Pular para o conteúdo

Nem jogar conseguem

 

Ir a um estádio é uma aventura perigosa. Nada muda. Violência, estádios ruins, sujeira, desorganização.

 

Novamente River Plate e Boca Juniors não jogarão a final da Libertadores. Os marginais, que atacaram o ônibus do Boca, conseguiram atrapalhar aquele que poderia ser o maior jogo da Libertadores. E isso ocorreu porque a incompetência tomou conta do nosso futebol, faz tempo.

Marginais têm espaços livres entre os jogadores e torcedores e criam problemas o tempo todo. Isso vale para a Argentina, o Brasil, o Chile, o Uruguai. A América do Sul perdeu sua identidade com o jogo de futebol.

Ir a um estádio é uma aventura perigosa. Nada muda. Violência, estádios ruins, sujeira, desorganização, podemos unir todos esses fatores somados levaram a decadência atual, passando pela incompetência de fazer um jogo que o mundo inteiro esperava, até a Europa, que normalmente ignora o que acontece neste lado do mundo.

Tudo muito triste. Vemos aqui o que víamos nos certames africanos com barbáries e tragédias. Por sorte não houve mortes nos acontecimentos do sábado em Nuñez, mas o clima está propício a isso, sem dúvida. Viramos apenas reveladores de jogadores para centros maiores. Nosso futebol, falando em América como um todo, desapareceu.

Vergonhoso tudo isso. Bem Conmebol. Perdeu-se completamente o respeito pelos campeonatos que “organizamos”. Até a outrora grande Libertadores. Nossos clubes ficam menores a cada dia, enquanto na Europa as marcas ganham representatividade mundial.

São empresas que entraram em campo com ideias globais e colocam seus tentáculos também por aqui. Ainda bem. Com nosso futebol desse jeito, somente os europeus poderão fazer algo pelo nosso combalido esporte, onde a América do Sul já foi referência.