Mais uma declaração da ministra da Mulher, Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves causa polêmica. Ontem, durante audiência pública na Comissão de Defesa dos Direitos das Mulheres na Câmara, questionada pela deputada Alice Portugal (PCdoB-BA) sobre se a mulher deveria ser submissa ao homem, a ministra respondeu:

“Dentro da doutrina cristã, sim. Dentro da doutrina cristã, lá dentro da igreja, nós entendemos que um casamento entre homem e mulher, o homem é o líder do casamento. Então essa é uma percepção lá dentro da minha igreja, dentro da minha fé”

Também falou que acreditar nisso, por fé, não a faz menos capaz de ser ministra e que isso não significa que todas as mulheres devem ser submissas e “abaixar a cabeça para o patrão, para o agressor e para os homens que estão aí”.

“Isso não me faz menos capaz de dirigir este ministério. Não me faz mais incompetente. É uma questão de fé lá dentro do meu segmento”

“Mas dentro da minha concepção cristã, a mulher, sim, no casamento é submissa ao homem e isso é uma questão de fé”

Por outro lado a ministra também reforçou que a igreja deve tomar consciência de seu papel social de apoiar e acolher mulheres que passam por situação de violência. Disse que não é só orar por aquela mulher, mas pegar ela pela mão e a levar até uma delegacia.

A deputada Tabata Amaral (PDT-SP) fez um discurso bastante assertivo colocando diversos pontos a respeito da defesa da mulher brasileira negra e parda, analfabeta funcional, que pode ter passado por uma gravidez na adolescência, que trabalha em dois turnos no mercado informal para conseguir sustentar a família. Falou da necessidade da ministra se posicionar em relação às ameaças de morte feitas à deputada Alê Silva ( que relatou a existência de esquema de candidaturas de laranjas comandado por Marcelo Álvaro Antônio, ministro do Turismo), questionou se Damares defende e incentiva a entrada de mais mulheres na política, entre outras questões. Damares a elogiou assim:

“Que deputada linda. Só o fato de você estar no parlamento. Não precisava nem abrir a boca. Só o fato de você estar aqui, já diz pra jovens lá fora, elas também podem chegar aqui.”

Corra pra ver Homecoming, documentário de Beyoncé na Netflix Cineminha? Terror, filme com produção de Almodóvar e vencedor de Sundance sobre a cura gay

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.