Pular para o conteúdo

Quatro presidentes diferentes em quatro anos no Ceagesp?

Quatro presidentes diferentes em quatro anos no Ceagesp?

Existem muitas insatisfações com o nosso Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais do Estado de São Paulo) e não poderíamos ter ineficiência num lugar com a importância imensa dessa organização para todo o agronegócio de legumes, frutas, verduras e flores.

O Ceagesp é um dos maiores entrepostos do mundo e movimenta produtos de mais de 50 mil produtores, a grande maioria por produtores familiares.

Possui 1.200 permissionários de FLV, 900 de flores e 66 de pescados. E existe muita insatisfação com sua administração. Os custos e a não inovação vão tirando do Ceagesp os clientes.

Os clientes mais organizados passam a preferir investir em seus centros de distribuição, que ficam mais baratos do que ir se abastecer no Ceasa.

Dificuldades nos sistemas (internet) para emitir notas fiscais. Problemas com logística e ideias esquisitas, como por exemplo, impedir que sejam usadas empilhadeiras para carregar as cargas com pallets de clientes dos permissionários.

Problemas com a imagem de sanidade e segurança de alimentos crescendo. Existem insatisfações e incômodos reinantes no ambiente do Ceagesp.

A própria ideia de mudança do Ceasa São Paulo para outro local para melhorar a logística está travada e parou, o que também é esquisito. Estima-se que a área onde está hoje o Ceasa na cidade de São Paulo deve valer cerca de 9 bilhões de reais, um dinheirão muito atraente para o Governo Federal.

A montagem de um novo Ceasa moderno se faria com um terço desse patrimônio. Por que travou, travou por quê?

Agora, o que mais chama minha atenção e quero aqui perguntar e obter respostas. Por que em quatro anos, em apenas quatro anos, a presidência do Ceagesp mudou 4 vezes?

E pergunto: “É possível qualquer organização de qualquer tipo ter alguma chance de planejamento, liderança e governança mudando o seu presidente 4 vezes em 4 anos, e ao mudar o presidente, mudarem gerentes e equipes?”

E ainda mais: seriam os 4 presidentes dos últimos 4 anos do Ceagesp profissionais técnicos especializados em logística, abastecimento, comércio, entrepostos ou seriam eles herdeiros de negociações de partidos políticos e da mesma forma suas equipes?

Um presidente do PT substituído por outro do PSD, depois PP e agora o atual presidente também ligado ao PP.

Então vai aí a bronca que serve para o Ceagesp e para tudo que envolve governo, precisa parar com o leilão de cargos nas empresas públicas, o exemplo do Ceagesp não resiste a uma análise simplória de qualquer estudante de administração com 4 diferentes presidentes indicados por partidos políticos em 4 anos.

Sério demais para um órgão do agronegócio brasileiro que define precificação de frutas, legumes e verduras em todo o país e mexe com a vida de milhares de produtores, comerciantes e milhões de consumidores e tem nos seus quadros excelentes técnicos à disposição.

Precisa acabar com isso. Gostaria de ouvir o alto comando do Ceagesp a respeito.

É hora da Sociedade Civil Organizada assumir o Brasil.

%d blogueiros gostam disto: