Pular para o conteúdo

Como trabalham os editores de mapas do Waze

Como trabalham os editores de mapas do Waze

Alguns usuários do Waze chamaram atenção para uma “falha” curiosa. Para os motoristas na região do Morumbi, na Zona Sul de São Paulo, um dos caminhos indicados pelo GPS para deixar o bairro é uma ponte que cruza a Marginal Pinheiros. Estaria tudo certo não fosse um simples detalhe: a obra desta ponte não está concluída.

Waze (1)“[O trânsito] tava completamente anormal e eu comecei a olhar o caminho indicado pelo Waze e vi que ele estava indo pela rua Itapaiúna para subir pela ponte nova, que nem está pronta ainda”, relata o publicitário Bernardo Bastos, morador do Morumbi, que diz ter conversado com outros usuários do Waze que vivem no bairro e muitas pessoas tiveram o mesmo susto.

A ponte em questão chama-se Itapaiúna e faz parte do sistema viário da Avenida Chucri Zaidan. Segundo a prefeitura de São Paulo, esta obra ainda não está concluída. Mas por quê o Waze indica um trajeto pelo qual os usuários não poderão seguir?

A explicação está na edição dos mapas, espinha dorsal do aplicativo. “Os mapas são criados e mantidos atualizados pela própria comunidade de usuários do Waze, editores voluntários que moram na área e conhecem melhor a região”, como explica em entrevista exclusiva ao Tech News, Adrian Singer, gerente da comunidade de editores de mapas do Waze.

Singer explica que toda a base de dados do Waze é mantida através do crowdsourcing, ou seja, com a colaboração dos usuários. Até mesmo correções de informações erradas, como a dessa ponte que ainda não está pronta, são encaminhadas para que esse grupo de editores faça a revisão e corrija. “Eles se conectam com nossos executivos diariamente, nós conhecemos muito bem esses editores e trabalhamos com eles de maneira muito próxima”.

O Waze tem atualmente 360 mil editores de mapas, e há uma hierarquia entre eles para determinar os limites de atuação de cada um. Significa que um editor com menos experiência dentro da plataforma só pode editar mapas num raio de até um quilômetro da sua casa. Já edições mais complexas precisam da aprovação de um editor sênior. “A hierarquia entre os editores de mapa é baseada em sistema que recompensa os colaboradores mais antigos e encoraja um relacionamento próximo com a equipe do Waze”, conta Singer.

No áudio abaixo, você confere o bate-papo completo com o gerente da comunidade de editores de mapas do Waze, Adrian Singer.

%d blogueiros gostam disto: