Pular para o conteúdo

Histórias do Vampeta: A máscara do Amaral

Histórias do Vampeta: A máscara do Amaral

Ah, essa foi em Atibaia. No Corinthians, a gente sempre se concentrava antes dos jogos decisivos lá num hotel. Depois do lanche, todos voltavam para os seus quartos. Eu dividia com o Índio, Edílson com Amaral, Rincón e Dinei… e o Amaral tinha uma mania de colocar uma máscara e batia nas portas com extintor para assustar a galera.

Certa vez, ele foi no quarto errado. Logo o do Dinei, que disse para ele: ”Você é muito mais feio que a máscara, então é melhor assustar sem” (risos). O Amaral ficou bravo e começou a chama-lo de vagabundo (risos).