Eis que aconteceu esse episódio com Kéfera, no programa Encontro com Fátima Bernardes.

 “O que você está fazendo é mansplaining, que é o homem explicar o feminismo para a mulher. Não é necessário, a gente sabe muito bem o que é feminismo, e a gente entende o seu ponto de vista, só que é desnecessário”

Então, o youtuber Luba, que tem mais de 6 milhões de inscritos, resolveu comentar o episódio:

 “Dizer ‘você é um homem, logo você não pode falar sobre isso comigo’ é um argumento falso, é uma falácia chamada argumentum ad hominem, que é quando você tenta atacar a pessoa que está argumentando em vez de atacar o argumento que ela está usando. Se você precisa atacar uma pessoa e não consegue debater contra o argumento dela, talvez você mesmo não endente (sic) do que está falando ou o que está tentando defender”.

“Outro problema que eu tenho com esse tipo de falácia é que, por mais que você não goste da pessoa, por mais que acredite estar certo e acredite que tal pessoa não tem qualificação suficiente para falar sobre o que ela está falando, ela pode, sim, falar sobre o que ela quiser. (…) É lugar de fala dessa pessoa se expressar, sim. Porque todos nós estamos sob a mesma Constituição, que protege o direito de liberdade de expressão”.

Houve resposta no Twitter, por parte de Kéfera. Incluindo alguns RTs:

https://twitter.com/Kefera/status/1074952860138463232

Teve vídeo de resposta. No qual, Luba comentou também o que disseram sobre ele na internet. Apesar de não mostrar exatamente esses twites da Kéfera, mostrou de outras pessoas, disse que se posiciona em vídeos em que já falou sobre sua homossexualidade, e que não se posicionou politicamente porque não milita. Para Kéfera, respondeu:

No meio disso, resgataram twites antigos da Kéfera, como este, ao qual ela respondeu:

E eles já foram amigos…

Para quando você esquecer o nome de alguém Polêmica! Paula Fernandes é legal?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.