Pular para o conteúdo

Teste do Pezinho deve ser feito nos primeiros dias de vida do bebê

Teste do Pezinho deve ser feito nos primeiros dias de vida do bebê

Hoje, 6 de junho, é o Dia Nacional do Teste do Pezinho. E por que celebramos esta data? A ideia é conscientizar e alertar papais e mamães para a importância da realização do exame. O teste deve ser feito nos recém-nascidos, quando já estão recebendo leite e antes de terem alta da maternidade, sendo o ideal entre o 3º e o 7º dia de vida, para ajudar a identificar possíveis enfermidades.

Este exame identifica doenças metabólicas, genéticas e infecciosas, que não são detectadas apenas por exame clínico. Desde 1960, a Organização Mundial da Saúde (OMS) reafirma a importância da realização da triagem neonatal e incentiva a criação de programas nacionais que definem critérios para o exame. Em 2001, foi implementado no Brasil, o Programa Nacional de Triagem Neonatal, que tornou obrigatória a versão básica do Teste do Pezinho em todo o território nacional.

 Como é o teste do pezinho?

É retirada uma pequena amostra de sangue do calcanhar do bebê, região rica em vasos sanguíneos – por isso, o nome popular – e analisá-la por meio de uma série de exames laboratoriais. A finalidade é detectar doenças que, se não diagnosticadas e tratadas precocemente, causam graves problemas de saúde e comprometem a qualidade de vida da criança.

“O exame do pezinho básico é obrigatório por lei. Mas se a pessoa tiver condições de investigar mais, fazendo o teste ampliado ou expandido, poderá evitar outros problemas para a criança no futuro. O teste do pezinho detecta doenças que podem ser tratadas, evitando sérios problemas neurológicos, além de outras sequelas”, afirma Mônica Carceles Fráguas, pediatra neonatologista e coordenadora do Berçário da Pro Matre Paulista.

O Instituto Mauricio de Sousa e a Casa Hunter se uniram para divulgar informações sobre o teste durante o Junho Lilás. As postagens com informações sobre o Teste do Pezinho serão publicadas nas redes sociais do Instituto Mauricio de Sousa e da Casa Hunter, associação dedicada a apoiar pacientes com doenças raras e seus familiares.