos 260 mil toneladas de carne suína para a Rússia só no ano passado.

Obtivemos uma receita de 693 milhões de dólares em suínos; vendemos 83 mil toneladas de frango, com quase 130 milhões de dólares em receita.

Temos no mercado russo um potencial cliente de muito mais do que isso, é excelente essa ação da ABPA ao lado da APEX.

Seria bom que o Neymar ao fazer um gol batesse os braços em alusão as asinhas do nosso frango, e que o Gabriel Jesus, ex-palmeirense, pudesse elevar o nosso porco lá na Rússia as alturas!

Enquanto o pancadão do tabelamento do frete para o agro no Brasil fica estagnado, que a seleção e a carne suína e do frango cresçam em Moscou e aqueçam as lindas estepes russas.

Bolsonaro arruma encrenca com o maior cliente do Brasil: a China

Bolsonaro arrumando encrenca com o maior cliente do Brasil… arroubos que criam agouros.

Como se já não sobrassem problemas internos no país, onde temos inimigos das mais distintas facções, lá vai agora Bolsonaro se meter e arrumar encrenca na Ásia.

 

O Brasil representa uma área geopolítica segura para os interesses de todos os países do mundo, na questão de segurança alimentar.

 

E sem dúvida, a China assim vê o Brasil. Ela significa hoje o maior cliente do agronegócio brasileiro e o maior cliente, em tudo… comprou mais de 47 bilhões de dólares ano passado, investiu de 2010 até 2015 mais de 37 bilhões de dólares no Brasil.

 

Em um tour asiático a família Bolsonaro andou derramando palavras de ordem contra a invasão chinesa, e ainda os afrontou, indo a Taiwan e tendo encontros com seus líderes políticos.

 

O Brasil não é os Estados Unidos, nem Rússia, nem Japão e nem a Europa. Somos um país tropical, situados numa área geopolítica de independência e equidistância em conflitos internacionais.

 

O Brasil significa para a China, Rússia e Oriente Médio um excelente parceiro estratégico, pois seria impensável o país se meter em algum tipo de conflito ou preferências ideológicas por este ou aquele, acima do único interesse nacional, fazer o comércio e atrair investimentos dentro das nossas regras e leis, além de desenvolvermos um cliente que é sonho de vendas de todos os fornecedores do planeta, a China, nosso freguês.

Bolsonaros em Taiwan: (da esquerda para direita) Carlos, Flávio, Jair e Eduardo posam para foto em Taiwan (Reprodução/Página do perfil de Bolsonaro no Facebook/Divulgação)

Compramos aproximadamente a metade do que vendemos para os chineses, e essa relação de trocas será sim cada vez mais alvo de negociações… e precisamos nos preparar para isso.

 

Um erro de arroubos é colocar medo nas relações e inserir palavras de ordem falso nacionalistas que só podem atrapalhar o agronegócio brasileiro.

 

Como pré-candidato à presidência da república, deveria visitar nossos clientes e olhar zonas novas de acordos, além de aprender com os mesmos, e se tão interessado assim está no agronegócio brasileiro, deveria Bolsonaro ir investigar por que compramos alho e feijão preto da China, se o país é do agronegócio.

 

Com certeza se surpreenderia ao ver investimentos em tecnologia e redução de custos na cadeia produtiva chinesa, o que significaria belas lições para um brasileiro que quer se meter a liderar o Brasil.

 

O Brasil não deve criar dependências com um ou dois mercados. O país deve sim vender mais com mais capilaridade e valor agregado. Mas atacar o cliente número 1, ou é burrice, ou tática eleitoreira de um despreparado.

Crise do frango um grande incômodo

E lá vamos nós para mais uma crise da carne, agora do frango.

 

frango assado

Algo chama atenção, a crise ocorre na indústria, no frigorífico, e quem cuida da bronca é o ministro da agricultura Blairo Maggi.

Enquanto Marcos Jorge de lima, o ministro da indústria e comércio não aparece.

 

Então o avicultor vai pagar o pato, ou melhor a salmonela do frango.

Não podemos alegar que a concorrência internacional nos quer mal, pois claro, óbvio, a concorrência nos odeia e sim, nos quer mal.

Mas vale a questão se o maior traidor ou concorrente não está aqui do lado de dentro, na gestão, e no não cumprimento dos exigentes rigores para ter um mercado como o europeu.

Que, claro não nos quer bem, pois aprendemos a produzir com qualidade e custo imbatíveis, mas, precisa ser olímpico, perfeito, impecável.

Assim para sempre será.
Cabe às organizações da sociedade civil organizada desenvolverem auto regulamentação, código de ética, auto vigilância e fiscalização.

Pois um, apenas um que não segue os padrões de conformidade estabelecidas, destrói a todos os outros que fazem corretamente.

Agora na BRF chamaram Pedro Parente para presidir o conselho.

Saímos do Sul e vamos para a Amazônia, estou no Estado do Pará, existe um Pará ilegal.

Com mais registros de terras do que terras físicas para entregar, e a insegurança jurídica gera um lado do Pará ilegal.

Mas tem um novo Para, cooperativas e empresas que trabalham dentro do mais alto rigor da lei.

A logística vai pelo Pará, e o meio ambiente é uma das maiores preocupações do paraense, a pecuária, o cacau hoje maior no Para do que na Bahia, frutas, e a palma, o dendê, onde a melhor do mundo hoje está no Pará.

O futuro do agronegócio brasileiro será do tamanho da inteligência dos seus líderes em serem éticos, sustentáveis, e agirem 100% dentro da lei.

A legalidade e a conformidade com os clientes e consumidores finais, e a justiça e relações corretas de cada cadeia produtiva é o segredo desse nosso futuro.

Na Amazônia brasileira, precisamos da lei, da vitória de um PARÁ LEGAL, acima do ilegal.

No agro como um todo, e no caso do frango, que entra numa nova crise, precisamos da responsabilidade dos líderes da cadeia produtiva.

Cabe a quem comanda a cadeia, zelar por ela e a representar como ninguém.

Que os avicultores brasileiros não paguem mais esse pato a culpa não é deles.